Produtores de grãos dos EUA apertam os cintos e cortam gastos para competir com América do Sul

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – David Divo

– Quando o produtor do Kansas Tom Giessel passou com sua colheitadeira por cima de uma carcaça de um cervo e furou seu pneu durante a safra neste outono , ele não teve o tempo ou dinheiro para consertá-lo. Ele pegou emprestado o trator de seu vizinho para concluir o trabalho. Produtores dos Estados Unidos estão cortando gastos do jeito que podem para competir com produtores com menores preços da Argentina e do Brasil. Quatro anos de excedentes mundiais pressionaram os câmbios dos grãos, diminuíram as receitas agrícolas e colocaram produtores com mais preços sob pressão financeira. Em resposta, produtores dos EUA adquiriram sementes mais baratas, gastaram menos em fertilizantes e enquanto buscam cruzar a crise, protelaram compras de equipamentos. Mas previsões de mais safras recordes e crescentes custos de energia anunciam outro ano difícil para produtores em 2018. “A coisa lógica a se fazer é parar de produzir”, declarou Giessel, de 64 anos, que cultiva cerca de 5 mil acres e trabalhou com isso ao longo de toda sua vida adulta. Giessel cortou gastos naquilo que pode controlar — sementes, químicos, fertilizantes, terras arrendadas — e gastou quase todas suas economias. Ele poderá perder até 93 dólares por acre, ou quase 15 mil dólares, em somente uma plantação de milho neste ano. “Minha ‘burn rate’ está pegando fogo. E eu não sou diferente de ninguém lá fora”, declarou Giessel. Alguns produtores deveram vender ativos para se conservarem. Outros tiveram que dizer falência. Produtores dos EUA padeceram uma outra comoção neste ano em função dos crescentes preços de mão de obra, combustível e eletricidade. Esses preços juntos correspondem a cerca de 14,5 por cento dos gastos totais e estão completamente fora do controle de produtores. As despesas com juros também ampliaram, já que os bancos limitaram o crédito ao setor agrícola. A expectativa é que esses itens aumentem os preços totais em até 1,3 por cento em 2017, que tem que ser o primeiro ano desde 2014 em que produtores não conseguirão diminuir os preços totais. Faz 3 anos, produtores cortaram 40,20 bilhões de dólares,. A retração nos gastos abalou fabricantes de equipamentos agrícolas. Faz 2 anos, vendas em a divisão agrícola de a Deere e Co e CNH Industrial caíram acentuadamente e 2016. A Deere espera que as vendas de equipamentos agrícolas nos Estados Unidos e Canadá caiam outros 5 por cento neste ano, e Faz 3 meses, a CNH declarou que as vendas em a América do Norte estavam menores. Custos E PRODUTIVIDADE DA colheita A queda nos custos da colheita superaram os cortes que produtores fizeram nos gastos. Os futuros do milho caíram cerca de 12 por cento durante 2017 ante as médias de 2014, recuaram 24 por cento, enquanto os custos da soja estão 17 por cento abaixo e os do trigo. Produtores estão buscando maiores produtividades por meio de sementes melhores e tecnologia de pesticidas para poderem competir com seus pares na América Latina e em outros locais. Mas eles estão combatendo para conseguir adquiri as mais recentes e caras variedades no momento em que apertam os cintos. Economizar dinheiro em aquisições de capital é uma coisa. Mas cortes a insumos agrícolas — desde diminuir quantas sementes serão semeadas a cortar a utilização de fertilizantes — podem prejudicar a produtividade, declaram produtores. David Miller, que cultiva milho e soja em 500 acres no sul do Iowa, economizou cerca de 8 dólares por acre para a oleaginosa e cerca de 20 dólares por acre para o milho ao utilizar sementes mais baratas. O risco é o de produzir uma colheita menor. Adicionando-se à essa preocupação: após um verão seco, ele espera que sua pior lavoura de soja produza cerca de 20 bushels por acre, 65 por cento abaixo da média estadual. Mesmo com os cortes, produtores dos EUA ainda estão gastando mais por acre do que seus concorrentes na América Latina. Na Argentina, o milho terá que custar pouco menos de 200 dólares por acre na colheita 2017/18, segundo Ezequiel de Freijo, analista no Instituto de Estudos Econômicos da associação agrícola Sociedad Rural, bem abaixo dos 310 dólares por acre vistos nos Estados Unidos em 2016. Produtores de soja no país latino-americano estão gastando cerca de 115 dólares por acre, ante cerca de 163 dólares nos Estados Unidos durante 2016. Os preços menores auxiliaram produtores latino-americanos a tirar participação de mercado de seus concorrentes nos Estados Unidos. Faz 3 anos, o Brasil e Argentina, juntos, terão que capturar quase 42 por cento de o mercado mundial de exportação de milho em a colheita 2017-18, ante 38 por cento. Durante o mesmo fase, os Estados Unidos viram sua participação nas exportações mundiais de milho cair para aproximadamente 31 por cento do mercado, ante 33,5 por cento. Produtores latino-americanos, assim como seus iguais no norte, também estão buscando modos de diminuir preços para impulsionar suas margens e tirar mais do mercado mundial de seus concorrentes. “Estamos diminuindo a utilização de fertilizantes, por exemplo” declarou José Fernandes, que cultiva 400 hectares, ou quase 1.000 acres, de soja no maior Estado produtor brasileiro, Mato Grosso.

– A Visa superou as expectativas de Wall Street para o lucro trimestral nesta quarta-feira, auxiliada por uma ampliação no número de pessoas utilizando sua rede global para pagar de tudo, desde mantimentos a corridas de Uber, levando suas ações para um novo recorde. Uma vez que os gastos dos consumidores, que encarnam mais de dois terços da atividade econômica dos EUA, permanecem em um ritmo saudável, a empresa registrou uma ampliação dos pagamentos com cartão nos Estados Unidos. A Visa vem buscando agressivamente o mercado de Noruega, oferecendo incentivos para a utilização de cartões em vez de dinheiro nas compras diárias. Recentemente, fez parceria com a Uber para permitir que os usuários do serviço de transporte urbano, com conta vinculada ao cartão Visa, possam ganhar créditos com as corridas para adquiri produtos nas lojas participantes da promoção. As ações da Visa chegaram a subir 2 por cento, tocando o valor lembre de 110,61 dólares nesta quarta-feira. Faz 1 mês, em setembro, a maior operadora de rede de pagamentos de o mundo registrou uma ampliação de 9,8 por cento em os volumes de pagamento, para 1,93 trilhão de dólares, em uma base constante em dólar, com os EUA respondendo por 43 por cento de o volume total, em o trimestre concluído. O lucro subiu 11 por cento, para 2,14 bilhões de dólares no trimestre. O lucro por ação Classe A subiu para 0,90 dólar e superou a estimativa dos analistas de 0,85 dólar, de acordo com o Thomson Reuters I/B/E/S. A Visa superou as estimativas de analistas nos últimos oito trimestres. As despesas operacionais ampliaram marginalmente para 1,64 bilhão de dólares com preços de indenização relacionados à Visa Europe. Visa espera que as despesas operacionais adaptadas aumentam na faixa ao redor de 5 por cento em 2018. A receita operacional total subiu 14 por cento, para 4,86 bilhões de dólares, superando expectativas pelo quinto trimestre consecutivo. A empresa espera crescimento da receita de um dígito alto em 2018, em uma base de dólar nominal.

Leer Más

Juízes fazem cartilha sobre reforma da CLT

Por: SentiLecto

A Associação Nacional dos Magistrados do Trabalho divulgou na quinta-feira uma espécie de cartilha sobre como interpretar a reforma trabalhista. Se produziu o documento com base em sugestões colhidas durante um seminário realizado em Brasília em a semana passada que reuniu, além de juízes, fiscais e procuradores de o trabalho que assinam debaixo de as teses exibidas,. No total, foram produzidos 125 enunciados que contestam o texto aprovado em julho, que entra em forcita no dia 11 de novembro.

Leer Más

Bolsa paulista sobe com respaldo de Vale e Santander em sessão com vencimento de alternativas sobre ações

Por: SentiLecto

– O principal índice da bolsa paulista operava no azul nesta segunda-feira, amparado nos ganhos da Vale e também com destaque para a alta dos papéis do Santander, após melhora em recomendação de analistas. Vencimento de o pregão de esta segunda-feira marca a primeira parte de alternativas sobre ações , o que pode trazer alguma volatilidade a os negócios. Às 11:50, o Ibovespa subia 0,43 por cento, a 77.321 pontos. O giro financeiro era de 4,7 bilhões de reais. Em mais uma sessão positiva para as commodities, as ações de companhias dos setores de siderurgia e mineração também auxiliavam a sustentar o tom positivo do índice. No entanto, o cenário político ainda gerava precaução e restringia os ganhos do índice, por percepção de que o quadro está menos favorável para a tramitação de reformas no Congresso Nacional, enquanto segue o processo de análise da segunda acusação contra o presidente Michel Temer. O sinal amarelo no front político voltou a ser disparado pela divulgação do testemunho do empresário Lúcio Funaro à Procuradoria-Geral da República em que aalegaque o presidente Temer seria destinatário de parte da propina negociada em esquema de corrupção comandado pelo ex-deputado Eduardo Cunha A divulgação dos vídeos da delação de Funaro abriram uma crise entre Temer e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia , uma vez que foram tornados públicos pelo site da Casa. “A fricção entre Planalto e Congresso é evidente no caso dos vídeos de Funaro e o presidente da Câmara tende a se afastar da figura de Temer… Com isso, fica mais distante a tramitação da reforma previdenciária”, escreveram os analistas da corretora Lerosa Investimentos, em nota a clientes. Esta sessão marca ainda o começo das operações com horário estendido das negociações, com o pregão funcionando das 10h até as 18h, devido ao começo do horário de verão no Brasil. DESTAQUES – SANTANDER UNIT progredia 4.08 por cento, melhor performance do setor e do Ibovespa, após visão mais otimista de analistas para o banco. A equipe do Credit Cuisse aumentou o preço-alvo para as units do Santander para 36 reais, ante 32 reais, conservando a recomendação “overweight” e realçando o papel como top pick do setor. O movimento vem após o BTG Pactual melhorar a recomendação para os papéis do Santander, na sexta-feira, para “neutra”, ante “venda”. ITAÚ UNIBANCO PN tinha leve queda de 0,11 por cento, BRADESCO PN recuava 0,33 por cento e BANCO DO BRASIL ON recuava 0,21 por cento. – VALE ON progredia 2,07 por cento, em linha com o movimento dos contratos futuros do minério de ferro na China. – CSN ON tinha alta de 3,03 por cento, USIMINAS PNA ganhava 1,94 por cento e GERDAU PN subia 2,19 por cento, também na esteira dos ganhos dos contratos futuros do minério de ferro e do aço na China. – PETROBRAS PN tinha alta de 1 por cento e PETROBRAS ON subia 1,21 por cento, em dia de ganhos para os custos do petróleo no mercado internacional. – EMBRAER ON subia 0,40 por cento, tendo no radar o pedido firme anunciado pela companhia nesta segunda-feira, de seis aviõezinhos A-29 Super Tucano.

Leer Más

Mercados acionários europeus fecham semana com alta acumulada apesar de crise na Catalunha

Por: SentiLecto

– Uma vez que a confiança na recuperação econômica da região superou as preocupações com a crise da Catalunha, cujo efeito permaneceu confinado às ações ede Espanha os mercados acionários europeus aprogredirampela quarta semana consecutiva nesta sexta-feira.Enquanto o índice pan-europeu STOXX, que acumulou alta de 0,3 por cento nos últimos cinco dias, 600 perdeu 0,4 por cento, o índice FTSEurofirst 300 caiu 0,37 por cento, a 1.531 pontos , a 389 pontos. Já o IBEX da Espanha concluiu uma semana tumultuada com queda acumulada de 1,9 por cento, após um plebiscito proibido no último fim de semana na Catalunha no qual os votos pela independência tiveram maioria. Uma vez que os investidores ficaram alarmados com o confronto entre Madri e a Catalunha, os desembolsos dos fundos de ações de Espanha atingiram seu nível mais alto em quase três anos na semana passada , segundo dados da EPFR Global. Mas os fluxos para os fundos de ações europeus excederam 1 bilhão de dólares pela terceira semana, já que a recuperação econômica da região conservou seu impulso, adicionou a EPFR. Michael O’Sullivan declarou que não espera mudar a estratégia de investimento por causa de acontecimentos na Espanha. Michael O’Sullivan é o diretor-gerente do Credit Suisse. Ele declarou: “É bastante fácil ficar preso nessas discussões e se concentrar na política”. “Portanto, como norma, somente observamos o mercado e o efeito macroeconômico.” As ações dos bancos Caixabank e Sabadell, com sede na Catalunha, recuaram após a forte alta da sessão anterior com as notícias que estavam buscando mudar sua sede de Barcelona. Enquanto o Santander e o Unicaja são menos expostos, o Sabadell e o Caixa têm a maior exibição entre os principais bancos de Espanha aos empréstimos do setor privado na rica região da Catalunha. Em LONDRES, o índice Financial Times progrediu 0,20 por cento, a 7.522 pontos. Em FRANKFURT, o índice DAX caiu 0,09 por cento, a 12.955 pontos. Em PARIS, o índice CAC-40 perdeu 0,36 por cento, a 5.359 pontos. Em MILÃO, o índice Ftse/Mib teve desvalorização de 0,77 por cento, a 22.392 pontos. Em MADRI, o índice Ibex-35 registrou baixa de 0,29 por cento, a 10.185 pontos. Em LISBOA, o índice PSI20 desvalorizou-se 0,60 por cento, a 5.395 pontos.

Leer Más