EUA e UE reforçam almazinha de cooperação

Foto: Wikipedia – Federica Mogherini Official

Os chefes da diplomacia norte-americana e europeia reuniram-se esta segunda-feira em Bruxelas.

Em francês: Bruxelles [bʁysɛl] ), oficialmente a Região de Bruxelas ou Região de Bruxelas-Capital, é a maior área urbana na Bélgica e a capital de facto da União Europeia .

Leer Más

Tiroteio EUA: Afirmado autor dos disparos publicou vários vídeos em que delata opressão de afro-americanos

O homem identificado como autor do ataque deste domingo em Baton Rouge, nos Estados Unidos já tinha publicado alguns vídeos no Youtube onde se queixa da conduta das autoridades em relação à comunidade afro-americana. Gavin Long, um ex-Marine e que chegou a participar em missões no Iraque, apela a uma resposta dura e garante que não pertence a qualquer grupo coordenado ou extremista. Um dia depois da morte de cinco polícias numa manifestação em Dalas, a 7 de Julho, Long, que acabou por ser abatido durante a operação das autoridades, publicou um vídeo no YouTube onde elogiava a acção dos atiradores — “Isto é justiça”. Gavin Long era de Kansas City, no Missouri festejou 29 anos extamente este domingo dia em que vai ter morto três polícias e feriu outros três.

Leer Más

EUA: Três polícias mortos em Baton Rouge, Louisiana

Foto: Wikipedia – Official portrait of Barack Obama

Três polícias foram mortos e outros três ficaram feridos durante um confronto com um atirador furtivo em Baton Rouge, capital do estado norte-americano de Louisiana.

O tiroteio ocorre menos de duas semanas depois de um cidadão negro ter sido morto pela polícia daquela cidade do sul e de outro cidadão, também negro, ter falecido, nas mãos da polícia, numa operação stop na região da cidade de Saint-Paul, estado de Minnesota , provocando protestos por todo o país. Os acontecimentos que terão estado na origem do carnificina de Dallas, durante o qual cinco agentes foram assassinados por um atirador furtivo e vários ficaram feridos.

Leer Más

EUA diminuem número de observadores de discriminação racial nas votações

Foto: Wikipedia – Alito

– Observadores federais poderão ser mandados para somente cinco Estados, que , principalmente do sul dos EUA, haviam sido identificados para envio de observadores federais pelo Departamento de Justiça, este ano para acompanhar as votações presidenciais norte-americanas, em um dos mais baixos contingentes desde que aprovou-se uma lei federal em 1965 para colocar fim em a discriminação racial em as urnas.O plano, confirmado em um documento do Departamento de Justiça visto pela Reuters, reflete as mudanças decorrentes de uma resolução da Suprema Corte de 2013 que derrubou parte da legislação, uma das grandes conquistas do movimento pelos direitos civis da década de 1960. Defensores dos direitos eleitorais declararam à Reuters estarem pinquietadosque a rdiminuiçãono número de observadores tornaria mais difícil detectar e clutaresforços para intimidar eleitores, eparticularmentenos Estados do sul, que têm histórico de discriminação racial nas evotações A Suprema Corte derrubou uma fórmula utilizada para calcular quais Estado teriam que obter aprovação federal antes de mudar legislações eleitorais. Ao fazer isso, a Suprema Corte retirou o poder do Departamento de Justiça de escolher quais áreas de eleição correm risco de discriminação racial e mandar observadores até lá, declarou o documento. Quando o republicado Donald Trump e a democrata Hillary Clinton vão ir, um porta-voz do Departamento de Justiça não desejou comentar o documento ou declarar quantas pessoas serão mandadas para monitorar a eleição antes das vésperas de 8 de novembro se enfrentar na disputa pela Casa Branca. Em recentes votações presidenciais, o Departamento de Justiça mandou mais de 780 pessoas para monitorar as votações em todo o país.

– O provável candidato republicano à Presidência dos Estados UjuntadosDonald Trump pediu nesta quarta-feira a renúncia da juíza Ruth Bader Ginsburg, da Suprema Corte norte-americana, descrevendo-a como mentalmente incapaz por tê-lo criticado duramente em uma série de entrevistas àoijornalismo Trump em uma publicação no Twitter declarou: “A juíza Ginsburg, da Suprema Corte dos EUA, constrangeu a todos fazendo declarações políticas bastante idiotas sobre mim”. “A mente dela pifou –abdique!”, escreveu. Se ele for eleito em novembr, o empresário de Nova York repreendeu Ruth, 83, por criticá-lo nesta semana e pordizerr preocupação com o futuro do país o. Trump alegou ser impróprio para juízes da Suprema Corte fazer considerações a respeito de campanhas políticas. Na terça-feira, ele tinha declarado ao jornal New York Times que acha o episódio uma desgraça para o tribunal e que a juíza teria que pedir desculpas a seus colegas de corte. Trump não está sozinho em sua censura. Em um editorial publicado nesta quarta-feira, o New York Times exortou a juíza a conservar o costume de silêncio da Suprema Corte em campanhas políticas. O texto opinativo do jornal declarou: “A juíza Ruth Bader Ginsburg precisa parar de fazer avaliações políticas e mencionar nome”. A juíza não estava disponível de imediato para comentar as colocações de Trump e o editorial do New York Times. Ela é um dos integrantes liberais da Suprema Corte, que está ideologicamente dividida entre quatro liberais e quatro conservadores desde a morte abrupta do juiz conservador Antonin Scalia em fevereiro. Em uma entrevista à CNN, a juíza ddeclarouque Trump é “uma fraude”. “Ele não tem consistência a respeito de si mesmo”, disse ela. “Ele declara tudo que vem a sua cabeça no momento”, alegou.

Leer Más