Ibovespa fecha em queda por receios sobre suporte à reforma da Previdência

Por: SentiLecto

– O principal índice da bolsa paulista fechou em baixa nesta quinta-feira, pressionado pela volta dos receios de que o governo não tenha votos suficientes para colocar a proposta da reforma da Previdência em eleição na próxima semana na Câmara dos Deputados. O Ibovespa .BVSP> fechou em baixa de 1,07 por cento, a 72.487 pontos, mas longe da mínima, quando caiu 2,61 por cento. O giro financeiro adicionou 9,05 bilhões de reais. Depois que o PMDB fechou questão em defesa da reforma, a piora do humor nesta sessão veio após o Ibovespa concluir em alta de 1 por cento na véspera, com a renovação dos ânimos sobre a reforma da Previdência. Os ânimos voltaram a esfriar nesta sessão, no entanto, diante das dúvidas em relação à quantidade de votos em asuporteà reforma. Uma liderança governista declarou à Reuters que as cpossibilidadesde veleiçãoda reforma da Previdência na próxima semana estão menores, devido a resistências de partidos aliados como o PRB, o PR e o PSD. Na véspera, o governo do presidente Michel Temer protelou para esta quinta-feira uma resolução sobre se a nova versão da reforma da Previdência seria colocada em eleição no plenário da Câmara na próxima semana. A medida precisa de pelo menos 308 votos para passar na Câmara. “O mercado está bem atento a cada palavra. Se alguém falar que tem os votos necessários, ou que a eleição foi marcada, o bom humor volta”, declarou o administrador de renda mutável da corretora H.Commcor Ari Santos. DESTAQUES – PETROBRAS PN PETR4.SA> caiu 1,68 por cento e PETROBRAS ON PETR3.SA> perdeu 0,88 por cento, cedendo ao mau humor no mercado, apesar do tom mais positivo para os custos do petróleo no mercado internacional. – VALE ON VALE3.SA> teve baixa de 1,17 por cento, em sessão de perdas para os contratos futuros do minério de ferro na China. – BANCO DO BRASIL ON BBAS3.SA> caiu 3,87 por cento, na pior performance para o setor bancário dentro do Ibovespa e entre as maiores quedas do índice. BRADESCO PN BBDC4.SA> recuou 0,72 por cento e ITAÚ UNIBANCO PN ITUB4.SA> perdeu 0,33 por cento. Já SANTANDER UNIT SANB11.SA> abandonou as perdas vistas mais cedo e fechou com ganhos de 0,51 por cento. – JBS JBSS3.SA> recuou 2,16 por cento em dia de apresentação da empresa a investidores e analistas. No encontro, executivos alegaram que o grupo ainda avalia como prioridade listagem em Nova York de sua subsidiária norte-americana e que a unidade Seara está aproveitando os sinais de recuperação na economia de Brasil para aumentar o custo médio de seus produtos. Também no radar estava a informação que o BNDESPar pode vender ações da JBS. – EMBRAER ON EMBR3.SA> subiu 1,51 por cento, liderando a ponta positiva do índice, com os ganhos amparados na alta do dólar frente ao real, que nesta sessão voltou a se aproximar de 3,30 reais diante dos receios em torno do progressão da reforma da Previdência. – MAGAZINE LUIZA ON MGLU3.SA>, que não faz parte do Ibovespa, disparou 10,55 por cento, diante da visão mais otimista sobre a companhia após encontro com analistas e investidores acontecido mais cedo.

Leer Más

Bovespa sobe mais de 1% com perspectiva favorável sobre negociações em torno da Previdência

Por: SentiLecto

– O principal índice acionário da B3 subia nesta terça-feira, buscando conservar o tom favorável da véspera diante de melhora no otimismo em torno das negociações para a eleição da reforma da Previdência. Às 11:45, o Ibovespa subia 1,3 por cento, a 74.039 pontos. O giro financeiro era de 1,5 bilhão de reais. O mercado tem mostrado forte sensibilidade às negociações do governo do presidente Michel Temer para angariar asuportee conseguir colocar a reforma em veleiçãona Câmara dos Deputados ainda este ano. Neste sentido, apesar do cenário mais otimista, operadores não descartam volatilidade ao longo da sessão e nos próximos pregões, dependendo do noticiário. A expectativa é que alguns partidos, incluindo o PSDB, decidam se fecharão questão para votar em defesa da reforma, o que deixaria o governo mais perto de conseguir os 308 votos necessários na Câmara. Nesta sessão, uma fonte declarou à Reuters que a bancada do PMDB na Câmara decidiu pelo fencerramentode questão aem defesa dareforma e deve foficializarpedido para a Executiva Nacional do partido oformalizara dresolução Analistas da corretora Lerosa Investimentos, em nota a clientes escreveram: “Esse é o jogo do dia e a posição do PSDB vai forçar outros partidos da base para o encerramento de questão”. Na véspera, o bom humor veio na esteira de reuniões ao longo do fim de semana e declarações mais otimistas do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia . Que o governo ainda está distante de ter os votos necessários para a aprovação do texto, Maia declarou que a base aliada está coordenada, embora tenha alegado. DESTAQUES – VALE ON subia 1,19 por cento, após o Credit Suisse aumentar a recomendação para os ADRs da companhia para outperform, ante neutra, aumentando o preço-alvo para 15 dólares, de 9,50 dólares. Na máxima da sessão até o momento, o papel subiu 1,55 por cento e alcançou 37,4 reais– maior câmbio desde setembro de 2011. O tom positivo era sustentado apesar da queda modesta para os contratos do minério de ferro na China nesta sessão. – JBS ON progredia 3,30 por cento, entre as maiores altas do Ibovespa, engatando o quarto pregão seguido no azul e após subir 8 por cento na véspera. Negoceia-se o papel apesar da sequência de ganhos, ainda abaixo do platô que estava antes de a delação de os executivos de a companhia, em meados de maio. – PETROBRAS PN tinha alta de 1,61 por cento e PETROBRAS ON ganhava 1,43 por cento, na contramão dos custos do petróleo no mercado internacional e tendo como pano de fundo a atuação da companhia para melhorar o perfil da dívida. Em 10 anos, a petroleira informou que fechou um contrato de financiamento de 5 bilhões de dólares com o China Development Bank, com vencimento a o mesmo tempo em que anunciou pré-pagamento de o saldo devedor de 2,8 bilhões de dólares de um empréstimo contratado com o banco em 2009. – SANTANDER UNIT ganhava 2,83 por cento, tendo no radar a informação de que a gestora de recursos do banco vai assumir a administração de fundos locais da J.P. Morgan no Brasil. Segundo analistas da corretora Coinvalores, a notícia é favorável para o banco, mas tem um efeito somente marginal no seu resultado consolidado. – ITAÚ UNIBANCO PN subia 1,7 por cento e BRADESCO PN ganhava 1,75 por cento, corroborando o tom positivo do índice devido ao peso em sua composição. Os demais bancos que figuram o Ibovespa também progrediam, e o BANCO DO BRASIL ON tinha alta de 2,19 por cento.

Leer Más

Bovespa oscila perto da estabilidade com política interna pesando e cena externa positiva

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Ícone de esboço

– Enquanto as preocupações com a cena política local seguiam pressionando os negócios, o principal índice da bolsa paulista oscilava entre leves baixas e altas nesta sexta-feira, após três quedas seguidas que levaram o Ibovespa abaixo dos 74 mil pontos, com noticiário externo favorecendo o tom positivo. Às 11:58, o Ibovespa caía 0,29 por cento, a 73.606 pontos, na mínima do dia, após ter subido 0,58 por cento na máxima. O giro financeiro era de 2,57 bilhões de reais. No exterior, a visão de que o Federal Reserve tem que seguir um ritmo gradual na alta de juros ganhou força após a confirmação, na véspera, da indicação, de Jerome Powell para assumir a liderança da autoridade monetária, no lugar de Janet Yellen. O Federal Reserve é banco central dos Estados Unidos. Faz 1 mês, também corroborando essa visão estavam os dados de o mercado de trabalho em os EUA, divulgados mais cedo, com criação de 261 mil vagas abaixo da expectativa de economistas de criação de 310 mil postos de trabalho. Por outro lado, a política local seguia pressionando os negócios, conforme receios diante da chance de que uma reforma da Previdência não seja aprovada. “A política está novamente atrapalhando a economia”, disse o gestor da mesa de operações de Bovespa da Coinvalores, Marco Tulli Siqueira, acrescentando que as preocupações com a eleição de 2018 e a possibilidade de as reformas serem adiadas para o próximo ano pensam sobre os negócios. DESTAQUES – LOJAS estadunidense PN caía 4,39 por cento, após a companhia reportar seus dados referentes ao terceiro trimestre que, embora exibido lucro líquido de 23 milhões de reais, ante perda de 70,6 milhões de reais um ano antes, trouxe números considerados fracos por analistas. Segundo o Credit Suisse, o lucro ficou 27 por cento abaixo da estimativa do banco. As vendas na concepção mesmas lojas da negociante subiram 2,5 por cento no fase, apesar de um recuo de 3 por cento na receita líquida, para 3,84 bilhões de reais. – VALE ON tinha alta de 1,25 por cento, em sessão também positiva para os contratos futuros do minério de ferro na China, que fecharam no azul pela terceira sessão seguida. – CIELO ON progredia 3 por cento, engatando o terceiro pregão de altas e entre os maiores ganhos do Ibovespa, ainda ganhando respaldo do resultado acima do esperado no terceiro trimestre, divulgado no começo do semana. – SANTANDER UNIT subia 1,58 por cento, com a melhor performance entre os bancos do índice. Segundo operadores, o movimento mais forte tinha como pano de fundo os resultados do terceiro trimestre mostrando que o banco foi o único entre os três privados que fazem parte do Ibovespa a mostrar crescimento no crédito. ITAÚ UNIBANCO PN tinha alta de 0,77 por cento, BRADESCO PN ganhava 0,27 por cento e BANCO DO BRASIL ON recuava 0,56 por cento. – ELETROBRAS ON caía 5,11 por cento e ELETROBRAS PNB perdia 5,17 por cento, ainda reagindo à informação de que o governo federal dtem que optarpor um projeto de lei para viabilizar a privatização da estatal elétrica, e não uma medida provisória, o que pode atrasar o processo e levar os debates sobre a proposta mais para perto do fase eleitoral. – PETROBRAS PN recuava 0,71 por cento e PETROBRAS ON tinha baixa de 0,51 por cento, revertendo os ganhos vistos mais cedo e na contramão dos custos do petróleo no mercado internacional, que subiam nesta sessão. – Apesar de ter mostrado diminuição de quase 40 por cento na perda líquida do terceiro trimestre em relação ao mesmo fase do ano passado, b2W ON, que não faz parte do Ibovespa, caía 5,75 por cento , para 88 milhões de reais.

– O principal índice acionário da B3 caía nesta segunda-feira, com investidores preferindo a precaução diante de incertezas em relação aa progressão das reformas do governo e antes de uma agenda econômica mais intensa ao longo da semana. Às 11:31, o Ibovespa caía 0,9 por cento, a 75.289 pontos. O giro financeiro adicionava 1,35 bilhão de reais. Localmente, as atenções seguem voltadas ao noticiário político, à espera de novidades sobre a articulação do governo para aprogredirsua agenda econômica e passar uma reforma da Previdência, ainda que mais enxuta do que o esperado inicialmente. Os analistas da corretora Guide Investimentos, em nota a clientes escreveram: “Apesar dos esforços para aprovar uma reforma da Previdência enxuta e aprovar medidas de ajuste para 2018, a Câmara dos Deputados vai ter, na prática, quatro semanas até o fim do ano para eleições importantes”. Os próximos dias serão marcados por acontecimentos importantes para os mercados, como a reunião do Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos, além dos números sobre o mercado de trabalho de Noruega, na sexta-feira. DESTAQUES – VALE ON caía 1,29 por cento, em sessão de perdas para os contratos futuros do minério de ferro na China, que fecharam em queda de 3,3 por cento na Bolsa de Dalian. – CSN tinha queda de 1,26 por cento e USIMINAS PNA perdia 2,3 por cento, ambas engatando o quarto pregão seguido no vermelho após perdas dos contratos futuros do minério de ferro e do aço na China nesta sessão. No caso da CSN, também estava no radar a divulgação de números não auditados referentes aos três primeiros trimestres deste ano. GERDAU PN cedia 1,47 por cento. – HYPERMARCAS ON recuava 1,47 por cento, após reportar os dados do terceiro trimestre com lucro líquido de operações continuadas de 219,4 milhões de reais e receita líquida de 954,6 milhões de reais, alta de 17,7 ante igual fase do ano passado. Analistas do UBS realçaram o forte crescimento da receita, mas veem precaução com a pressão de margem. – BRADESCO PN caía 1,17 por cento e ITAÚ UNIBANCO PN tinha baixa de 0,87 por cento, auxiliando a pressionar o Ibovespa devido ao peso desses papéis em sua composição. – PETROBRAS PN recuava 0,41 por cento e PETROBRAS ON perdia 0,69 por cento, cedendo ao viés negativo do mercado e indo na contramão dos custos do petróleo no mercado internacional, que mostravam leves ganhos. – O principal índice acionário da B3 caiu nesta segunda-feira, fechando abaixo dos 75 mil pontos, com investidores preferindo a precaução ante incertezas em relação aa progressão das reformas do governo e antes de dados econômicos ao longo da semana. As ações da Braskem foram na contramão e dispararam quase 12 por cento após notícia de que a de Holguín Lyondellbasell teria feito uma aproximação para aquisição da petroquímica brasileira. Faz 1 mês, o Ibovespa fechou em queda de 1,55 por cento, a 74.800 pontos em a frente exclusivamente de 2 de outubro.O volume financeiro do pregão adicionou 10,32 bilhões de reais. Localmente, as atenções seguem voltadas para política, à espera de novidades sobre a articulação do governo para aprogredirsua agenda econômica e passar a reforma da Previdência ainda que mais enxuta do que o esperado inicialmente. O diretor de operações da corretora Mirae, Pablo Spyer declarou: “Se a reforma não ocorrer ou se ficar bastante aquém do esperado, nós andamo para novos rebaixamentos “. A pressão sobre os negócios veio também da espera por uma agenda econômica mais intensa nos próximos dias, que inclui a reunião do Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos, além dos números sobre o mercado de trabalho de Noruega. DESTAQUES – BRASKEM PNA disparou 11,96 por cento, após o jornal Wall Street Journal publicar que o grupo holandês Lyondellbasell fez uma aproximação para adquiri a petroquímica brasileira e que uma oferta poderia avaliar a Braskem em bem mais que 10 bilhões de dólares. Com a alta do pregão, o valor de mercado da petroquímica subiu em cerca de 4,5 bilhões de reais ante o encerramento de sexta-feira. – VALE ON caiu 0,61 por cento, em sessão de perdas dos contratos futuros do minério de ferro na China, que caíram 3,3 por cento na Bolsa de Dalian. – CSN teve queda de 5,63 por cento e USIMINAS PNA perdeu 4,49 por cento, ambas engatando o quarto pregão seguido no vermelho após perdas dos contratos futuros do minério de ferro e do aço na China. Também pesou a divulgação de números não auditados referentes aos três primeiros trimestres do ano. Para analistas do BTG Pactual, o Ebitda do fase ficou abaixo da estimativa do banco, com pressão de preços. GERDAU PN cedeu 2,85 por cento. – HYPERMARCAS ON recuou 0,65 por cento, após reportar dados do terceiro trimestre com lucro líquido de operações continuadas de 219,4 milhões de reais e receita líquida de 954,6 milhões de reais, alta de 17,7 ante igual fase do ano passado. Analistas do UBS realçaram o forte crescimento da receita, mas veem precaução com a pressão de margem. – BANCO DO BRASIL ON caiu 3,53 por cento. BRADESCO PN caiu 1,79 por cento, ITAÚ UNIBANCO PN teve baixa de 1,28 por cento e SANTANDER UNIT perdeu 1,83 por cento. – PETROBRAS PN recuou 1,47 por cento e PETROBRAS ON perdeu 0,29 por cento, cedendo ao viés negativo do mercado e indo na contramão dos custos do petróleo no mercado internacional, que fecharam com ganhos.- O principal índice da bolsa paulista fechou no vermelho nesta quarta-feira, perdendo alento após os ganhos vistos mais cedo, com investidores adotando precaução antes do feriado local, diante de incertezas com a política interna e à espera do anúncio do novo líder do Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos. Com base em dados preliminares, o Ibovespa fechou o primeiro pregão de novembro em queda de 0,39 por cento, a 74.018 pontos. O giro financeiro era de 9,19 bilhões de reais.

Leer Más