Vitóra de Abe auxilia índice acionário Nikkei a fechar em alta pela 15ª sessão

Por: SentiLecto

– O índice Nikkei do Japão atingiu máximas de 21 anos nesta segunda-feira e fechou em alta pela 15ª sessão seguida, impulsionado pelo iene mais fraco depois que a aliança do primeiro-ministro, Shinzo Abe, conseguiu o triunfo nas votações de domingo. O Nikkei fechou com alta de 1,1 por cento, a 21.696,65 pontos. O índice progrediu 1,4 por cento na semana passada, chegando à sexta semana seguida de ganhos e a mais longa série semanal de ganhos em um ano, deixando os investidores se questionando sobre quanto tempo isso pode continuar. Yutaka Miura, analista técnico sênior do Mizuho Securities declarou: “Embora o ímpeto seja aparentemente forte, não seria insólito surgir execução de lucros de curta prazo”. A aliança de Abe conservou sua “super maioria” de dois terços na câmara baixa, tranquilizando os investidores de que suas reformas econômicas vão continuar, incluindo a política monetária frouxa do banco central, o que redundou em um iene mais fraco, beneficiando os exportadores. “Seria particularmente positivo se essa posição política muito forte que Abe restabeleceu lhe permita progredir com uma política monetária mais radical –que seria um bonificações”, declarou Stefan Worrall, diretor de vendas de ações do Credit Suisse. Já o índice MSCI, que reúne ações da região Ásia-Pacífico com exceção do Japão, tinha queda de 0,13 por cento às 7:08 . . Em TÓQUIO, o índice Nikkei progrediu 1,11 por cento, a 21.696 pontos. . Em HONG KONG, o índice HANG SENG caiu 0,64 por cento, a 28.305 pontos. . Em XANGAI, o índice SSEC ganhou 0,11 por cento, a 3.382 pontos. . O índice CSI300, que reúne as maiores empresas listadas em XANGAI e SHENZHEN, progrediu 0,13 por cento, a 3.932 pontos. . Em SEUL, o índice KOSPI teve valorização de 0,02 por cento, a 2.490 pontos. . Em TAIWAN, o índice TAIEX registrou alta de 0,06 por cento, a 10.735 pontos. . Em CINGAPURA, o índice STRAITS TIMES valorizou-se 0,27 por cento, a 3.349 pontos. . Em SYDNEY o índice S&P/ASX 200 recuou 0,22 por cento, a 5.893 pontos.

Leer Más

Aprovação a Maduro sobe para 23% após sanções de Trump, declara pesquisa

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Donald and Ivana Trump

O índice de aprovação ao presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, subiu para 23 por cento em setembro ante 17 por cento em julho, de acordo com uma pesquisa do instituto local Datanalisis divulgada na segunda-feira.

Nicolás Maduro Moros é um político de Venezuela, atual presidente da República Bolivariana da Venezuela.

Leer Más

Itaú Unibanco compra 49,9% na XP por R$6,3 bi e pode aumentar participação até 2022

Por: SentiLecto

– O Itaú Unibanco comprou uma fatia minoritária de 49,9 por cento na XP Investimentos por 6,3 bilhões de reais, informou o banco em comunicado na noite de quinta-feira. O Itaú Unibanco é maior banco do país. O acordo festejado entre as partes calcula pagamento de 5,7 bilhões de reais aos acionistas do fundo de private equity General Atlantic e da gestora Dynamo por suas ações na corretora. Adicionalmente, o Itaú Unibanco vai fazer aporte de 600 milhões de reais na XP. O documento informa, ainda, que o banco poderá adquirir fatias adicionais de 12,5 por cento cada em 2020 e 2022, elevando sua participação na corretora para 74,9 por cento. Ainda conforme os termos da transação, o Itaú mencionará dois dos sete membros do conselho de gestão da XP. Os sócios da corretora liderados pelo fundador e presidente Guilherme Benchimol conservarão o controle da XP e a gerenciar de maneira independente do Itaú por pelo menos sete anos. “Mesmo após a finalização das compras, o controle da empresa vai continuar com os atuais acionistas da XP, com 50,1 por cento das ações com direito a voto”, elucidou a XP em nota. Em 7 anos,, Benchimol e seus sócios vão ter a alternativa de vender a fatia remanescente de 24,1 por cento para o Itaú Unibanco, em 2024. Em 16 anos, não fazê-o, o banco poderá exercer alternativa de compra de a totalidade de a participação, se optarem por.. Em nota, a XP realça que o acordo ainda está sujeito, entre outras condições, à aprovação por parte de órgãos reguladores. O contrato firmado atribui um valor de 12 bilhões de reais à corretora, o equivalente a cerca de 20 vezes o lucro líquido. A cifra fica no platô mais baixo da pausa de valor inicialmente planejado por acionistas da XP para abertura de capital. Na quarta-feira, a XP pediu registro para oferta inicial de units , horas depois de admitir que conversava com o Itaú Unibanco sobre uma possível venda de participação na empresa.

Leer Más

Índice acionário de Xangai recua pela 5ª semana com preocupações sobre economia e regulação

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – ISS-46 Shanghai nighttime view

XANGAI/TÓQUIO – O índice de Xangai progrediu nesta sexta-feira, mas ainda assim registrou a quinta semana consecutiva de quedas em meio a preocupações sobre o crescimento econômico e medidas regulatórias que buscam conter empréstimos e especulações de risco.

Enquanto o índice de Xangai teve alta de 0,71 por cento, o índice CSI300, que reúne as maiores empresas listadas em Xangai e Shenzhen, progrediu 0,86 por cento.

Leer Más

Índice de Xangai tem pior semana em 2017 com preocupações econômicas

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – ISS-46 Shanghai nighttime view

– O índice de Xangai registrou a sua pior semana em 2017, com preocupações sobre as perspectivas econômicas mais extensas, diminuindo o apetite de risco dos investidores. Enquanto o índice de Xangai ficou estável, o índice CSI300, que reúne as maiores empresas listadas em Xangai e Shenzhen, subiu 0,2 por cento. Enquanto o SSEC perdeu 2,2 por cento, na semana, o CSI300 caiu 0,5 por cento. Preocupações crescentes de os investidores atingiram a confiança sobre as perspectivas econômicas chinas. Uma sondagem da Reuters calcula que o crescimento econômico de China retarde para 6,5 por cento neste ano e deve se enfraquecer mais para 6,2 por cento em 2018, como o governo tentando desaquecer o setor imobiliário e conter os riscos de uma arriscado ampliação de dívida. O índice MSCI, que reúne ações da região Ásia-Pacífico com exceção do Japão, progrediu 0,5 por cento diante de performance sólida de Wall Street na quinta-feira com expectativa de forte crescimento do lucro no primeiro trimestre. O índice, no entanto, acumulou uma perda semanal de 0,4 por cento. . Em TÓQUIO, o índice Nikkei progrediu 1,03 por cento, a 18.620 pontos. . Em HONG KONG, o índice HANG SENG caiu 0,06 por cento, a 24.042 pontos. . Em XANGAI, o índice SSEC ganhou 0,03 por cento, a 3.173 pontos. . O índice CSI300, que reúne as maiores empresas listadas em XANGAI e SHENZHEN, progrediu 0,15 por cento, a 3.466 pontos. . Em SEUL, o índice KOSPI teve valorização de 0,74 por cento, a 2.165 pontos. . Em TAIWAN, o índice TAIEX registrou alta de 0,88 por cento, a 9.717 pontos. . Em CINGAPURA, o índice STRAITS TIMES valorizou-se 0,06 por cento, a 3.139 pontos. . Em SYDNEY o índice S&P/ASX 200 progrediu 0,56 por cento, a 5.854 pontos.

– O Brasil aumentará menos do que a média dos países da América do Sul em 2017 e em 2018, com performance somente melhor do que a Venezuela e o Equador, países que vêm padecendo fortemente com a queda nos custos do petróleo. O cálculo é do Fundo Monetário Internacional , que conservou a projeção de expansão de somente 0,2 por cento para o Produto Interno Bruto brasileiro neste ano, depois de dois anos seguidos de recessão, e Faz 3 meses, melhorou a expectativa de 2018 para 1,7 por cento, ante 1,5 por cento calculados. No fase, a América do Sul deve aumentar 0,6 e 1,8 por cento, respectivamente, mostrou o FMI nesta terça-feira ao divulgar seu relatório “Perspectiva Econômica Global”. Na região, o Brasil só ganha da Venezuela e do Equador, que terão que ver suas economias encolhendo 7,4 e 1,6 por cento neste ano, respectivamente. A melhor performance tem que vir da Bolívia, com crescimento de 4 por cento em 2017. O crescimento médio calculado pelo FMI tem que ser de 1,1 e 2 por cento em 2017 e 2018, com destaque para o México, cujo PIB tem que ter expansão de 1,7 e 2 por cento, respectivamente, quando se olha para a América Latina toda. “No Brasil, o ritmo de contração reduziu, mas o investimento e a produção ainda estavam começando a sair do fundo do poço no fim de 2016″, informou o FMI no relatório. O crescimento brasileiro em 2017 também vai ser inferior ao das economias emergentes, cuja alta esperada é de 4,5 por cento. Ao esperar recuperação gradual para a economia brasileira neste e no próximo ano, o FMI considera fundamental a execução de “ambiciosas” reformas econômicas e fiscal. “Para reforçar a consolidação fiscal no médio prazo, as reformas teriam que incidir sobre as despesas insustentáveis, incluindo o sistema de seguridade social, mas também devem ser adotadas medidas para conseguir diminuição mais direta do déficit orçamentário”, informou o FMI no relatório. O FMI também realçou a necessidade de reformas que possam impulsionar o crescimento potencial brasileirocaracterística de vida da população, após a longa recessão enfrentada pelo país. A estimativa do FMI para o PIB de Brasil é mais pessimista do que a apurada pelo relatório Focus do Banco Central, que escuta semanalmente uma centena de economistas e menciona progressão de 0,4 por cento em 2017 e de 2,5 por cento para 2018. Para a economia mundial, o FMI estima crescimento de 3,5 por cento em 2017 e de 3,6 por cento no ano que vem.

Leer Más