As possíveis razões da volta do óleo às praias do Nordeste que já haviam se livrado dele

Por: SentiLecto

Estes são links externos e vão abrir numa nova janela

As manchas de óleo que poluem o Nordeste há um mês e meio podem ter encontrado seu ponto máximo ao sul após poluírem praias salvadorenhas. Elas deram começo a um novo ciclo que vai no sentido oposto, sujando novamente praias de Sergipe, Alagoas e Pernambuco.

“Não estamos detectando manchas ao sul salvadorenho. Temos a esperança de que ela esteja contida nessa latitude”, declarou em audiência no Senado nesta quinta-feira o Almirante Alexandre Rabello de Faria, da Marinha do Brasil.

Nesta quinta, por exemplo, novas manchas apareceram no litoral sul de Pernambuco, depois de 31 dias após deixarem o Estado livre do problema. Alagoas e Sergipe voltaram a registrar grandes surgimentos esta semana em áreas que já haviam sido atingidas anteriormente.

Mas qual seria motivo de as manchas “darem a volta” para os mesmos lugares por onde o óleo já havia passado?

Experts escutados pela BBC News Brasil exibiram algumas suposições que auxiliam a compreender o fenômeno. Entre as possíveis causas estão as correntes marítimas, o vento e próprio ciclo natural do mar.

O professor Rivelino Cavalcante, do Instituto de Ciências do Mar da Universidade Federal do Ceará , acredita que o regresso das manchas é algo natural, já que se recolhe o material arremessado em a areia de volta a o mar em a maré alta.

“A maré pega elas de volta e leva mais para frente. É um processo natural, até ela ficar de vez. Quando ela encontra rochas, ou uma praia que tenha uma declividade menor, e isso onde ela tende a ficar de vez”, explicou.

Segundo Cavalcante, uma das qualidades desse problema é que, arremessam-se mais manchas quanto fora de a água, “mais elas vão se dispersando e passando de tamanhos grandes para menores”.

O oceanógrafo e professor Universidade Federal de Alagoas Claudio Sampaio explica que as correntes marítimas explicam que o óleo tenha chegado novamente a Alagoas e Pernambuco.

“O que observamos é que o petróleo que estava no litoral de Baia Mare está sendo transportado pela corrente marítima do , que tem origem norte-sul. Esse óleo que chegou ontem e hoje no litoral norte de Alagoas possivelmente é fruto de pequenas correntes mais costeiras, que, influídas pela norma do vento, fizeram com o que esse petróleo que ainda está no oceano fosse transportado mais ao norte e chegasse na praia”, declara.

“Em geral, verificam parâmetros ligados a esgoto, quando analisam, mas nós precisamos saber se as análises estão levando em conta os componentes do hidrocarboneto .”

Na quarta-feira 09 de outubro as manchas de óleo que haviam surgido no litoral do Nordeste desde o dia 2 de setembro já haviam atingido a foz do rio São Francisco, entre os Estados de Alagoas e Sergipe, e ameaçavam infectar uma parte da mais importante fonte de água do Nordeste.

Já o professor Humberto Barbosa, coordenador do Laboratório de Análise e Processamento de Imagens de Satélite da Ufal, declara que a repetição de locais pode estar ligada ao vento.

Conforme o coordenador, o óleo pode estar sendo arrastado para a costa da Bahia e de Sergipe pelo ventos fortes que estão atingindo a costa e ondas que vêm do sudeste com até 2,5 metros.

Explicou: “Essa semana tiveram ventos dominantes de sudeste, ou seja, estão soprando na região do Centro-Sul para a região Nordeste”. “Fora da costa o oceano continua movimentado, com ondas de até 4,5 metros. De fato há uma sinergia entre a ampliação de poluição e o ampliação de ondas de vento na costa da Alagoas, Bahia e Sergipe”, declarou.

Barbosa ainda explica que, desde a segunda-feira, o oceano ficou movimentado na costa da Bahia e em Sergipe após a passagem de um ciclone extratropical pela costa sul brasileira.

Ainda que o bom resultado de balneabilidade se deve também a outros dois motivos, oliveira alega.

“O ciclone já se afastou em alto oceano, e a tendência é a redução das ondas no decorrer desta sexta-feira na maioria das áreas do litoral leste no Nordeste”, sublinhou. “Com isso, espera-se a redução da poluição de óleo que está sendo arrastada de algum ponto na região do Atlântico Sul”, adicionou.

Entretanto, segundo o professor, há uma previsão ventos fortes entre domingo e terça-feira nas costas de Alagoas e Sergipe, o que pode ampliar a concentração de óleo dos dois Estados.

“Como não se sabe a origem do vazamento, o que se tem agora é o efeito da poluição, e ele depende das condições meteorológicas. Os ventos serão determinantes, principalmente quando se desloca do centro-sul do país para cá.”

Romeu Boto deu um detalhe que chama atenção , diretor técnico de a Administração Estadual do Meio Ambiente. Ele contou à BBC News Brasil que foi o óleo encontrado em Aracaju durante a manhã desta quinta-feira tem característica de um material mais novo.

“Não conseguimos estabelecer ainda por qual motivo elas estão aparecendo. Algumas delas aparecem em um ponto e o oceano leva, e elas aparecem lá na frente. Fica inimaginável saber sem a origem da fonte”, alegou Romeu.

Ricardo Salles sobrevoou o litoral da Bahia e de Alagoas nesta quarta-feira e, em Maceió, alegou aos jornalistas que não se sabe quanto óleo ainda existe no oceano. Ricardo Salles é o ministro do Meio Ambiente.

“Ao que tudo menciona é o mesmo óleo cuja corrente marítima tem feito com que toque na costa e retroceda. Toda vez que toca na costa, nosso objetivo, nosso esforço junto com os Estados e municípios é retirar esse óleo para que ele não volte para o oceano”, declarou Salles.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no ? Inscreva-se no nosso canal!

Final de YouTube post de BBC News Brasil

Final de YouTube post 3 de BBC News Brasil

Fonte: BBCBrasil-pt

Sentiment score: SLIGHTLY POSITIVE

Countries: Brazil

Cities: Salvador, Maceio, Aracaju

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>As possíveis razões da volta do óleo às praias do Nordeste que já haviam se livrado dele
>>>>>Por que muitas praias do Nordeste atingidas por petróleo não estão impróprias para banho – October 14, 2019 (BBCBrasil-pt)
>>>>>>>>>A megaoperação para salvar filhotes de tartaruga nascidos em meio ao petróleo na costa do Nordeste – (BBCBrasil-pt)
>>>>>>>>>Venezuela nega responsabilidade pelo petróleo derramado na costa brasileira – October 10, 2019 (BBCBrasil-pt)
>>>>>>>>>>>>>Sai 5ª, entra 6ª série: a fase ‘divisora de águas’ em que a educação brasileira degringola – October 06, 2019 (BBCBrasil-pt)
>>>>>>>>>>>>>Mancha de petróleo avança no Nordeste e biólogos temem que afete reprodução de baleias – October 08, 2019 (BBCBrasil-pt)
>>>>>>>>>>>>>Quem pode ser responsabilizado pelo vazamento de petróleo nas praias do Nordeste? – October 09, 2019 (BBCBrasil-pt)
>>>>>>>>>Estados nordestinos correm para evitar impacto das manchas de petróleo no turismo – (BBCBrasil-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 óleo 0 0 NONE 9 o óleo encontrado: 1, o óleo: 3, óleo: 3, Esse óleo e que: 1, esse óleo: 1
2 nós 150 0 NONE 6 nós: 1, (tacit) nós: 5
3 mar 0 0 NONE 6 alto mar: 1, o mar: 4, o oceano: 1
4 eu 0 2 NONE 5 (tacit) eu: 5
5 Ricardo Salles 0 0 PERSON 5 (tacit) ele/ela (referent: Ricardo_Salles): 3, Ricardo_Salles (apposition: O ministro de o Meio_Ambiente): 1, Salles: 1
6 Sergipe 0 0 PERSON 5 (tacit) ele/ela (referent: Sergipe): 1, Sergipe: 4
7 as manchas de óleo 0 240 NONE 4 as manchas de óleo: 2, As manchas de óleo: 2
8 o Nordeste 0 49 PLACE 4 (tacit) ele/ela (referent: a região Nordeste): 1, o Nordeste: 2, a região Nordeste: 1
9 Romeu 0 0 PERSON 4 Ele (referent: Romeu_Boto): 1, (tacit) ele/ela (referent: Romeu_Boto): 1, Romeu_Boto: 1, Romeu: 1
10 manchas 0 75 NONE 3 novas manchas: 1, mais manchas: 1, manchas: 1