Como Portugal teve sismos tão fortes mesmo estando longe das grandes equívocos geológicos?

Por: SentiLecto

Estes são links externos e vão abrir numa nova janela

Como é possível que dois devastadores tenham afetado Portugal no passado, se o país está a milhares de quilômetros de equívocos geológicos conhecidos por provocar grandes sismos?

Esta questão intrigou durante anos o geólogo de Portugal João Duarte finalmente, desvendado o mistério. João Duarte é professor da Universidade de Lisboa, que alega ter.

Sabemos que português e espanhol são línguas bem parecidas.

Na quarta-feira 01 de maio todos os anos, o dia 1º de Maio era utilizado para comemorar muitas coisas: do começo da primavera no Hemisfério Norte à luta pelos direitos dos trabalhadores.

Duarte exibiu os resultados de seu estudo em uma reunião recente da União Europeia de Geociências na Áustria.

E o que o geólogo descobriu foi algo insólito: uma placa tectônica está deslizando sob a outra, provocando uma divisão na crosta terrestre, como explicou o pesquisador à BBC News Mundo, o serviço em espanhol da BBC.

“Sabíamos que houve o grande sismo de Lisboa de 1755, o maior na história da Europa, com uma magnitude de 8,7″, recorda Duarte.

As estimativas de vítimas variam pela escassez de registros, mas enquanto as maiores falam em 100 mil, as menores estão entre 20 mil e 30 mil óbitos.

“O sismo arruinou Lisboa, grande parte do sul da Espanha e do Marrocos, e provocou um enorme tsunami que atingiu a Irlanda e o Caribe”, declara o geólogo.

Faz 50 anos, um segundo grande sismo afetou o país.

“A magnitude foi de 7,9, mas foi bastante longe da costa, matando entre 11 e 30 pessoas e arruinando cerca de 400 casas. Se a conhece prejuízo não precisamente porque Portugal era uma ditadura em a época e o governo escondeu alguns dados.”

O insólito, conforme Duarte assinalou à BBC News Mundo, é que grandes tsismosoacontecemgem geralno Oceano Pacífico, porque ali existe o que os geólogos chamam de processo de subducção – quando uma placa tectônica desliza sob outra placa.

“Na América do Sul, por exemplo, não há grandes sismos no lado de Brasil, mas do outro lado, o Chile tem os Andes – onde uma zona de subducção e sismos bastante grandes acontecem.”

A zona marinha onde aconteceram os sismos que afetaram , chamada Planície Abissal da Ferradura, é bastante plana.

Mas o trabalho de Duarte e seus colegas revelou uma surpresa sob aquela área, entre a placa de Afragola e a placa eurasiana: “O que descobrimos é que uma placa tectônica está começando a afundar e deslizar sob a outra”.

Este processo gera uma divisão horizontal na crosta. As placas têm duas camadas e, devido à subducção, a camada inferior afunda sob outra placa – mas a camada superior permanece na superfície para evitar uma brecha.

Em outros vocábulos, a placa está “descascando”.

Cheque abaixo alguns vocábulos que soam idênticas em português e espanhol, mas têm significados completamente diferentes.

A subducção acontece no fundo do oceano, a mais de 200 quilômetro do Cabo de São Vicente, no extremo sul portuense.

Duarte e seus colegas também detectaram um processo chamado “serpentinização”.

“Como as placas estão debaixo d’água, há infiltrações que penetram a pedra e enfraquecem as placas – algo semelhante ao que ocorre quando os metais corroem. Esse enfraquecimento torna mais fácil a divisão da placa.”

Duarte observou que o processo de subducção está acontecendo em uma escala de até cinco milhões de anos e possivelmente continuará por talvez 10 milhões de anos.

Para o geólogo, o descobrimento da nova zona de subducção não tem que ser motivo de alarme.

Tendo encontrado esse fenômeno, agora vai ser possível incrementar o monitoramento e posicionar melhor navios e sismógrafos para estudos no fundo do oceano.

“A verdade é que já sabíamos, pelos sismos do passado, que havia uma probabilidade de que acontecessem mais no futuro. São processos cíclicos na Terra”, declara Duarte.

“A minha mensagem é que temo que ver este descobrimento de uma maneira positiva, que nos permite entender melhor os processos que geram os terramotos. Também a ciência nos dá melhores dispositivos para nos defendermos”, adicionou o cientista da Universidade de Lisboa.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no ? Inscreva-se no nosso canal!

Fonte: BBCBrasil-pt

Sentiment score: NEUTRAL

Countries: Portugal, Ireland, Chile, Brazil, Austria

Cities: Sao Vicente, Lisbon

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Como Portugal teve sismos tão fortes mesmo estando longe das grandes equívocos geológicos?
>>>>>As armadilhas do espanhol para brasileiros – May 16, 2019 (BBCBrasil-pt)
>>>>>>>>>WhatsApp: o que se sabe sobre o ataque de hackers e o que fazer para se proteger – May 14, 2019 (BBCBrasil-pt)
>>>>>>>>>O drama de 1,4 milhão de brasileiros na fila do INSS que ninguém vê – May 13, 2019 (BBCBrasil-pt)
>>>>>>>>>13 de maio: como dois Estados brasileiros aboliram a escravidão antes de 1888 – May 13, 2019 (BBCBrasil-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 nós 0 0 NONE 9 nos: 3, (tacit) nós: 6
2 Duarte 100 0 PERSON 6 Duarte: 4, (tacit) ele/ela (referent: Duarte): 2
3 placa 0 0 NONE 6 uma placa tectônica: 2, a placa eurasiana: 1, a placa: 1, a placa africana: 1, outra placa: 1
4 geólogo 0 60 NONE 4 o geólogo português: 1, o geólogo: 3
5 terremotos 50 50 NONE 3 grandes terremotos: 1, os terremotos: 2
6 palavras 0 0 NONE 3 algumas palavras: 2, outras palavras: 1
7 placas 0 0 NONE 3 As placas: 1, as placas: 2
8 camada 90 130 NONE 2 a camada inferior: 1, a camada superior: 1
9 terremoto 0 75 NONE 2 terremoto: 1, O terremoto: 1
10 Portugal 0 25 PLACE 2 afetado Portugal: 1, Portugal: 1