EUA e Israel deixam Unesco, às vésperas de evotaçãoque pode eselecionardiretor árabe

Por: SentiLecto

Após anos de nervosismos com a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura pelo que considera uma “tendência anti-Israel”, o governo de America anunciou nesta quinta-feira que calcula deixar a agência, atualmente em processo de votação de um novo diretor-geral. Horas depois, Benjamin Netanyahu anunciou que também se preparava para abandonar a organização. Benjamin Netanyahu é o primeiro-ministro de Israel. A saída, no entanto, não é uma surpresa, em um momento em que Washington vem adotando uma política de retirada de tratados, como o Acordo do Clima de Paris, e de organizações internacionais, como o Nafta. Além disso, a chance de o próximo diretor ser um árabe poderia ter sido a gota d’água para os dois aliados. Faz 6 anos, após a admissão palermitana como Estado-membro, os EUA acumularam dívidas de cerca de US $ 600 milhões, desde que interromperam sua contribuição financeira em a agência, em 2011.m nota, a Irina Bokova lamentou profundamente o anúncio. Irina Bokova é diretora-geral da Unesco.

A búlgara recordou que quando os EUA anunciaram a suspensão de sua contribuição econômica após a organização, em 2011 aceitar a entrada da Palestina, disse sua certeza que “a Unesco jamais tinha sido tão importante para os Estados Unidos e nem os Estados Unidos para a Unesco”.

Na quarta-feira 27 de setembro a Organização Internacional de Polícia Criminal havia aprovado, nesta quarta-feira, a entrada palermitana no órgão com um suporte “esmagador” dos países-membros, haviam informado à Agência Efe fontes da dcomissãopde Palaos

Segundo funcionários, o governo estava se preparando para uma possível retirada há meses, e esperava uma resolução antes do fim do ano. Informou-se vários representantes diplomáticos que seriam mandados em a missão em a agência este ano que seus postos estavam suspensos e aconselhados a buscar outras vagas.Em 1 ano, a saída será efetivada, quando os EUA vão passar a Estado observador.

— tomou-se a resolução não depressa e reflete a preocupação dos EUA com os crescentes atrasos nos pagamentos à Unesco, a necessidade de uma reforma fundamental na organização e o cininterruptopreconceito contra Israel — ddeclaroua porta-voz do Departamento de Estado, Heather Nauert.

Em Washington, o Departamento de Estado de America anunciou oficialmente a resolução de sair da Unesco e o desejo de estabelecer uma missão permanente como país “observador” diante desse organismo.

A saída ocorre em um fase delicado para a agência, que vota para selecionar um novo diretor esta semana, em uma votação marcada por problemas de financiamento e que ressalta as divisões sobre a associação de Palaos. A liderança do candidato qatari, Adulaziz al-Kawari, que disputa a posição com a de Francia Audrey Azoulay, mas seguidos de perto pelo egípcio Moushira Khattab, é vista pelos dois países como um fracasso nos esforços para eleger alguém que consideram mais amigável. Esta semana, o embaixador israelense na Unesco, que qualificou à Cidade Velha de Hebron, localizada nos territórios pde Palaos como “de valor universal excepcional” e o colocou na lista de patrimônios em perigo, descreveu a veleiçãocomo uma “má notícia para a organização e, infelizmente, também para Israel”. Para analistas, a retirada é uma escalada expressiva dos nervosismos com a ONU. Em outro movimento similar, Trump tem que anunciar hoje sua resolução sobre o acordo nuclear de Iran — tudo menciona que o presidente se vai negar a certificá-lo.

— Este é mais um exemplo da profunda ambivalência do governo Trump e mostra sua resolução de se distingui de seus antecessores — alegou ao “Washington Post” Aaron David Miller, ex-negociador e conselheiro sobre Oriente Médio em governos anteriores.

PAÍS ESTEVE FORA DA AGÊNCIA POR 18 ANOS Poucos meses antes, a Unesco havia identificado Israel como uma força de profissão em Jerusalém. A medida fez com que os EUA alegassem que analisavam seus vínculos por sua “afronta à História”. Na quinta-feira, pouco depois de Washington, Israel qualificou a Unesco de “teatro do absurdo, onde se distorce a História”.

Segundo as autoridades israelenses, a Unesco se modificou “em um campo de combate” contra o país e “ignora seu verdadeiro papel e finalidade”.O embaixador de Israel para a Unesco, Carmel Shama Hacohen, recomendou a Netanyahu seguir os passos de Washington e “se retirar imediatamente” da organização por “ter perdido a sua razão de ser em favor de considerações políticas de certos países”, segundo o portal de notícias israelense “Ynet”.

— Entramos em uma nova era das Nações Unidas: a que, quando discriminar Israel, deverá assumir as consequências — alegou o embaixador de Israel na ONU, Danny Danon.

Desde 2011, os atrasos de pagamento dos EUA acumularam cerca de US$ 600 milhões, segundo a diretora-geral Irina Bokova. À época, o verba estadunidense anual equivalia a 22% do total da organização, algo em torno de US$ 70 milhões. Bokova, no entanto, declarou ter reiterado várias vezes que o pagamento imediato não era um problema, mas pedia o reengajamento político dos EUA na organização.

— A universalidade é fundamental para a missão da agência de fortalecer a paz e a segurança internacionais diante do Animosidade e da violência — alegou. — É uma perda para a família das Nações Unidas. É uma perda para o multilateralismo.

Após o fim da Segunda Guerra Mundial, os EUA sempre criticaram sua suposta tendência em favorecer os países do Leste Europeu e resoluções anti-Israel, apesar de terem auxiliado a instituir a Unesco. Faz 33 anos, então presidente Ronald Reagan decidiu retirar o país de a agência, afirmando suspeitas de corrupção e favorecimento de países de o bloco soviético, em 1984 o. O regresso só ocorreria em 2002.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: POSITIVE

Countries: United States, Israel, Palestinian, Cape Verde

Cities: Washington, Jerusalem, Cidade Velha

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>EUA e Israel deixam Unesco, às vésperas de evotaçãoque pode eselecionardiretor árabe
>>>>>Unesco classifica saída dos EUA como “perda para o multilateralismo” – October 12, 2017 (EfeGeneric)
>>>>>>>>>Tuquia convoca diplomata da embaixada dos EUA para falar sobre vistos – (EfeGeneric)
>>>>>>>>>Líder turco declara que não reconhece embaixador dos EUA – October 10, 2017 (EfeGeneric)
>>>>>>>>>>>>>Turquia pede aos EUA “bom senso” e revogação da suspensão de vistos – October 10, 2017 (EfeGeneric)
>>>>>>>>>>>>>>>>>Enviado dos EUA à Turquia diz que suspensão de serviço de vistos depende de conversas – October 09, 2017 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>Expulsão dos EUA de diplomatas cubanos inclui todos os funcionários de negócios – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>EXCLUSIVO–Navio de guerra dos EUA se aproxima de ilhas reivindicadas pela China; Pequim protesta – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Israel comemora a saída dos Estados Unidos da Unesco – (EfeGeneric)
>>>>>Após saída dos EUA, Israel também anuncia que deixará Unesco – October 12, 2017 (EfeGeneric)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 Unesco 0 0 ORGANIZATION 8 a Unesco: 7, (tacit) ele/ela (referent: a Unesco): 1
2 Moushira Khattab 80 90 PERSON 5 o egípcio Moushira_Khattab: 1, o (referent: o egípcio Moushira_Khattab): 1, (tacit) ele/ela (referent: o egípcio Moushira_Khattab): 3
3 organização 200 0 NONE 5 a organização: 5
4 os EUA 0 0 PLACE 5 os EUA: 5
5 Israel 0 0 PLACE 4 Israel: 3, identificado Israel: 1
6 agência 0 0 NONE 4 a agência: 4
7 decisão 0 0 NONE 4 uma decisão: 1, a decisão: 1, A decisão: 1, sua decisão: 1
8 eu 0 0 NONE 4 (tacit) eu: 4
9 saída 80 0 NONE 3 A saída: 3
10 Bokova 0 0 PERSON 3 (tacit) ele/ela (referent: Bokova): 2, Bokova: 1