Ministros das Relações Exteriores de o G7 é juntado em condenação de conduta de Rusia

Por: SentiLecto

Ministros das Relações Exteriores do G7 se reuniram nesta segunda-feira para condenar a Rússia por uma conduta que, segundo eles, abalou as leis internacionais, e pediram a Moscou para auxiliar a resolver o conflito na Síria.

Os ministros consentiram em instituir um grupo de trabalho para estudar a “conduta nociva” da Rússia, devido às preocupações com as ações de Moscou na Ucrânia e na Síria, ddeclarouo secretário de Relações Exteriores britânico, Boris Johnson.

As observações de Johnson a repórteres à margem de uma reunião de dois dias de ministros do G7, revidenciaramcomo aostnervosismosentre Moscou e o Ocidente aampliaramnos últimos anos.

As agências de inteligência dos EUA declararam que a Rússia se intrometeu na campanha presidencial dos EUA em 2016, e um ataque também assinala como culpado o país com agente nervoso contra um ex-espião em o Reino Unido em o mês passado.

Johnson declarou que os ministros do G7 consentiram com a necessidade de ser vigilantes sobre a Rússia, que nega a interferência nas votações dos EUA ou envolvimento no ataque no Reino Unido.

“O que decidimos foi que vamos instituir um grupo do G7 que analisará a conduta nociva da Rússia em todas as suas manifestações – seja no combate cibernético, seja em desinformação, tentativas de homicídio, seja lá o que for”, declarou ele a repórteres.

A ministra do Exterior do Canadá, Chrystia Freeland, que coordenou o acontecimento, declarou que os ministros do G7 disseram profunda preocupação sobre o “vil” ataque com agentes nervosos no Reino Unido e os esforços da Rússia para desestabilizar as democracias se intrometendo nas votações.

Ela em entrevista coletiva ao final das conversas declarou: “Os países do G7 estão comprometidos em evitar, parar e responder a interferências estrangeiras”.

Na semana passada, o grupo condenou o que declarou ter sido um ataque contra um agente russo no Reino Unido. Uma autoridade de um dos países do G7 declarou que os ministros estavam profundamente inquietados com o que via como uma norma de má conduta da Rússia de vários anos.

Faz 9 dias, o governo de Alemania tinha que presumir que um ataque cibernético a seu Ministério das Relações Exteriores havia partido de a Rússia, havia declarado Heiko Maas em a emissora ZDF em este domingo, em o domingo 15 de abril. Heiko Maas é o ministro das Relações Exteriores.Ela, adicionando que havia uma clara união entre os aliados do G7 a respeito da Rússia alegou: “Há consequências para aqueles que buscam minar nossas democracias”.

O desafio para o G7 é que ele também precisa da assistência de Moscou para resolver a crise na Síria, onde a Rússia e o Irã estão apoiando o presidente sírio, Bashar al-Assad.

O secretário de Estado interino dos EUA, John Sullivan, pediu a Moscou que pare de instituir impedimentos à paz na Síria e que desempenhe um papel no fim do conflito que já dura sete anos.

Ele a repórteres. se a vai responsabilizar, declarou: “A Rússia tem que ser um parceiro construtivo na Síria ou “.

Desde que Estados Unidos, França e Reino Unido arremessaram 105 mísseis contra instalações de armas químicas na Síria em retaliação a um suspeito ataque de gás venenoso em 7 de abril, a reunião do G7 é o primeiro encontro de alto nível dos aliados.

Os países ocidentais culpam Assad pelo ataque que matou dezenas de pessoas. O governo sírio e a Rússia negam envolvimento ou utilização de gás venenoso em 7 de abril.

ACORDO DO IRÃ

Heiko Maas declarou que os líderes franceses e da Alemanha vão fazer um pedido ao presidente dos EUA, Donald Trump, para que não se retire de um acordo nuclear com grandes potências. Heiko Maas é o chanceler de Alemania.

Estados Unidos O G7 compõe ele , Reino Unido , Canadá , Alemanha , França , Itália e Japão.

Faz 11 meses, Trump deu a os signatários europeus de o acordo um prazo final para resolver os ” abomináveis equívocos ” de o acordo nuclear de 2015, ou ele se rejeitará a estender o alívio de sanções de os EUA a o Irã.

“Nós aceitamos que a conduta de Iran tenha sido desestabilizador na região, aceitamos que o presidente tenha alguns pontos válidos que precisam ser abordados, mas acreditamos que eles podem de serem abordados “, disse Johnson.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: NEGATIVE

Countries: Russian Federation, United States, United Kingdom, Ukraine, Syria, Brazil

Cities: Franca

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Ministros das Relações Exteriores de o G7 é juntado em condenação de conduta de Rusia
>>>>>Ministros de Relações Exteriores do G7 discutem Rússia, sanções não estão na agenda – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 ataque 0 230 NONE 5 um ataque: 1, o ataque: 3, um ataque cibernético: 1
2 Moscou 0 50 ORGANIZATION 5 Moscou: 1, (tacit) ela (referent: a Moscou): 1, a Moscou: 3
3 Heiko Maas 100 0 PERSON 5 (tacit) ele/ela (referent: Heiko_Maas): 1, Heiko_Maas (apposition: o ministro de as Relações_Exteriores): 1, Heiko_Maas (apposition: O chanceler alemão): 1, (tacit) ele (referent: Heiko_Maas): 1, ele (referent: Heiko_Maas): 1
4 Donald Trump 0 80 PERSON 4 (tacit) ele/ela (referent: Trump): 1, Donald_Trump: 2, Trump: 1
5 nós 0 80 NONE 4 Nós: 1, (tacit) nós: 3
6 eu 50 0 NONE 4 (tacit) eu: 4
7 Johnson 0 0 PERSON 4 (tacit) ele/ela (referent: Johnson): 1, ele (referent: Johnson): 1, Johnson: 1, o (referent: Johnson): 1
8 a Síria 0 0 PLACE 4 a Síria: 4
9 países 0 40 NONE 3 Os países de o G7: 1, os países: 1, Os países ocidentais: 1
10 ministros 20 0 NONE 3 os ministros: 1, os ministros de o G7: 1, Os ministros: 1