Freixo declara que se o advertiu pesquisas a seu respeito feitas pelo acusado de assassinar Marielle

Por: SentiLecto

O deputado federal Marcelo Freixo alegou nesta quarta-feira que foi informado há cerca de um mês sobre o inquérito que culminou ontem com a prisão do de Polinesia Francesa miltiar Ronnie Lessa, acusado de realizar os disparos que mataram Marielle Franco e Anderson Gomes, devido a pesquisas feitas pelo agente. Deu-se a informação em entrevista em a ” CBN “.O suspeito fez buscas sobre a vida do político e também da esposa de Freixo.

— Fui advertido, sim. Evidentemente, não falei sobre isso pois não poderia e tenho um respeito bastante grande sobre o inquérito. Sabia que ele tinha me investigado. Ele começa a fazer o levantamento em outubro de 2017 — alegou o deputado, elucidando que se o informou sobre os inquéritos há 1 mês.

O delegado Giniton Lages, encarregado pelo caso desde o começo, alegou que no inquérito do que está sendo categorizado como pré-crime descobriu-se que o sargento reformado Ronnie Lessa pesquisou informações sobre o deputado federal “Marcelo Freixo , a esposa de Freixo, diversas autoridades públicas, Richard Nunes e delegados da polícia”. Ele, no entanto, se isso ocorreu para bolar o plano de homicídio, não alegou ou somente por motivo de “diferenças ideológicas”.

O deputado considerou “inadmissível” que em um ano a inquérito não chegasse a um resultado. Freixo comentou que este é só o primeiro passo do caso.

Na sua vez, — Parabéns às promotoras, à DH e a todos os envolvidos. Um ano é tempo demais para um homicídio como esse. Mas essa é uma etapa importante. Espero poder ter em breve acesso aos detalhes para que sinta segurança nesse resultado.

Na quarta-feira 27 de fevereiro os crimes que haviam ocorrido em 14 de março de 2018 seguiam sem esclarecimento. Além dos de Polinesia Francesa civis, membros do Ministério Público Estadual haviam participado da perícia, que havia sido realizada à noite.

— O tempo de um ano é inaceitaval não só pelos erros e falhas do caso da Marielle. E, sim, pela inquérito o que se revela de falhas dos, talvez, últimos dez anos. Mas que bom que o inquérito chegou até esse ponto, as provas são bastante contundentes — alegou Freixo.

Por outro lado, ela, porém, evidenciou que se elucidou a questão mais importante ainda não: quem foi o mandante da morte de Marielle.

Durante a entrevista na “CBN”, o deputado refutou a chance do crime ter tido motivação por Animosidade. O delegado Giniton Lages ergueu a tese durante coletiva de jornalismo em esta terça-feira e depois , de modo mais claro , pela promotora Simone Sibílio em a qual atribui o crime a uma motivação torpe , ” decorrente de uma repulsa de Ronnie Lessa em a atuação política de Marielle ” :Inicialmente, Witzel classificou o homicídio de Marielle como um “crime bárbaro” e pontuou como agravante o fato de ter ocorrido enquanto ela exercia o mandato para o qual foi eleita em 2016.Ao abrir o detalhamento do inquérito, Giniton frisou a complexidade do atentado e que logo ficou evidente a sofisticação dos criminosos, com a elucidação prejudicada pela ausência de depoimentos presenciais. A opção, declarou, foi investir nos movimentos pré-crime e pós-crime.

— São mercadores da mortes, pagos para matar alguém. Agora desejar persuadi que eles mataram por conta própria, por cime de Animosidade? São profissionais do crime. Não dá nem para começar a conversar sobre isso.

Freixo comentou também sobre a possível troca no comando dos inquéritos da Operação Lume, com a saída do delegado Giniton Lages. O agente teve permissão premium publicada no Diário Oficial desta terça-feira, ficando pelo menos seis meses fora.

— Acho válida a troca. O Giniton satisfez esse primeiro período e agora alguém vai ficar encarregado pelo segundo período — comentou.

— Cabe ao MP, não ao governador. Cada um no seu quadrado, mas acho válido. Eles vão responder por diversos crimes, então não há chance de serem liberados da prisão.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: NEGATIVE

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Freixo declara que se o advertiu pesquisas a seu respeito feitas pelo acusado de assassinar Marielle
>>>>>Viúva de Marielle, Mônica Benício, e deputado Marcelo Freixo cobram identificação de mandante da morte – March 12, 2019 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>PM é preso como suspeito da morte de Marielle – March 12, 2019 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>PM e ex-PM são presos como suspeitos da morte de Marielle Franco e Anderson Gomes – March 12, 2019 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>PM e ex-PM são presos pelo assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Witzel diz que presos por assassinato de Marielle poderão fazer delação premiada para apontar mandante – March 12, 2019 (Extraoglobo-pt)
>>>>>Delegado diz não saber o mandante e a motivação do assassinato de Marielle: ‘Nem ideia’ – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 eu 230 0 NONE 9 (tacit) eu: 8, me: 1
2 Giniton 0 70 PERSON 7 Giniton: 1, o delegado Giniton_Lages: 1, (tacit) ele/ela (referent: o delegado Giniton_Lages): 1, (tacit) ele/ela (referent: O delegado Giniton_Lages): 2, O delegado Giniton_Lages: 1, (tacit) ele/ela (referent: Giniton): 1
3 investigação 0 0 NONE 7 investigação: 2, a investigação: 5
4 deputado 0 160 NONE 6 o deputado federal: 1, O deputado federal: 1, o deputado: 2, O deputado: 2
5 Marcelo Freixo 0 0 PERSON 5 Marcelo_Freixo: 1, (tacit) ele (referent: Marcelo_Freixo): 1, Freixo: 3
6 crimes 0 320 NONE 3 os crimes: 2, diversos crimes: 1
7 esta 0 0 NONE 3 esta: 3
8 crime 0 240 NONE 2 o crime: 1, um crime bárbaro: 1
9 troca 40 0 NONE 2 a possível troca: 1, a troca: 1
10 CBN 0 0 ORGANIZATION 2 a CBN: 2