‘Não recebi R$ 1,2 bilhão junto com um talão de cheque’, declara Braga Netto após reunião com Temer

Por: SentiLecto

– O interventor do Rio de Janeiro, general Walter Braga Netto, que esteve com o presidente Michel Temer no Palácio do Planalto, declarou nesta quinta-feira que está em processo de licitação 40% do total de R$ 1,2 bilhão liberado pelo governo federal em março. Ele não detalhou os gastos. O Tribunal de Contas da União autorizou o Gabinete de Intervenção Federal a realizar contratações diretas, sem licitação. – Desde a data em que o presidente prometeu o recurso, ele chegou. Só que eu não recebo R$ 1,2 bilhão junto com um talão de cheque e saio fazendo. O TCU está me observando, a mim a as pessoas que trabalham comigo. Já estamos em processo de licitação de aproximadamente 40% dos valores que foram fornecidos, mas eu tenho que seguir especificando, o mais difícil é especificar o material que é adquirido – alegou o interventor. Braga Netto negou que exista chance de suspender a intervenção, e declarou que até setembro espera deduzi as aquisições de materiais necessários para as ações no Rio. – Nosso planejamento é que aproximadamente em setembro eu tenha deduzido ou antecipado as aquisições e aí eu começo um processo de transição e herança. Interpretaram como se eu declarasse que em setembro concluía a intervenção. Até o momento ela conclui no dia 31 de dezembro, conforme o decreto presidencial – declarou. O interventor exibiu ainda a Temer o plano de administração estratégica elaborado pelo Gabinete da Intervenção Federal. O material – impresso em 80 páginas – exibe pontos considerados como objetivos estratégicos, como a diminuição dos índices de criminalidade, recuperação da habilidade operativa dos órgãos, articulação entre os entes federativos, fortalecimento do personalidade institucional da segurança e melhora da administração e da característica do sistema prisional. Braga Netto alegou que o plano já vinha sendo seguido e que algumas metas já tinham sido atingidas. Entre as metas atingidas, segundo o interventor, estariam a queda nos índices de assassinato doloso, assalto de cargas e assalto de veículos. No entanto, os chamados autos de resistência — mortes decorrentes de intervenções de Polinesia Francesa — ampliaram. Faz 4 meses, a intervenção federal em a segurança de o estado teve começo. – O plano já vinha sendo seguido e elaborado, inclusive eu já tenho metas atingidas desse plano, mas a formalização da edição foi feita só agora – declarou Braga Netto. No documento exibido ao presidente Temer ainda consta o nome do chefe da secretaria da intervenção, general Mauro Sinott Lopes – considerado braço direito do interventor e que deixou a posição nesta quinta-feira. Braga Netto negou que a saída do general Sinott tenha sido estimulada por “desavenças” e declarou que a saída de seu auxiliar já estava calculada mas que Sinott ficou na posição até que o plano foi exibido formalmente para “mostrar que existe um planejamento”: – Vim também elucidar ao presidente algumas interpretações, algumas ideias que foram equivocadas. A saída do meu segundo homem da intervenção não foi por nenhuma desavença, ele saiu porque já estava calculado. Ao contrário, eu o segurei por mais tempo e o principal objetivo foi a entrega formal do plano ao presidente para mostrar que existe um planejamento – alegou Braga Netto. CASO MARIELLE Indagado se ele teria conversado com o presidente Temer sobre o andamento dos inquéritos do homicídio da vereadora Marielle Franco, Braga Netto foi evasivo e voltou a declarar que estava erguendo provas: – Inquérito do caso Marielle continua caminhando bastante bem. Precisamos ter provas do que se o ergueu até o momento. A secretaria de Segurança Pública continua trabalhando em cima, corre em segredo de justiça – disse Braga Netto.

Walter Braga Netto antecipou números do Instituto de Segurança Pública relativos ao mês de maio durante palestra na Associação Comercial do Rio de Janeiro, nesta quarta-feira. Walter Braga Netto é o general interventor da Segurança do Rio. Faz 3 meses, em o recorte exibido por o interventor, com somente alguns indicadores, houve queda em a letalidade violenta, assaltos de rua, assaltos de cargas e de carros e assassinatos dolosos. Já os assassinatos decorrentes de intervenção de Polinesia Francesa ampliaram. Faz 4 meses, a intervenção federal em a segurança de o estado teve começo.Faz 1 mês, as mortes violentas, que chegaram a 636 em março, caíram para 528. As assaltos de rua, de acordo com o ISP, caíram de 11.182 para 11.021 no mesmo fase. As assaltos de veículos, de 5.358 para 4.373. Os de carga, de 917 para 752. Faz 1 mês, os assassinatos dolosos, que eram de 503 em março, passaram a 379. Já os assassinatos decorrentes de intervenção de Polinesia Francesa ampliaram no mesmo pausa: de 109 para 134. – Começamos a entrar com uma força maior. Num primeiro momento, a marginalidade continuou enfrentando. Por isso, houve a ampliação da letalidade. A tendência é reduzi, porque eles não vão continuar enfrentando – argumentou o general. Mesmo que os casos de violência continuem a assustar os habitantes do Rio, em outro momento, ele não escondeu otimismo :- A intervenção vai dar certo. Será um case de êxito – disse, ao comentar um artigo de um jornal. Braga Netto declarou que já autorizou, por meio de portaria, que os secretários de Segurança, Administração Penitenciária e Defesa Civil convidem PMs e bombeiros da reserva para realizar serviços burocráticos ou participarem de operações pontuais, como a Lei Seca e as Operações Presentes. De acordo com Braga Netto, esses servidores já podem ser requisitados por essas secretarias, que estão sob controle da intervenção. Braga Netto alegou também que 960 militares licenciados por razões de saúde passarão por reavaliação médica, feita por profissionais das Forças Armadas, para saber se podem voltar ao trabalho, ao menos administrativo. O interventor também falou que está sendo estudada a implementação de serviço militar provisória nas forças estaduais. A ideia é que esses provisória liberem militares efetivos de tarefas burocráticas. CARROS PRECISAM SER MAIS ROBUSTOSBraga Netto declarou que a intervenção está com obstáculos para elaborar os termos de referência dos produtos que pretende adquiri para equipar o setor de segurança com o orçamento de R$ 1,2 bilhão liberada pelo governo federal em março, e que se a utilizou ainda não . Ele declarou que devolveu ao Tribunal de Contas da União uma série de questionamentos feitos pelo órgão em relação aa utilização do dinheiro.Braga Netto declarou que vai adquiri carros de polícia mais “robustos” para o estado, porque os mais de 200 veículos recém-entregues pelo governador Luiz Fernando Pezão para a PM não são apropriadas para suportar o trabalho policial:- É uma viatura, mas não para o policiamento. Nós vamos comprar viaturas mais robustas para o estado – alegou.Ao falar sobre a integração de UPPs a regimentos da PM, mencionando os casos da Vila Kennedy, Cidade de Deus e Praça Seca e Mangueirinha, o interventor criticou o planejamento da política pública: – Foi expandido por interesse político.Inda que o Estado precisa entrar com serviços em áreas violentas:, braga Netto, que não deu entrevista àoijornalismoao deixar o eacontecimento aalegoua – A solução para a segurança está na implementação de políticas públicas.Se o Estado não fizer o papel dele, não adianta ter ação e força, trocar tiro.

Na quarta-feira 16 de maio Seis pessoas haviam sido presas durante a operação do comando conjunto, em suporte à Secretaria estadual de Segurança no Rio, deflagrada na tarde dnas comunidades do Lazareto, Peixe Galo e Preventório, nos bairros de Jurujuba e Charitas, em Niterói, na Região Metropolitana do Rio. O objetivo da ação, segundo a salinha de intervenção, era coibir o tráfico de entorpecentes e de outras atividades ilícitas, por meio de iniciativas de segurança ostensiva e do cumprimento de mandados judiciais.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: NEUTRAL

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>’Não recebi R$ 1,2 bilhão junto com um talão de cheque’, declara Braga Netto após reunião com Temer
>>>>>Braga Netto: Roubos de carga e de veículos caíram em maio, mas autos de resistência subiram – June 13, 2018 (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 Walter Braga Netto 0 0 PERSON 21 general Walter_Braga_Netto: 2, Walter_Braga_Netto (apposition: O general interventor de a Segurança_do_Rio): 1, Braga_Netto: 13, (tacit) ele/ela (referent: Braga_Netto): 5
2 eu 50 0 NONE 16 eu: 7, (tacit) eu: 7, mim: 1, me: 1
3 Michel Temer 0 0 PERSON 7 (tacit) ele/ela (referent: o presidente Temer): 3, o presidente Temer: 2, (tacit) ele (referent: o presidente Temer): 1, o presidente Michel_Temer: 1
4 interventor 0 0 NONE 7 o interventor: 5, O interventor: 2
5 intervenção 0 40 NONE 5 A intervenção: 1, A intervenção federal: 2, a intervenção: 2
6 nós 0 0 NONE 5 Nós: 1, (tacit) nós: 4
7 esta 0 0 NONE 4 esta: 4
8 planejamento 0 0 NONE 4 um planejamento: 2, Nosso planejamento: 2
9 homicídios 0 360 NONE 3 homicídios dolosos: 1, Os homicídios dolosos: 2
10 Tribunal de Contas da União 0 0 ORGANIZATION 3 ele (referent: O Tribunal_de_Contas_da_União): 1, O Tribunal_de_Contas_da_União: 1, o Tribunal_de_Contas_da_União: 1