Lula se matou como emblema, declara FHC em discussão sobre crise no Brasil

Por: SentiLecto

Fernando Henrique Cardoso tem declarado que não gostaria de ver Lula preso e que seria “chato” um ex-presidente ir parar na cadeia, mas deu a compreender nesta quinta-feira que o petista já teve seu maior castigo: está morto politicamente, na visão do tucano.

“O Lula, ele mesmo se matou, como emblema. De tudo que ele encarnava, de novo, de puridade, não sei o quê. Como é que vai encarnar hoje, com tantas evidências na outra direção?”, alegou.

Faz 11 meses, condenado em primeira instância por o juiz Sergio Moro no caso do tríplex em Guarujá, Lula teve o julgamento de seu recurso em o Tribunal Regional Federal de a 4ª Região.

Ampliarem a pena, Lula ficaria impossibilitado de concorrer a, caso os três juízes da oitava turma do TRF4 confirmem a condenação, inclusive com a chance de posições eletivas.Ciro Gomes tem 6% das intenções de voto para a Presidência em 2018, segundo a pesquisa Datafolha mais recente. Está empatado com o governador paulista Geraldo Alckmin em quarto lugar. Lula aparece na liderança, com 34%.

Para o tucano, “o que está aparecendo” sobre o oponente contraria “a esperança de uma nova Moralidade, de uma nova espécie de conduta” que o petista declarava significar. FHC em discussão na fundação que leva seu nome, na região central de São Paulo declarou: “[Lula] se matou no sentido político”.

Discussão, não, corrigiu o ex-presidente antes de começar sua fala. “Porque isso pressupõe que um esteja contra o outro ou tenha alguma divergência. E eu não tenho”, declarou, conduzindo-se ao senador Cristovam Buarque pré-candidato do PPS na Presidência da República em 2018. O senador Cristovam Buarque é o colega de mesa.Os dois conversaram sobre a crise de Brasil e o futuro do país durante o lançamento de “Brasil, Brasileiros — Por Que Somos Assim?”, livro coordenado pelo senador com os pesquisadores Francisco Almeida e Zander Navarro.

Na saída do acontecimento, FHC declarou que o Brasil vive um momento em “em que é preciso que haja liderança”. “Se o PSDB for capaz de exercer a liderança, bastante bem. Alguém outro exercerá”, alegou ele, que no sábado discursou a favor da pré-candidatura ao Planalto do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin , se não for.

O ex-presidente diminuiu os levantamentos de intenção de voto, falando que eles “não significam muita coisa” e que a votação ainda está distante. Com 6% na pesquisa Datafolha divulgada no começo do mês, Alckmin aparece bastante distante de Lula, que lidera com 34%.

Durante a conferência, em autocrítica à classe política, o ex-presidente ddeclarouque a crise de confiança nas lideranças é grande “porque se quebrou o encanto”.

“Tem que reencantar. E não no mau sentido, de mistificar, mas no sentido de as pessoas poderem verificar que efetivamente você acredita e você satisfaz aquilo que você está sugerindo.”

Para Cristovam, a superação do problema de representatividade depende da coesão entre os cidadãos e da mudança de conduta dos políticos. “A grande ira, a ira, não é o estelionato somente que houve em 2014 [na reeleição de Dilma Rousseff]. A grande ira é a distância entre os privilégios, mordomias desprezo da elite dirigente Mordomias são benefícios., e o povo”, alegou.

Move-se a divisão de a sociedade de Brasil segundo o senador, hoje pela ” ira “. “Não combina”, declara E o sentimento,. “A urna que sai da ira geralmente leva a calamidades. Mas hoje nós estamos andando para isso.”

Na ocasião, o assunto do Lide, geralmente vermelho, cor associada ao PT, foi o azul, ligada ao PSDB. Segundo o grupo, a premiação anual é sempre azul. Alugou-se O Bandeirantes como acontece com outras companhias, declarou a assessoria de o Lide.

Ao assinalar a segurança pública como um dos principais problemas hoje no país, Fernando Henrique declarou que a criminalidade inquieta mais a população “nas zonas pobres. É pobre matando pobre, em grande quantidade”.

O governador declarou: “O rapaz de Anápolis, que conquistou e esteve nos principais centros financeiros do mundo e hoje tem papel importantíssimo na nossa recuperação econômica”.

À plateia de convidados no auditório da fundação alegou: “Segurança hoje não é segurança para nós, é segurança para o povo”.”Quem tem medo de falecer não somos nós. Quem tem medo, no dia a dia, de falecer é onde há crime.”

Para o tucano, se o discurso da guerrazinha à violência “for apropriado pelos autoritários, eles ganham”. “Não pode deixar, porque não resolve matando. É pior.”

A saúde pública, na opinião do ex-presidente, é equivocadamente assinalada como “o que vai pior” no Brasil. “Isso não é verdade. Quem não utiliza acha que é ruim, quem utiliza não reclama tanto. Eu declaro sempre: eu utilização SUS, eu vou aa clínica do SUS”, alegou. “Bem ou mal, hoje existe o SUS.”

“Entre os negros 25% estavam fora da escola, quando eu estava no governo. Hoje se aproxima dos 98% os que estão na escola. [Declaram:] ‘Ah, mas a escola é uma porcaria’. É verdade. A característica deixa a querer.”

Fonte: FolhaGeneric

Sentiment score: SLIGHTLY NEGATIVE

Countries: Brazil

Cities: Sao Paulo, Guaruja

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Lula se matou como emblema, declara FHC em discussão sobre crise no Brasil
>>>>>’FHC é o único presidente de quem brasileiros têm orgulho’, diz Doria – December 12, 2017 (FolhaGeneric)
>>>>>Julgamento de Lula em 2ª instância será no dia 24 de janeiro – (EfeGeneric)
>>>>>’Justiça boa é a rápida’, diz Ciro sobre data de julgamento de Lula – (FolhaGeneric)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 eu 60 0 NONE 12 (tacit) eu: 7, eu: 4, Eu: 1
2 Lula 0 117 PERSON 10 Lula: 6, (tacit) ele/ela (referent: Lula): 3, O Lula: 1
3 Fernando Henrique Cardoso 0 480 PERSON 8 (tacit) ele/ela (referent: Fernando_Henrique): 2, ele (referent: Fernando_Henrique_Cardoso): 1, Fernando_Henrique: 1, Fernando_Henrique_Cardoso: 2, (tacit) ele/ela (referent: Fernando_Henrique_Cardoso): 2
4 Geraldo Alckmin 0 80 PERSON 6 Alckmin: 1, (tacit) ele/ela (referent: Alckmin): 3, Geraldo_Alckmin: 2
5 FHC 60 0 ORGANIZATION 4 (tacit) ele/ela (referent: FHC): 2, FHC: 2
6 ex-presidente 21 0 NONE 4 um ex-presidente: 1, o ex-presidente: 2, O ex-presidente: 1
7 a violência 0 96 NONE 3 (tacit) ele/ela (referent: a violência): 3
8 Bandeirantes 0 0 ORGANIZATION 3 O Bandeirantes: 1, (tacit) ele/ela (referent: O Bandeirantes): 2
9 Brasil 0 0 PLACE 3 o Brasil: 2, Brasil: 1
10 nós 0 0 NONE 3 nós: 3