PT tem que votar juntado em tucano para a presidência da Assembleia de SP

Conservar seu lugar na Mesa Diretora é a prioridade do PT na votação para a presidência da Alesp , marcada para quarta-feira . E, para isso, a bancada terá que votar em Cauê Macris , favorito a ocupar o posto.

O diretório estadual do partido se reuniu na tarde desta segunda para decidir como os 15 deputados petistas devem comportar-se no pleito. A orientação é para todos votarem em bloco. E, ainda que a determinação não mencione expressamente, que selecionem Macris.

O líder do bloco que apoiava Cezar, Chico Sardelli , alegou que a eleição que definiu a migração para Macris foi unânime. Declarou: “Estamos juntados, os 29 membros do bloco, buscando consolidar o nosso trabalho”.

Na quarta-feira 22 de fevereiro enfrentando uma disputa interna, a bancada estadual do PT havia delegado ao comando partidário a resolução sobre seu voto na votação para a Mesa Diretora da Alesp .

Se aprovou a proposta por 42 membros de o diretório, contra os oito opostos. Porém, só na terça , em reunião da bancada na Assembleia, os deputados irão bater o martelo sobre o nome do tucano. E sobre a chance de haver dissidências.

João Paulo Rillo a o candidato de o governo Geraldo Alckmin questionou o suporte , Carlos Neder e José Américo.

João Paulo Rillo é um político, advogado de Brasil com base política em São José do Rio Preto, no estado de São Paulo.

Os três promoveram a campanha “petista não vota em golpista”, sob o argumento de que, após o impeachment de Dilma Rousseff, seria incoerente apoiar a continuidade do PSDB na presidência da casa. Eles defendem que o partido foi o principal fiador político do processo que levou à cassação da petista.

Emídio de Souza, presidente estadual do PT declara: “É amplamente majoritária a ideia de que temo que participar da Mesa e promover os entendimentos necessários para isso”.

Ele evidencia que a resolução sobre o nome que vai receber os votos da legenda só sai amanhã . Porém, se declara pessoalmente favorável ao consenso em torno de Macris, pois é quem “viabiliza a proporcionalidade” na Mesa.

Por “proporcionalidade”, Souza se refere à divisão de forças na Alesp que aocorredesde a era Covas: a presidência fica com o partido dproprietárioda maior bancada , a 1ª Secretaria com a segunda e a 2ª, com a terceira .

“Sempre participamos da 1ª Secretaria, há 20 anos, e jamais deixamos de fazer oposição”, declara Souza.

As dissidências internas e a mobilização que Neder, Rillo e Américo fizeram em torno da votação, apostam petistas, podem servir para fortalecer a oposição ao governador no Legislativo daqui por diante.

É um recado que deputados contam ter escutado do próprio ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que participou de uma reunião com a bancada na sede do Instituto Lula, na semana passada.

A determinação, divulgada após a reunião desta segunda alega: “Nossa bancada deve utilizar os espaços conquistados para aumentar e qualificar ainda mais a oposição ao governo Alckmin e ao PSDB”.

Houve, porém, um racha nos parlamentares do partido no final de 2016. João Paulo Rillo, integrante da delegação de finanças, exibiu obstruções nas sessões para aprovar a verba do Estado em 2017.

A postura do deputado, mais enfático que os colegas de partido, desagradou o PT na Casa e acabou destituído da delegação. Rillo, então, os chamou de “golpistas” e acabou proibido de participar das reuniões de bancada. Por resolução do diretório nesta segunda, voltará a frequentá-las na terça-feira .

Até o momento, Cauê Macris é o único nome na disputa à presidência da Assembleia. Carlos Cezar, do PSB, retirou sua candidatura na quinta .

Por ora, aliados do deputado do PSDB declaram contar com os votos de 90 dos 94 deputados da Alesp.

Na tentativa de pressionar os colegas a não formarem uma coalizão com o PSDB, três deputados do PT coordenaram um ato nesta quinta para marcar oposição.

Fonte: FolhaGeneric

Sentiment score: SLIGHTLY POSITIVE

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>PT tem que votar juntado em tucano para a presidência da Assembleia de SP
>>>>>Adversário desiste e tucano consolida vitória na Assembleia de São Paulo – March 10, 2017 (FolhaGeneric)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 João Paulo Rillo 0 50 PERSON 8 João_Paulo_Rillo: 2, (tacit) ele/ela (referent: Rillo): 3, João_Paulo_Rillo integrante de a comissão: 1, (tacit) ele/ela (referent: João_Paulo_Rillo): 1, Rillo: 1
2 eleição 0 0 NONE 5 a votação: 2, a eleição: 2, eleição: 1
3 nós 0 0 NONE 4 (tacit) nós: 4
4 resolução 0 0 NONE 4 a resolução: 2, a decisão: 2
5 Macris 0 0 PERSON 3 Macris: 3
6 PSDB 0 0 ORGANIZATION 3 (tacit) ele/ela (referent: o PSDB): 1, o PSDB: 2
7 bancada 0 0 NONE 3 Nossa bancada: 1, a bancada: 2
8 nome 0 0 NONE 3 o nome: 2, o único nome: 1
9 o líder de o bloco 120 0 NONE 2 O líder de o bloco: 2
10 Alesp 0 0 ORGANIZATION 2 a Alesp: 2