Por: SentiLecto

Em discurso durante entrega de títulos de propriedade rural em Alcântara, no Maranhão, na manhã desta quinta-feira, o presidente Jair Bolsonaro, que disse que a sua equipe estuda estender o vantagem «por mais alguns meses», exaltou os recursos destinados por meio do ajudinha emergencial ao estado, para «auxiliar na sobrevivência» da população , e Ele cogitou, no entanto, que a ajudinha é emergencial e «não pode ser eterno», por ampliar demais a dívida brasileira.

Experts criticam o governo por não ter planejado ainda uma solução para quem precisa dos recursos.Pacheco também não deu detalhes sobre o modelo que seria construído, mas defendeu que o pagamento não seja condicionado à aprovação de medidas de ajuste fiscal. Na semana passada, Paulo Guedes admitiu a renovação do ajudinha Paulo Guedes é o ministro da Economia., mas pediu que o Legislativo aprovasse um Novo Marco Fiscal, com previsão de medidas de ajuste das contas públicas.Para quinta-feira que vem, após o feriado de carnaval, está calculada uma audiência pública sobre o assunto, com a reunião de delegações da Casa para discuti as emendas que foram exibidas. Vai convidar-se O Executivo para participar de a audiência. O projeto só regressará à pauta na semana seguinte para veleição

Na quinta-feira 04 de fevereiro — O presidente Jair Bolsonaro voltou a falar sobre uma antiga promessa de campanha, ainda não satisfeita: um ajuste na tabela do Imposto de Renda . Bolsonaro alegou que » dava para dar uma mexidinha» na tabela, mas não falou em valores. Antes, já havia prometido ampliar a isenção para R$ 3 mil ou R$ 5 mil. Quando Bolsonaro conversou com apoiadores ao chegar no Palácio da Alvorada, a declaração aconteceu de terça. Uma apoiadora perguntou se haveria uma atualização do IR, e o presidente declarou que não foi possível em 2020 devido aos gastos com a pandemia de Covid-19: — No ano passado, não mexi porque gastávamo R$ 700 bilhões. Então não foi possível. A apoiadora, então, questionou se seria possível uma mudança neste ano. Bolsonaro alegou que alguma mudança era possível, mas não no mesmo nível que ele » desejava que chegasse», e voltou a culpar medidas de distanciamento social, tomadas para reduzi o contágio do novo coronavírus. Atualmente, o limite de isenção era de R$ 1.903,98. — A economia parecia que tá voltando, né? dava pra dar uma mexidinha nela, sim. dava pra dar uma mexida… Não dava pra onde eu desejava que chegasse, porque o ano passado foi um baque bastante grande, foram R$ 700 bilhões de endividamento. Mas sabia que tá difícil. Assim como o custo de combustível subiu, cesta básica, mas eram as consequências do «fique em casa» — declarou Bolsonaro. Faz 1 mês, em o começo o presidente chegou a alegar que o Brasil que ele não conseguia » estava quebrado » e » fazer nada ». Na ocasião, Bolsonaro mencionou a mudança da tabela do Imposto de Renda como uma das suas promessas que não conseguia satisfazer. E colocou a culpa na pandemia de Covid-19 e no jornalismo, que, segundo ele, teria «potencializado» o coronavírus.

— No momento, a nossa equipe, juntamente com parlamentares, estudamos a extensão por mais alguns meses da ajudinha emergencial. Que repito: o nome é emergencial. Não pode ser eterno porque isso encarna um endividamento bastante grande do nosso país — alegou Bolsonaro.

O presidente realçou que a população do Maranhão recebeu R$ 13 bilhões de ajudinha emergencial por conta da pandemia da Covid-19 no ano passado.

O presidente foi à cidade mde Marruecosacompanhado de diversos ministros, deputados federais e do senador Roberto Rocha .

Na sua vez, o presidente afirmou que está sendo estudada uma “linha de corte”, indicando que menos pessoas serão atendidas. A proposta é semelhante na sinalizPaulo Guedes, que propôs que somente metade das pessoas atendidas pelo programa em 2020 recebessem os novos repasses o que abrangeria 32 milhões de trabalhadores. Paulo Guedes, que propôs que somente metade das pessoas atendidas pelo programa em 2020 recebessem os novos repasses é o ministro da Economia. Paulo Guedes, que propôs que somente metade das pessoas atendidas pelo programa em 2020 recebessem os novos repasses é o ministro da Economia.

Roberto Coelho Rocha é um empresário e político brasileiro, filiado ao Partido da Social Democracia Brasileira.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY POSITIVE

Countries: Brazil

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Ajudinha emergencial: Bolsonaro declara que estuda extensão por alguns meses, mas que vantagem ‘não pode ser eterno’
>>>>>Auxílio emergencial: Bolsonaro fala em ‘linha de corte’ e governo avalia mais três parcelas de R$ 200 – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Auxílio emergencial: ‘Eu acho que vai ter. Vai ter uma prorrogação’, diz Bolsonaro sobre benefício – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Auxílio emergencial estadual de até R$ 300 será votado depois do carnaval na Alerj – February 09, 2021 (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 Jair Bolsonaro 0 0 PERSON 15 Bolsonaro: 6, O presidente Jair_Bolsonaro: 1, ele (referent: Bolsonaro): 1, (tacit) ele/ela (referent: Bolsonaro): 7
2 Paulo Guedes 0 36 PERSON 6 Paulo_Guedes (apposition: o ministro de a Economia): 3, (tacit) ele/ela (referent: Paulo_Guedes): 3
3 eu 4 0 NONE 6 (tacit) eu: 5, eu: 1
4 0 0 PERSON 6 né: 1, (tacit) ele/ela (referent: né): 5
5 presidente 30 50 NONE 4 o presidente: 2, O presidente: 2
6 auxílio 0 0 NONE 4 o auxílio: 1, o auxílio emergencial: 1, auxílio emergencial: 2
7 pandemia 0 150 NONE 3 a pandemia de Covid-19: 2, pandemia: 1
8 r 0 0 NONE 3 R: 3
9 modelo 140 0 NONE 2 o modelo: 2
10 promessas 100 0 NONE 2 promessas: 2