Por: SentiLecto

— A ajudinha emergencial de R$ 600 que vai ser pago por três meses a trabalhadores informais vai significar um gasto de R$ 98 bilhões no fase. O presidente Jair Bolsonaro que ainda declarou anunciou a informação que irá anunciar em esta quarta a sanção de o projeto de lei que estabelece a ajudinha ainda em esta que ele já havia quarta-feira , — prometido sancionar em a terça-feira , o que não se concretizou, e pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, durante pronunciamento no Palácio do Planalto. Eles também informaram que o programa atingirá 54 milhões de brasileiros. — No dia de hoje, vamo anunciar também a sanção do projeto da ajudinha emergencial, onde 54 milhões pessoas serão atingidas, a um preço de aproximadamente R$ 98 bilhões para o Tesouro, aquela ajudinha de R$ 600 por três meses, podendo chegar a R$ 1.200 — declarou Bolsonaro. Leia mais: Autônomos que contribuem para o INSS serão os terceiros a ter o ‘coronavoucher’ Guedes alegou que o programa tem como objetivo proteger os brasileiros da «segunda onda» do coronavírus, que ele chamou de «desarticulação econômica». — Nós separamos recursos de R$ 98 bilhões para atingir 54 milhões de brasileiros de maneira que eles tenham recursos pelos próximos três meses para enfrentar essa primeira onda. Tem uma segunda onda vindo, que é essa desarticulação econômica que nos ameaça — declarou Guedes. Veja também: Equipe econômica pede veto a trecho de projeto que cria ajudinha de R$ 600 Bolsonaro e Guedes anunciaram ainda a edição de três medidas provisórias, que já estavam calculadas. De acordo com o presidente, elas serão editadas entre quarta-feira e quinta-feira. Uma delas vai instituir uma linha de financiamento para pequenas e médias companhias pagarem salários de funcionários por dois meses. O financiamento vai ser de R$ 40 bilhões, dos quais R$ 34 bilhões são do Tesouro Nacional. Os R$ 6 bilhões restantes da linha serão financiamentos pelos bancos privados. Outra MP permitirá a diminuição dos salários das empregados com complementação da renda por parte do governo. Ela vai ter um preço de R$ 51 bilhões. Viu isso? Governo avalia isentar conta de luz de consumidores de baixa renda — Também há a promessa de auxiliar os brasileiros a conservarem seus empregos. Vem R$ 51 bilhões do nosso programa trabalhista, que dá às ecompanhiasvárias pchances Podem diminuir jornada de trabalho que o governo cobre essa diferença de salário. Nós estamos pagando as companhias para conservar os empregos — alegou o ministro. Uma outra medida provisória vai mandar R$ 16 bilhões para estados e municípios. — É uma transferência para fundos de estados e municípios para reformar essa luta no front, onde o vírus está agredindo — declarou Guedes. No total, as medidas mencionadas nesta quarta-feira adicionam R$ 200 bilhões, declarou o ministro: — O total é de R$ 200 bilhões, 2,6% do PIB, para manutenção da saúde, a conservação de vidas e a manutenção do emprego. Cheque ainda: FGTS: pagamento do saque-aniversário inicia nesta quarta-feira; cheque as normas Envie acusações, informações, vídeos e imagens para o WhatsApp do Extra

— O relator do projeto que cria o voucher de R$ 600 para os trabalhadores informais, senador Alessandro Vieira , fez duas mudanças de redação no texto aprovado pela Câmara dos Deputados na última quinta-feira. Ele incluiu na proposta trabalhadores intermitentes, que prestam serviço por horas, dias ou meses para mais de um empregador, e tornou automática a migração dos beneficiários do Bolsa Família para a nova ajudinha emergencial, nas situações em que for mais positivo. Faz 1 mês, o relator também fez um corte de para aferição de a renda em a concessão de o voucher, de até meio salário mínimo ou renda mensal familiar de até três salários mínimos. Segundo o líder do governo no Congresso, senador Eduardo Gomes , o projeto original deve ser votado pelo Senado ainda nesta segunda-feira com essas mudanças de redação feitas pelo relator, e seguir para a sanção presidencial. Ficou acertado entre líderes dos partidos que o senador Espiridião Amim vai ser o relator de um outro projeto a ser exibido nessa terça-feira para incluir outras categorias no rol de beneficiários do voucher. Leia mais: Vai incluir-se proteção a microempresários em MP que interrompe contrato de trabalho Confira ainda: FGTS: cheque os saques liberados ao trabalhador em 2020 Entre elas, deixar claro que motoristas de aplicativos e pescadores também vão ter direito aa ajudinha emergencial. — Fizemos o acordo na reunião de líderes nesta segunda-feira para evitar atrasar a tramitação da proposta — declarou Gomes. O relator compreendeu que o texto mandado pela Câmara deixava dúvida se intermitentes poderiam se beneficiar. Também dava a compreender que as famílias devessem ir à prefeitura pedir para trocar oabvantagemdo Bolsa Família para o voucher. Se recusaram emendas de mérito para evitar que o projeto original regresse em a Câmara, .Mande acusações, informações, vídeos e imagens para o WhatsApp do Extra – O Senado decidiu protelar a eleição do projeto que aumentaria o número de brasileiros que vão receber ajudinha do governo em meio à pandemia do coronavírus. O texto seria apreciado na sessão desta terça-feira . O líder do governo, Fernando Bezerra Coelho , pediu tempo para que a equipe econômica e o Planalto conhecessem a proposta e avaliassem seus efeitos. O Senado aprovou, nesta segunda-feira a ajudinha de R$ 600 mensais para trabalhadores informais e provisória. O texto seguiu para a sanção do presidente Jair Bolsonaro, que prometeu assiná-lo ainda hoje. Leia mais: Senado aprova e ‘coronavoucher’ segue para sanção de Bolsonaro; Veja as exigências para receber o recurso O combinado entre senadores era votar uma proposta hoje que aumenta o número de atendidos por essa ajudinha, apelidado de «coronavoucher». A ideia é incorporar categorias, como caminhoneiros, taxistas, motoristas de aplicativos, pescadores, índios, entre outros. Em reuniões, líderes decidiram aglutinar essa proposta a um «pacotão social», que será embalado em um único projeto que cria a Renda Básica de Cidadania Emergencial. O autor original é o senador Randolfe Rodrigues e tem Esperidião Amin como relator. Cheque ainda: Guedes deseja usar cadastro de informais dos municípios para distribuir ajudinha de R$ 600 O texto final, porém, incorporará sugeridas de vários senadores, com ideias de assistência social durante a pandemia. Ainda em elaboração, a proposta central é atender a todas as pessoas inscritas no Cadastro Único , do Ministério da Cidadania, principal fonte de informações sociais do país, que tenham renda inferior a três salários mínimos.Antes da ideia de aumentar esse pacote, incorporando categorias a serem atendidas, Randolfe diz que a projeção era atender 40 milhões de pessoas, com custo de R$ 28 bilhões para o governo. Segundo o senador, esses números devem aumentar. Viu isso? Amin microempresários vai incluir em MP que interrompe contrato de trabalho Bezerra pediu que os senadores exibissem o relatório — em elaboração Proteção a — para que o governo possa avaliá-o antes de a eleição.. Se protelou a análise de o projeto por isso, para amanhã. Faz 1 mês, o fato de Bolsonaro ainda não ter sancionado o projeto aprovado também contribuiu para o cancelamento de a eleição hoje. A estimativa de líderes do Congresso é que o projeto aprovado ontem atenda 25 milhões de pessoas. Mande acusações, informações, vídeos e imagens para o WhatsApp do Extra — A equipe econômica pedirá ao presidente Jair Bolsonaro para vetar um trecho do projeto de lei que cria a ajudinha emergencial de R$ 600 por três meses para trabalhadores autônomos e informais, por conta da crise provocada pelo coronavírus. Assessores do ministro Paulo Guedes são contra o aumento do Benefício de Prestação Continu
ada . Deputados e senadores aprovaram, junto com essa ajudinha, o aumento do BPC. O BPC é um salário mínimo pago a pessoas com deficiência e idosos de baixa renda. Hoje, o salário mínimo está em R$ 1.045. Leia também: Senado aprova e ‘coronavoucher’ segue para sanção de Bolsonaro; Veja as exigências para receber o recurso O projeto aprovado aumenta o limite de renda familiar per capita para fins de concessão do BPC de um quarto do salário mínimo para meio salário mínimo a partir de 2021. Em 2020, permanece o critério de um quarto de salário mínimo. O pedido de veto partiu da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia. O argumento é que o projeto trata de medidas excepcionais de proteção social a serem adotadas durante a pandemia. Já a mudança no BPC ultrapassa o fase da crise e encarna a criação de uma despesa compulsória de personalidade continuada. Para os assessores do ministro Paulo Guedes, a mudança no BPC não considera a necessidade de estimativas de preço, previsão de fonte de custeio e medidas compensatórias ao instituir uma despesa. Eles criticam também o aumentado preço fiscal da medida. O efeito seria de R$ 27 bilhões por ano. Veja mais: Valor do novo saque do FGTS vai ser próximo de um salário mínimo O projeto aprovado é semelhante a outro texto vetado por Bolsonaro, e que teve o veto derrubado pelo Congresso. Para os técnicos da área econômica, gerar ampliação expressiva de despesa em personalidade continuada, sem qualquer indicação de efeito orçamentário e financeiro e sem indicação de fonte de custeio ou compensação, é prudente do ponto de vista fiscal. A o chegar a o Palácio do Alvorada em esta terça-feira , um apoiador cobrou o Bolsonaro sobre a liberação de assistência a trabalhadores informais e prometeu sancionar a ajudinha de R 600 mensais $ » o mais rápido possível «. — Estamos correndo atrás porque tem vetos que precisam ser analisados e justificados, não é só botar um “x” não — explicou. Mande acusações, informações, vídeos e imagens para o WhatsApp do Extra

Na segunda-feira 23 de março — O presidente Jair Bolsonaro anunciou um pacote de R$ 85,8 bilhões para reforçar o caixa de estados e municípios durante a crise do coronavírus. Entre as medidas, estava a suspensão das dívidas dos estados com a União, que custaria à União R$ 12,6 bilhões. A promessa foi feita por Bolsonaro pelas redes sociais, durante reunião com governadores que acontecia nesta segunda. O presidente também declarou que o governo transferirá R$ 8 bilhões para saúde e entraria com R$ 16 bilhões para conservar em 2020 o mesmo platô do ano passado de transferências do Fundo de Participação dos Estados e do Fundo de Participação dos Municípios . O anúncio do presidente acontecia umapós secretários estaduais e governadores terem feito uma lista de pedidos ao ministro da Economia, Paulo Guedes. Em profissão enviada a Guedes, os estados pediram R$ 15 bilhões mensais para compensar as perdas de arrecadação e reforçar o financiamento de ações emergenciais na área da saúde. Neste domingo, o Supremo Tribunal Federal determinou a suspensão do pagamento da dívida por parte do governo estadual de São Paulo. Mais cedo, Bolsonaro declarou a jornalistas que a extensão da vantagem para outros estados estava em análise pela equipe econômica. — Isso já vinha sendo debatido, estava no Pacto Federativo essa proposta, tá certo? A gente podia [interromper para outros Estados], mas devia escutar o Paulo Guedes, ele que vai declarar, na ponta da linha, quanto era que custa, eu não sei quanto é, talvez R$ 18 bilhões, se eu não me iludo, custaria essa medida para estender para os demais Estados — disse o presidente. 1- Transferência para a saúde – R$ 8 bilhões 2- Recomposição FPE e FPM: R$ 16 bilhões . 3- Orçamento Assistencial Social: R$ 2 bilhões. 4- Suspensão das dívidas dos Estados com a União: R$ 12,6 bilhões. 5- Renegociação com bancos: R$ 9,6 bilhões . 6- Operações com facilitação de créditos: R$ 40 bilhões. Mande acusações, informações, vídeos e imagens para o WhatsApp do Extra

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY POSITIVE

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Ajudinha emergencial vai beneficiar 54 milhões de trabalhadores a um preço de R$ 98 bilhões
>>>>>Coronavírus: relator inclui mais categorias de trabalhadores para receber auxílio de R$ 600 – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Senado adia votação que estende auxílio de R$ 600 e prepara ‘pacotão social’ para amanhã – March 31, 2020 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>Senado deve votar ‘coronavoucher’ na próxima segunda-feira – March 27, 2020 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>>>>>Câmara aprova ‘coronavoucher’ de R$ 600 para informais. Veja quem pode receber – March 27, 2020 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>>>>>>>>>Governo confirma repasse de R$ 3 bilhões para Bolsa Família – March 25, 2020 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>Governo oficializa medidas para flexibilizar home office, antecipar férias e abono salarial – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>Governo editará texto complementar ao da suspensão dos contratos de trabalho – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>Governo vai complementar salário em caso de suspensão de contrato ou jornada, prevê nova MP – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>Câmara aprova projeto que concede R$ 600 a trabalhadores informais durante a crise – March 27, 2020 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>Governo e Congresso negociam valor de pagamento emergencial a trabalhadores informais – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>Governo avalia aumentar para R$ 300 valor a ser pago a trabalhadores informais – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>Bolsonaro recua e diz que irá revogar artigo da MP 927 que permitia suspensão de contrato e salário – March 23, 2020 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>>>>>>>>>Mulheres chefes de família receberão auxílio emergencial de R$ 1.200 – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>INSS fará levantamento de trabalhadores informais que vão receber voucher de R$ 600 – March 27, 2020 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>Coronavírus: Bolsonaro diz que vai sancionar auxílio de R$ 600 nesta terça-feira – March 31, 2020 (EntretenimientoBit)
>>>>>Equipe econômica pede veto a trecho de projeto que cria auxílio de R$ 600 – March 31, 2020 (EntretenimientoBit)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 eu 87 0 NONE 20 (tacit) eu: 19, eu: 1
2 R 0 0 PERSON 17 R: 17
3 Jair Bolsonaro 100 0 PERSON 10 (tacit) ele/ela (referent: o presidente Jair_Bolsonaro): 1, Bolsonaro: 4, o presidente Jair_Bolsonaro: 4, O presidente Jair_Bolsonaro: 1
4 Paulo Guedes 0 25 PERSON 7 Guedes: 4, Paulo_Guedes: 2, (tacit) ele/ela (referent: Guedes): 1
5 projeto 160 0 NONE 7 um único projeto: 2, o projeto original: 2, projeto: 1, o projeto: 1, o projeto aprovado: 1
6 nós 30 0 NONE 6 nos: 1, Nós: 2, (tacit) nós: 3
7 MP 0 0 ORGANIZATION 6 Outra MP: 1, MP: 4, Ela (referent: Outra MP): 1
8 esta 0 0 NONE 6 esta: 6
9 proposta 230 0 NONE 5 essa proposta: 1, a proposta: 1, a proposta central: 1, a proposta trabalhadores: 2
10 Bolsonaro 0 0 ORGANIZATION 5 (tacit) ele/ela (referent: o Bolsonaro): 4, o Bolsonaro: 1