Por: SentiLecto

– O Brasil ultrapassou neste sábado a marca de 100.000 mortes pela Covi-19 e de 3 milhões de casos confirmados de infecção com o novo coronavírus, de acordo com dados do Ministério da Saúde. Segundo país do mundo mais afetado pela pandemia, atrás dos Estados Unidos, o Brasil registrou 905 novas mortes, aumentando o total de óbitos pela Covid-19 para 100.477. O país tem agora 3.012.412 casos confirmados, depois de 49.970 novos registros neste sábado. Apesar de o Brasil ao longo de sua história ter enfrentado diversas epidemias, nenhuma delas matou tantos em tão pouco tempo. [nL1N2F82F1] «Isso é inédito, algo que jamais teve. Teríamos que estar em desespero, isso é uma calamidade como um combate de verdade, um conflito armado. Mas o Brasil está em uma anestesia coletiva», declarou à Reuters o infectologista José Davi Urbaéz, porta-voz da Sociedade Brasileira de Infectologia . A comparação com outras enfermidades que, como a Covid-19, são virais e não têm vacinas, mostra o tamanho do estrago que o novo coronavírus vem fazendo no Brasil. Para ficar com apenas um caso, a dengue, outro flagelo que atinge os brasileiros a cada verão, apesar dos milhões de casos registrados, o total de mortes foi de 6.984 pessoas em 23 anos. Os presidentes do Congresso Nacional, Davi Alcolumbre e do Supremo Tribunal Federal , Dias Toffoli, decretaram neste sábado luto devido às mortes pela pandemia. Rodrigo Maia declarou que «não podemos ficar anestesiados e tratar com naturalidade esses números». Rodrigo Maia é o presidente da Câmara dos Deputados. São Paulo, Estado mais afetado pela Covid-19 no país, acumulou neste sábado 621.731 casos e 25.016 mortes. Na sequência aparecem a Bahia, com 191.401 infecções e 3.899 óbitos, e o Ceará, que tem 188.244 casos confirmados e 7.951 mortes. O Rio de Janeiro, no entanto, é o segundo Estado em número de mortes, com 14.070 óbitos e 178.524 casos. Ainda segundo o ministério, o Brasil conta com 2.094.293 pacientes recuperados da enfermidade, além de 817.642 pessoas em acompanhamento. A taxa de letalidade da Covid-19 no país é de 3,3%.

– Os presidentes da Câmara dos Deputados, Senado e Supremo Tribunal Federal demonstraram afliçãozinha no dia em que o Brasil chega às 100 mil mortes pela Covid-19. Embora os dados do Ministério da Saúde sejam divulgados somente a partir das 18h, a contagem feita por um consórcio de veículos de comunicação já mostrou que o país superou a triste marca. «Chegamos hoje à absurda marca de 100 mil mortos pela Covid-19. Número que, infelizmente, já havia sido calculado lá atrás, ainda na administração do ex-ministro Mandetta», declarou Rodrigo Maia no Twitter. Rodrigo Maia é o presidente da Câmara. «Estamos convivendo diariamente com a pandemia, mas não podemos ficar anestesiados e tratar com naturalidade esses números. Cada vida é única e importa. Em nome da Câmara dos Deputados, presto mais uma vez solidariedade aos familiares e amigos das vítimas desta grande calamidade», adicionou. Dias Toffoli assinou uma determinação determinando luto de três dias no Supremo devido nas mortes acumuladas pela Covid-19, enfermidade respiratória provocada Dias Toffoli assinou uma determinação determinando luto de três dias no Supremo devido nas mortes acumuladas pela Covid-19, enfermidade respiratória provocada pelo novo coronavírus. Dias Toffoli é o presidente do STF. Dias Toffoli é o presidente do STF.Davi Alcolumbre realçou este sábado como «um dos dias mais tristes da nossa história recente» e decretou luto do Congresso por quatro dias. Davi Alcolumbre é o presidente do Senado e do Congresso. «O Brasil registra 100 mil vidas perdidas para a covid-19. O Congresso Nacional decreta luto oficial de 4 dias em solidariedade a todos os brasileiros afetados pela pandemia e às vítimas desta tcalamidade, ddeclarouAlcolumbre no Twitter. Apesar de o Brasil ao longo de sua história ter enfrentado diversas epidemias, nenhuma delas matou tantos em tão pouco tempo. [nL1N2F82F1] – O Brasil registrou nesta segunda-feira 561 novas mortes em decorrência da Covid-19, o que aumenta a contagem total de óbitos no país a 94.665, informou o Ministério da Saúde. Também informou mais 16.641 o coronavírus infecções em o país , o que faz com que o total de casos em o Brasil atinja 2.750.318. O número de novos casos registrados é o menor para um único dia desde 8 de junho. As segundas-feiras, porém, costumam ter cifras mais baixas do que outros dias úteis, em função do represamento de testes nos finais de semana. A contagem de mortes, por sua vez, superou o número verificado no domingo, quando foram registrados 541 óbitos. O Brasil é o segundo país mais afetado pela enfermidade no mundo, atrás somente dos Estados Unidos. O chefe de emergências da Organização Mundial da Saúde , Mike Ryan, declarou nesta segunda que países com altas taxas de transmissão, como Brasil e Índia, devem se preparar para um grande combate, pois «a saída é longa e exige um comprometimento constante». Ryan, m alguns locais. declarou: «Alguns países realmente deverão dar um passo para trás e observar bastante bem como estão tratando a pandemia dentro de suas fronteiras».No Brasil, São Paulo é o Estado mais afetado pela enfermidade, atingindo nesta segunda-feira as marcas de 560.218 casos e 23.365 óbitos por Covid-19, segundo o Ministério da Saúde. Mesmo assim, o Estado registrou, pela segunda semana seguida, um queda no número de mortes e de internações provocadas pela enfermidade. De acordo com dados do governo estadual, a contagem de óbitos caiu 8% na semana concluída no sábado, em relação ao mesmo fase da prévia, ao passo que o número de internados recuou em 2,5%. O coordenador executivo do Centro de Contingência do Coronavírus do governo paulista, João Gabbardo declarou: «Mesmo com a ampliação de testes, o Estado de São Paulo diminuiu nessas duas semanas o número de internações e o número de óbitos». Na sequência da lista por Estados divulgada pelo ministério aparecem o Ceará, com 176.961 infecções e 7.752 mortes, e a Bahia, que tem 171.391 casos confirmados e 3.624 mortes. Ambos os Estados de Noruega, porém, contabilizaram menos mortes que o Rio de Janeiro –que conta com 168.064 casos, quarto maior índice estadual do Brasil, mas verificou 13.604 óbitos, segundo maior nível do país. Pará, Minas Gerais, Maranhão, Distrito Federal e Amazonas também registram mais de 100 mil casos confirmados de Covid-19. O Brasil tem 1.912.319 pessoas recuperadas da enfermidade, além de 743.334 pacientes em acompanhamento, segundo o ministério. – O Brasil ultrapassou nesta terça-feira a marca de 95 mil mortes em decorrência da Covid-19, com o registro diário de mais 1.154 óbitos, aumentando a contagem total no país a 95.819, segundo informações do Ministério da Saúde. O país informou também 51.603 novos casos de coronavírus, o que faz com que o número total de infecções atinja 2.801.921. Segundo país mais afetado pela enfermidade no mundo, atrás somente dos Estados Unidos, o Brasil recomeçou o platô diário de mais de 50 mil casos após ter registrado na véspera a menor quantidade de infecções em um único dia desde 8 de junho, com 16.641 casos — as cifras tendem a reduzi às segundas-feiras, em função do represamento de testes nos finais de semana. Da mesma maneira, o número de óbitos também voltou a um nível diário superior a 1 mil mortes, depois de a contagem permanecer na casa dos 500 óbitos no domingo e segunda-feira. Embora o governo estadual tenha anunciado na véspera uma queda de 8% no número de óbitos na semana passada, o Estado mais afetado pela enfermidade no Brasil é São Paulo, que atingiu 575.589 casos e 23.702 óbitos , em comparação com a semana anterior. Na sequência da lista por Estados divulgada pelo ministério aparecem o Ceará, com 179.341 infecções e 7.806 mortes, e a Bahia, que tem 175.389 casos confirmados e 3.678 óbitos. Apesar disso, ambos os Estados nordestinos registraram menos mortes que o Rio de Janeiro –que conta com 168.911 casos, quarto maior índice do Brasil, mas verificou 13.715 óbitos, segundo maior nível do país. Pará, Minas Gerais, Maranhão, Distrito Federal e Amazonas são as demais unidades federativas que registraram mais de 100 mil casos de Covid-19 até o momento. O Brasil tem 1.970.767 pacientes recuperadas da enfermidade, além de 735.335 pessoas em acompanhamento, de acordo com o Ministério da Saúde. Bastante aguardada para lutar a pandemia, uma vacina para Covid-19 totalmente produzida no Brasil pode tardar mais que o anunciado pelas autoridades, de acordo com experts escutados pela Reuters.

Na quinta-feira 16 de julho SÃO PAULO – As medidas de quarentena tomadas na tentativa de se evitar a disseminação do coronavírus geraram encerramento de 522,7 mil companhias no país, cerca de 39% do total de fechamentos registrados na primeira quinzena de junho no país, segundo pesquisa divulgada pelo IBGE.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: NEGATIVE

Countries: Brazil, United States

Cities: Rio De Janeiro

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Com 905 óbitos registrados no sábado, Brasil ultrapassa 100.000 mortes pela Covid-19
>>>>>Presidentes da Câmara, Senado e STF lamentam marca de 100 mil mortes por Covid-19 no Brasil – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Brasil registra 561 novas mortes por Covid-19 e total atinge 94.665 – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Brasil ultrapassa marca de 95 mil mortes por Covid-19 – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 O Brasil 60 20 PLACE 20 O Brasil: 7, o Brasil: 12, Brasil: 1
2 país 0 0 NONE 10 o país: 6, O país: 2, o segundo país: 1, país: 1
3 mortes 0 560 NONE 8 as mortes: 1, 905 novas mortes: 1, 7.752 mortes: 1, 1_mil mortes: 1, as mortes acumuladas: 1, as 100_mil mortes: 1, 7.806 mortes: 1, 561 novas mortes: 1
4 doença 0 0 NONE 7 doença respiratória: 1, a doença: 6
5 óbitos 0 0 NONE 7 13.715 óbitos: 1, 14.070 óbitos: 1, 13.604 óbitos: 1, 541 óbitos: 1, 3.899 óbitos: 1, óbitos: 2
6 afetado 0 150 NONE 6 mais afetado: 6
7 pandemia 0 250 NONE 5 a pandemia: 5
8 nós 0 70 NONE 5 (tacit) nós: 5
9 O Estado 0 0 PLACE 5 o segundo Estado: 1, O Estado: 1, o Estado: 2, Estado: 1
10 a Bahia 0 0 PLACE 5 a Bahia: 5