Por: SentiLecto

– O Conselho Monetário Nacional anunciou nesta quarta-feira flexibilização das normas sobre distribuição dos resultados de 2020 das instituições financeiras, medida que havia sido criada no começo da crise do coronavírus. Agora, as instituições poderão distribuir resultados, inclusive sob a maneira de antecipação, até o maior dos seguintes valores: 30% do lucro líquido ou a soma equivalente ao dividendo mínimo compulsório constante de seu regulamento. A distribuição poderá ser feita até o maior dos seguintes valores: 30% do lucro líquido ou o equivalente ao dividendo mínimo compulsório. Em nota, o Banco Central alegou que a potencial distribuição de resultados passaria de 30 bilhões para 36 bilhões de reais, redundando em uma diminuição potencial da capitalização do sistema de 6 bilhões de reais. BC., firmou: «Ainda restaria um potencial de 80 bilhões de reais de resultado retido para fazer frente às incertezas remanescentes dos econseqüênciaadversos provocados pela pandemia Covid-19»,. que avaliou que impuseram-se as travas para suportar eventuais perdas decorrentes de o cenário adverso em a época, bem como conservar o fluxo de o crédito em a economia e Faz 7 meses, assegurar a estabilidade de o próprio sistema financeiro, A determinação sobre o assunto estabelecia uma série de normas mais rígidas para garantir a solidez de o sistema financeiro nacional em meio em a tragédia pública.Entre elas estava a interdição para pagar mais do que a dividendo mínimo compulsório ou do soma equivalente à distribuição mínima de lucro estabelecida no contrato social. Mas a autoridade monetária compreendeu que o quadro mudou, com o sistema financeiro mostrando «resiliência ao afastar as previsões mais pessimistas» e andando para fechar 2020 em «situação de solidez financeira robusta e melhores resultados no teste de estresse». Em 3 meses, segundo o BC, o Comitê de Estabilidade Financeira vai analisar as condições financeiras e a necessidade de adoção de ajustes complementares.

– Faz 2 meses, o estoque total de crédito em o Brasil aumentou %2,0 sobre outubro, a 3,954 trilhões de reais, dando sequência a uma trajetória de expansão embalada em este ano por a crise de o coronavírus que fez o governo arremessar programas voltados a companhias e os bancos, que fez o governo arremessar programas voltados a companhias e os bancos abrirem as torneiras para renegociações e novos financiamentos. Com isso, o estoque atingiu 53,1% do Produto Interno Bruto , divulgou o Banco Central nesta quarta-feira, maior percentual desde janeiro de 2016 . Faz 1 mês, a alta de o crédito em o país foi de %13,7 e em 12 meses de %15,6, em o acumulado de janeiro a novembro. Este último percentual, inclusive, bate com a expectativa do BC para o dado consolidado de 2020. Na semana passada, a autoridade monetária calculou que a expansão do crédito no Brasil vai ser de 15,6%, puxada tanto pela procura acentuada de crédito das companhias como pela recuperação do crédito às famílias. Em meio à crise com o coronavírus, houve forte aampliaçãodo crédito com recursos direcionados, com taxas controladas pelo governo. Nos 11 meses de 2020, essa elevação foi de 14,2%, contra alta de 13,3% no crédito livre, no qual as instituições financeiras definem livremente as taxas. Para 2021, o BC calcula que o crescimento do crédito geral vai ser de 7,8%. Faz 1 mês, preço Em relação a o preço de os financiamentos, os juros médios recuaram ligeiramente em novembro, a %26,3 a o ano, contra %26,5 em o mês anterior, dado que considera somente o segmento de recursos livres. O spread, que mede a diferença entre a taxa de captação dos bancos e a cobrada a seus clientes, também reduziu 0,3 ponto no mesmo fase, a 21,2 pontos percentuais. Faz 2 meses, por sua vez, a inadimplência em recursos livres renovou a mínima histórica a %3, frente a %3,1.

Na segunda-feira 30 de novembro – O setor público brasileiro registrou superávit primário de 2,953 bilhões de reais em outubro, informou o Banco Central nesta segunda-feira, contrariando a expectativa de um déficit de 8,950 bilhões de reais do mercado, segundo pesquisa Reuters. Em 12 meses até outubro, o resultado primário era deficitário em 661,798 bilhões de reais, equivalente a 9,13% do Produto Interno Bruto . Ainda que o déficit nominal ficou em 30,924 bilhões de reais no mês passado, o BC informou , enquanto a dívida pública líquida encarnou 61,2 por cento do PIB.

O Conselho Monetário Nacional é um conselho, instituído pela Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964 como poder deliberativo máximo do sistema financeiro brasileiro, sendo responsável por expedir regras e diretrizes gerais para seu bom funcionamento.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: POSITIVE

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Governo diminui limitação à distribuição de resultado por instituições financeiras
>>>>>Estoque de crédito no Brasil sobe 2,0% em novembro e encosta em R$4 tri, diz BC – December 23, 2020 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>Projeções para inflação seguem em alta no Focus, mercado reduz previsão para câmbio – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 BC 0 0 ORGANIZATION 5 o BC: 3, O BC: 1, (tacit) ele/ela (referent: o BC): 1
2 esta 0 0 NONE 3 esta: 3
3 o Banco_Central 0 0 PLACE 3 o Banco_Central: 3
4 o maior de os seguintes valores 150 0 NONE 2 o maior de os seguintes valores: 2
5 Produto Interno Bruto 80 0 ORGANIZATION 2 o Produto_Interno_Bruto: 2
6 instituições 80 0 NONE 2 as instituições: 1, as instituições financeiras: 1
7 recursos 80 0 NONE 2 recursos direcionados: 1, recursos livres: 1
8 Conselho Monetário Nacional 50 0 ORGANIZATION 2 O Conselho_Monetário_Nacional: 2
9 Em 0 0 PERSON 2 Em: 1, (tacit) ele/ela (referent: Em): 1
10 autoridade 0 0 NONE 2 a autoridade monetária: 2