Por: SentiLecto

PAULO/BUENOS AIRES – O Ministério da Agricultura do Brasil disse estado de emergência fitossanitária para áreas de produção agrícolas no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina, devido a riscos de uma nuvem de gafanhotos que progride em território argentino, gerando temores de que os insetos possam chegar ao território brasileiro. A medida, publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira, veio após o Ministério da Agricultura informar na véspera que dados do governo de Argentina sinalizariam que a nuvem seguiria rumo ao Uruguai e que seria «pouco provável» sua chegada ao território brasileiro. Segundo o Serviço Nacional de Saúde da Argentina , a nuvem contém cerca de 40 milhões de insetos e, depois de entrar na Argentina pelo Paraguai no final de maio, encontra-se na província de Corrientes, perto das fronteiras com o Brasil, Uruguai e Paraguai. À Reuters o coordenador do Programa Nacional de Gafanhotos do Senasa, Héctor Medina declarou: «Estamos acompanhando o movimento da praga».Ele declarou que, devido à entrada de uma frente fria do sul, o movimento de gafanhotos seria lrestringidonos próximos dias. Se reproduzam, as baixas temperaturas «impedem que eles se movam e «, explicou Medina, adicionando que, embora o clima limite sua mobilidade a curto prazo, o vento vai poder eventualmente empurrar a nuvem de gafanhotos para um país vizinho. Enquanto isso, apesar do tamanho da nuvem, o Senasa e a Bolsa de Cereais de Buenos Aires mencionaram que os gafanhotos não provocaram grandes prejuízos às lavouras na Argentina. O chefe de Estimativas Agrícolas do BCBA, Esteban Copati declarou: «Por estamos mais preocupados com a umidade para o plantio de trigo, enquanto não é um problema do que gafanhotos». No entanto, a presença da praga ergueu preocupações no Brasil, onde um representante da associação de produtores de Aprosoja, no Rio Grande do Sul, declarou que havia temor de que gafanhotos entrassem no Estado, que está em período de plantio do trigo. O representante da cooperativa Copercampos em Santa Catarina Eugenio Hack declarou à Reuters que, sos produtores teriam que ser treinados para uutilizarprodutos químicos apropriados, que são diferentes dos uusadoshcom frequência e os gafanhotos chegarem ao Estado.»Meu avô lidou com gafanhotos há muitos anos. Os agricultores costumavam cavar valas no chão, cobrir os insetos com o terra e incendiá-los»,declaroue Hack. A portaria brasileira nesta quinta-feira assinalou que o estado de emergência visa a implementação de um plano de supressão da praga e a adoção de medidas emergenciais. O prazo da emergência fitossanitária vai ser de um ano, e diretrizes e medidas a serem adotadas ainda serão indicados em ato a ser assinado pela ministra Tereza Cristina, segundo o texto da medida. Brasil e Argentina estão entre os principais exportadores de soja e milho do mundo.

– Dados meteorológicos sobre a região Sul do Brasil mencionam que «é pouco provável até o presente momento» que a nuvem de gafanhotos que progride em território de Argentina escopo áreas no país, declarou o Ministério da Agricultura nesta quarta-feira, com base em informações do Serviço Nacional de Sanidade e Qualidade Agroalimentar da Argentina . A nuvem está seguindo para o sul argentino, em direção ao Uruguai, conforme a previsão inicial, adicionou a pasta em comunicado. Ainda assim, o governo de Brasil realçou que se conserva em estado de atenção. Um grupo de trabalho do Departamento de Sanidade Vegetal e Insumos Agrícolas da Secretaria de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura permanece em situação de alerta e mobilização, em conjunto com as equipes técnicas das Superintendências Federais, segundo a pasta. O alerta também está conservado nos órgãos estaduais de defesa agropecuária no Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina, assim como nas unidades de vigilância agropecuária do ministério localizadas na fronteira com o Rio Grande do Sul, região de maior risco. «Caso aconteçam mudanças climáticas favoráveis ao deslocamento da nuvem de gafanhotos, com base neste cenário, estão sendo trabalhadas estratégias passíveis de adoção para um eventual surto da praga no Brasil para o nosso país.» Desde 2015, a formação de nuvens desses insetos tem acontecido de maneira relativamente frequente nos países vizinhos bolivianos, Paraguai e Argentina, ainda de acordo com o ministério. Faz 82 anos, de a espécie Schistocerca cancellata, que compõe a nuvem presente em a Argentina em este momento, foram várias infestações, 1942 e 1946, de focos originários argentinos, alcançando os Estados do Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina e Minas Gerais. Com isso, o ministério está, entre outras medidas, trabalhando na elaboração de um manual de orientações com ações de controle da praga, direcionado aos produtores rurais e aos órgãos estaduais de defesa agropecuária e de extensão rural. A pasta informou na terça-feira que estava monitorando a nuvem de gafanhotos na Argentina.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY NEGATIVE

Countries: Brazil, Argentina

Cities: Rio Grande, Corrientes

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Brasil diz emergência em RS e SC por risco de praga de gafanhotos na Argentina
>>>>>É pouco provável no momento que nuvem de gafanhotos atinja o Brasil, diz governo – June 24, 2020 (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 gafanhotos 0 0 NONE 5 gafanhotos: 3, os gafanhotos: 2
2 nuvem 80 0 NONE 4 A nuvem: 1, a nuvem presente: 1, a nuvem: 2
3 a Argentina 0 0 PLACE 4 a Argentina: 4
4 pasta 0 0 NONE 4 A pasta: 2, a pasta: 2
5 nós 0 60 NONE 3 (tacit) nós: 3
6 o Brasil 105 0 PLACE 3 o Brasil: 2, (tacit) ele/ela (referent: Brasil): 1
7 Héctor Medina 0 0 PERSON 3 Ele (referent: Héctor_Medina): 1, Medina: 1, Héctor_Medina: 1
8 Uruguai 0 0 PLACE 3 o Uruguai: 3
9 a nuvem de gafanhotos 0 0 NONE 3 a nuvem de gafanhotos: 3
10 o Estado 0 0 PLACE 3 o Estado: 3