Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Ana Brnabic, July 3, 2018

Ana Brnabic pediu esta terça-feira ao seu homólogo australiano, Scott Morrison, um tratamento justo e respeito pelos direitos do tenista Novak Djokovic. Ana Brnabic é primeira-ministra de Sérrai.Ana Brnabic pediu esta terça-feira ao seu homólogo australiano, Scott Morrison, um tratamento justo e respeito pelos direitos do tenista Novak Djokovic, que ainda pode ser expulso daquele país, apesar da seu triunfo judicial. Ana Brnabic é a primeira-ministra de Sérrai.Se as negaram em os últimos dias, segundo um comunicado, Brnabic enfatizou na conversa telefónica o protagonismo das condições de treino e preparação física do tenista para o torneio que lhe.»Brnabic pediu ao seu homólogo australiano que faça tudo o que puder para que Djokovic tenha um tratamento humano e merecedor na Austrália», se o refere em a nota.A primeira-ministra pediu também uma troca direta de informações nos próximos dias entre os dois governos e declarou que a Sérvia está pronta para oferecer à Austrália todas as garantias.O tenista aterrou no aeroporto melanésio na quarta-feira na noite para participar no Open da Austrália, que decorre de 17 a 30 de janeiro. O tenista é número um mundial.que decorre de 17 a 30 de janeiro.Após a chegada, as autoridades de imigração revogaram o visto por, alegadamente, não ter satisfeito as exigências de entrada que procuram prevenir a propagação da covid-19 no país, apesar de uma isenção médica que lhe permitia entrar no país sem vacinação.O tenista ficou isolado até segunda-feira num hotel destinado a requerentes de asilo em condições que a sua família delatou como «desumanas».Mbora o Governo de Camberra argumentasse, a defesa de Djokovic, que se opõe à imunização ocompulsóriacontra a covid-19, aafirmaque o sde Sérrairecebeu uma avaliação por correio eletrónico do Departamento de Assuntos Internos australiano, na qual se imencionavaque este era elegível para entrar no país sem quarentena, e que tal não constituía uma garantia.O tenista foi, entretanto, libertado por um tribunal australiano, insistindo em disputar o Open da Austrália.O juiz Anthony Kelly ordenou ao Governo australiano a libertação do desportista, a devolução do passaporte e bens pessoais do sérvio, bem como o pagamento das despesas legais de Djokovic, que poderá assim disputar o Open da Austrália, mas o governo admitiu recorrer.A libertação de Djokovic reuniu centenas de apoiantes que rodearam a viatura que o transportava, obrigando a polícia a tentar dispersar a multidão.

Os advogados do Governo australiano perderam um recurso pedindo que uma audiência marcada para segunda-feira sobre a deportação do tenista de Sérrai Novak Djokovic fosse protelada para quarta-feira.Numa ordem publicada hoje, o Tribunal de Melbourne declarou que a audiência sobre a revogação do visto do jogador de ténis, que pode ser seguida online, vai ter lugar na segunda-feira às 10:00 , como pcalculadoOs advogados do Departamento de Assuntos Internos da Austrália pediram ao tribunal que atrasasse o processo até dois dias, mas o Juiz Anthony Kelly recusou o recurso.O pedido chega depois dos advogados do jogador de ténis terem arquivado um documento de 35 páginas no tribunal no sábado, afirmando que concedeu-se uma isenção médica a o tenista para entrar em a Austrália sem vacinação segundo os advogados, depois de, segundo os advogados, ter contraído covid-19 em dezembro passado.Os advogados alegam que Djokovic deu positivo para covid-19 em 16 de dezembro de 2021 e recuperou duas semanas depois.Na quinta-feira passada, a equipa jurídica do tenista pediu ao tribunal uma resposta definitiva sobre a deportação para esta terça-feira por razões de marcação do Open da Austrália, que se realiza em Melbourne entre 17 e 30 de janeiro.Djokovic chegou à Austrália na quarta-feira à noite com uma isenção médica que lhe permitiria defender o seu título de sem estar vacinado.A revogação do visto de Djokovic instituiu nervosismos diplomáticos entre a Austrália e a Sérvia.A disputa sobre as isenções médicas concedidas pela Federação Australiana de Ténis e pelo governo regional de Vitória, onde se realiza o Open da Austrália, levou o Executivo de Camberra a investigar permissões semelhantes concedidas a outras pessoas que participam no torneio em Melbourne, que decorre de 17 a 30 de janeiro.A vacina é compulsória para entrar na Austrália, mas existem isenções provisória para pessoas que tenham «uma condição médica grave», que não podem ser vacinadas porque contraíram covid-19 nos seis meses anteriores ou tiveram uma reação adversa ao remédio, entre outras razões.O primeiro-ministro Scott Morrison e a sua homóloga sérvia, Ana Brnabić consentiram, numa conversa telefónica, em conservar-se em contacto sobre o polêmico visto, declarou o salinha de Morrison.Os primeiros-ministros da Austrália e da Sérvia debateram esta terça-feira a questão do visto do tenista Novak Djokovic após este ganhar um combate judicial, mas enfrentar ainda a ameaça de deportação por não estar vacinado contra a covid-19.O drama da deportação bipolarizou as opiniões e suscitou um forte suporte no país do número um do ténis global, 20 vezes ganhador de torneios de Grand Slam, e que deseja disputar o Open da Austrália.O primeiro-ministro Scott Morrison e a sua homóloga sérvia, Ana Brnabić consentiram, numa conversa telefónica, em conservar-se em contacto sobre o polêmico visto, declarou o salinha de Morrison.A salinha de Morrison em comunicado informou: «O primeiro-ministro explicou a nossa política de fronteiras não discriminatória e o seu papel na proteção da Austrália durante a pandemia da covid-19». «Ambos consentiram em permanecer em contacto sobre a questão», adicionou.Brnabić pediu a Morrison para assegurar que a estrela do ténis fosse tratada com dignidade, informou a Rádio Televisão Pública da Sérvia.»O primeiro-ministro [sérvio] sublinhou especialmente o protagonismo das condições de treino e preparação física para a próxima competição, considerando que se autorizou Novak Djokovic não a treinar em os dias anteriores, e que o torneio em Melbourne inicia este fim de semana», noticiou a RTS.Djokovoc esteve num campo de ténis melanésio a treinar poucas horas após a sua triunfo judicial.»Estou satisfeito e grato por o Juiz ter invalidado o cancelamento do meu visto. Apesar de tudo o que ocorreu, desejo ficar e tentar competir no Open da Austrália. Conservo-me concentrado nisso», publicou Djokovic na rede social Twitter esta madrugada.»Voei para aqui para jogar num dos acontecimentos mais importantes que temos perante fantásticos fãs», adicionou.Contudo, Alex Hawke está a considerar exercer o seu poder para extraditar a estrela do ténis ao alojamento de uma legislação separada. Alex Hawke é o ministro da imigração australiano.A salinha de Hawke em comunicado declarou: «O ministro está atualmente a considerar o tema e o processo continua em curso».Um funcionário fronteiriço cancelou o visto de Djokovic no aeroporto melanésio na quinta-feira, horas depois de ter chegado à Austrália para competir no torneio.quando um juiz voltou a validar o seu visto, confinou-se Djokovic a um quarto de hotel de quarentena em Melbourne até segunda-feira mencionando erros processuais por parte dos funcionários fronteiriços em o aeroporto.O atleta de 34 anos, que não está vacinado, tinha recebido uma isenção médica da federação australiana de ténis – que coordena o torneio – das suas regras de vacinação para competir, porque o sérvio teria sido infetado com covid-19 no mês passado.Mas a Força Fronteiriça Australiana rejeitou-se a permitir-lhe uma isenção das normas nacionais de vacinação para os não-cidadãos que chegassem, afirmando que uma infeção nos seis meses anteriores era somente motivo para uma isenção de vacina nos casos em que o novo coronavírus provocou enfermidade grave.Há também novas questões sobre o pedido de entrada de Djokovic no país, após documentos divulgados pelo tribunal terem revelado que ele declarou às autoridades que não tinha viajado nos 14 dias anteriores ao seu voo para a Austrália.Djokovic, que tem residência em Monte Carlo, aterrou em Melbourne pouco antes da meia-noite de quarta-feira, respondendo «não» à pquestãosobre viagens anteriores no seu formulário australiano de Declaração de Viagem.se o filmou mas o atual campeão de o Open da Austrália a jogar ténis em as ruas de a capital sérvia Belgrado, em o dia de Natal, Belgrado, no dia de Natal, e a treinar em Espanha a 31 de dezembro – ambas as datas dentro da janela de 14 dias.Djokovic declarou aos oficiais de fronteira que a federação de Australia de ténis completou a declaração em seu nome, mas o culpado que cancelou notou ele o seu visto que a entidade esportiva o teria feito » com base em informações fornecidas por o titular de o visto «.Desde que cancelou-se o visto de Djokovic, a tenista checa Renata Voráčová e um dirigente de ténis europeu foram extraditados por razões semelhantes.O Governo conservador de Morrison culpou a federação de Australia de ténis, que os ministros acusam de iludi os jogadores sobre as exigências de vacinas da Austrália.Contudo, os jornais locais noticiaram que a federação pedira ao Departamento de Assuntos Internos para verificar a papelada de visto do Djokovic e de outros jogadores antes de embarcarem nas aeronaves. O setor não o fez.Declarou ter covid-19 para não se vacinar, esteve em acontecimentos públicos nessas datas e pediu a isenção médica fora do prazo. Tudo junto, pode falhar o Open da Austrália.Se até ontem era possível declarar-se que Novak Djokovic não estava a fazer batota, novas informações comprometem a veracidade da papelada exibida pelo jogador aos serviços de imigração do aeroporto melanésios, na passada quarta-feira. Conservando-se num quarto do hotel para refugiados, ficou em maus lençóis face a um conflito sanitário de datas: ou mentiu, ou esteve em acontecimentos públicos sabendo ter covid-19…Os seus advogados defendem que Djokovic ficou infetado no dia 16 de dezembro, sendo por isso impedido de vacinar-se – mesmo sabendo-se não ser em defesa de tal necessidade. Faz 19 dias, recebeu uma carta de a Tennis Austrália a conceder lhe o direito a uma isenção médica para jogar o torneio de o Grand Slam, precisamente por ter tido covid-19, em o dia 30, mas bastante fora do prazo estipulado a outros jogadores pela própria federação de ténis para requerimento de exames médicos independentes. A mais Crai Tiley regiu laconicamente: «Há denúncias e denúncias. Crai Tiley é este caso. A nossa equipa fez um trabalho inacreditável».Para apimentar o «Djokogate», foi tornado público o seu histórico nas redes sociais, mostrando que esteve em Belgrado, nesse dia 16, na apresentação do selo com a sua esfinge; no dia seguinte participou, na Novak Tennis Center, numa ação com dezenas de jovens. Dois antes de estar infetado, assistiu a um jogo de basquetebol da Euroliga; sem máscara, como todos os presentes. As desavenças entre governo, federação e defesa de Nole, vão estar amanhã em tribunal. Vai ser aberto ao público e promete.

Ana Brnabić é uma política de Sérraide Sérrai que é a 12ª e atual Primeira-ministra da Sérvia desde 29 de junho de 2017.

É o atual número 1 em simples do ranking global masculino de tênis e o primeiro jogador da história do tênis a passar a marca de US$ 100 milhões em faturamento com premiação por desempenho em quadra, o que o credencia a ser um dos melhores tenistas da história.

Fonte: ojogo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY POSITIVE

Countries: Australia

Cities: Melbourne

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Sérvia pede à Austrália que «Djokovic tenha um tratamento humano e dmerecedor
>>>>>Advogados do Governo australiano perdem recurso para adiar decisão sobre Djokovic – (ojogo-pt)
>>>>>Austrália e Sérvia discutem visto de Djokovic, mantém-se ameaça de deportação – (ojogo-pt)
>>>>>Djokovic pode estar em maus lençóis: ou mentiu, ou esteve em eventos sabendo ter covid-19 – (ojogo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 Djokovic 80 50 PERSON 14 (tacit) ele (referent: Djokovic): 2, (tacit) ele/ela (referent: Djokovic): 3, Djokovic: 9
2 eu 370 120 NONE 11 (tacit) eu: 11
3 Ana Brnabic 0 0 PERSON 7 Brnabic: 2, Ana_Brnabic (apposition: primeira-ministra sérvia): 1, Ana_Brnabic (apposition: A primeira-ministra sérvia): 1, (tacit) ele (referent: Brnabic): 1, (tacit) ele/ela (referent: Brnabic): 2
4 australiano 0 0 NONE 7 seu homólogo australiano: 3, australiano: 4
5 tribunal 50 0 NONE 6 tribunal: 1, o tribunal: 4, um tribunal australiano: 1
6 Melbourne 0 0 PLACE 6 Melbourne: 6
7 a Austrália 0 0 PLACE 6 a Austrália: 6
8 Ana Brnabić 90 0 PERSON 5 Ana_Brnabić: 3, (tacit) ele/ela (referent: Brnabić): 1, Brnabić: 1
9 Departamento de Assuntos Internos 0 0 ORGANIZATION 5 (tacit) ele/ela (referent: o Departamento_de_Assuntos_Internos): 3, o Departamento_de_Assuntos_Internos: 1, o (referent: o Departamento_de_Assuntos_Internos): 1
10 isenção 0 0 NONE 5 a isenção médica: 1, uma isenção médica: 4