Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Logotipo UNIFESP

PAULO/BRASÍLIA – A Agência Nacional de Vigilância Sanitária informou nesta quarta-feira que os testes com a potencial vacina contra Covid-19 desenvolvida em parceria pela AstraZeneca com a Universidade de Oxford, no Reino Unido, serguirão após a morte de um voluntário que participava do estudo. A Universidade Federal de São Paulo que organiza os testes com a potencial vacina em o Brasil de o voluntário informou a morte ,. Se o voluntário tomou a potencial vacina ou um placebo, divulgaram-se outros detalhes não como, por exemplo. O jornal O Globo, que , alegou que obteve com fontes ligadas ao estudo internacional com a vacina que o voluntário tomou o placebo, , entretanto confirmou-se essa informação não oficialmente. Em nota, Anvisa declarou que se a informou de a morte de o voluntário que recebeu dados de os inquéritos sobre o caso que está sendo realizada por o Comitê Internacional de Avaliação de Segurança ., que está sendo realizada pelo Comitê Internacional de Avaliação de Segurança. «É importante evidenciar que, com base nos compromissos de confidencialidade ética calculados no protocolo, as agências reguladoras envolvidas recebem dados parciais referentes àoiinquéritorrealizadopor esse comitê, que spropôspelo prosseguimento do estudo. Assim, o processo permanece em avaliação», declarou a Anvisa. O Ministério da Saúde firmou acordo com a AstraZeneca para compra de doses do imunizante e para a posterior produção local da vacina pela Fundação Oswaldo Cruz . O governo federal editou uma medida provisória liberando 1,9 bilhão de reais para estes fins. Mais cedo, o presidente Jair Bolsonaro revogou resolução tomada na véspera pelEduardo Pazuello de assinar protocolo de intenções para a compra de doses da potencial vacina da de China Sinovac, que está sendo testada pelo Instituto Butantan Eduardo Pazuello é o ministro da Saúde. que está sendo testada pelo Instituto Butantan, e para a inclusão da vacina de China no Programa Nacional de Imunização caso ela seja aprovada pela Anvisa. Faz 1 mês, os testes com a potencial vacina Oxford-AstraZeneca haviam sido e não explicada em um voluntário em o Reino Unido. Recomeçou-se o estudo posteriormente em o Reino Unido, em o Brasil e em outros países, mas ainda não voltou a ser realizado nos Estado Unidos. Na terça-feira fontes declararam à Reuters que os testes com a vacina podem ser rrecomeçadosnesta semana nos EUA após a agência reguladora do país cdeduzisua análise sobre o caso do voluntário no Reino Unido.

– O presidente Jair Bolsonaro declarou nesta segunda-feira que o país que oferece uma vacina contra Covid-19 ao Brasil primeiro precisa vacinar em massa sua população, ao fazer uma aparente referência à CoronaVac, potencial imunizante desenvolvido pela cde ChinaSinovac, que está sendo testada em estudo liderado pelo Instituto Butantan, do governo do Estado de São Paulo. Sem indicar diretamente João Doria Bolsonaro declarou que tem um governador que deseja ser «médico do Brasil» e declarou que vai aplicar-se qualquer vacina só em a população de Brasil se houver comprovação científica de sua efetividade. João Doria é o nome do governador de São Paulo.»Tem que ter comprovação científica. O país que está oferecendo essa vacina tem que primeiro vacinar em massa os seus antes de oferecer para outros países», declarou Bolsonaro a apoiadores ao deixar o Palácio da Alvorada nesta manhã. «Muita coisa assim você só consegue vender para outros países depois de utilizar em seu país e comprovar sua efetividade», adicionou. Na semana passada, Doria declarou que o Butantan tem que entregar nesta segunda à Agência Nacional de Vigilância Sanitária os dados dos testes com a CoronaVac, que estão sendo feitos em cerca de 13 mil voluntários no Brasil. Ele tem alegado que deseja que a vacina, uma vez aprovada pela Anvisa, ingresse no Programa Nacional de Imunização do Ministério da Saúde, mas ainda não houve acordo neste sentido. Doria alega que, caso a vacina não seja incluída no programa nacional, vai vacinar a população de São Paulo. Reuniões estão marcadas para Brasília na próxima quarta-feira entre Doria e outras autoridades do governo paulista com o ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, e com representantes da Anvisa. Bolsonaro, que é oponente político de Doria, a quem vê como potencial oponente na disputa presidencial de 2022, reiterou que a vacinação contra a Covid-19 não vai ser compulsória, depois de o governador de São Paulo alegar que seria no Estado. «Quem define isso é o Ministério da Saúde. O meu ministro da Saúde já declarou bem claramente que não vai ser compulsória essa vacina», declarou Bolsonaro. «Tem um governador aí que está se intitulando médico brasileiro, que está declarando que ela vai ser compulsória. Eu repito: não vai ser. Nossa parte depois de aprovada pelo Ministério da Saúde, com comprovação cientifica Nossa parte quando estiver em condições, é a vacinação., e mesmo assim ela tem que ser validada pela Anvisa, aí nós vamo oferecer de maneira gratuita. Mas repito, não vai ser compulsória.» – O presidente Jair Bolsonaro alegou mais uma vez nesta segunda-feira que o Ministério da Saúde não vai obrigar ninguém a tomar uma vacina contra Covid-19. Olsonaro, em solenidade de anúncio de um estudo clínico de um remédio para o tratamento a Covid-19. isse: «Qualquer vacina aqui no Brasil deve ter comprovação científica e tem que ser aprovada pela Anvisa e isso não é à toque de caixa»,.»O Ministério da Saúde não vai obrigar ninguém a tomar vacina», reforçou, após mencionar uma lei de 1975 que indica essa não obrigatoriedade. O presidente não mencionou nominalmente o nome do governador de São Paulo, João Doria , que trabalha para garantir a imunização da vacina chinesa da Coronavac –o governo federal aposta na vacina britânica da Universidade de Oxford. Bolsonaro declarou que «a pessoa está se arvorando e levando a consternação perante à opinião pública». Se a adquirirá, o presidente Jair Bolsonaro alegou nesta quarta-feira que a vacina contra o novo coronavírus produzida na China » não» pelo governo de Brasil. Se publicou a mensagem em uma rede social, em resposta a uma observação crítica a o anúncio de o Ministério da Saúde de que tem a intenção de comprar 46 milhões de doses de a Coronavac.

Na terça-feira 13 de outubro – A Agência Nacional de Vigilância Sanitária confirmou que foi comunicada pela farmacêutica Janssen-Cilag, unidade da Johnson & Johnson, sobre a suspensão dos testes com uma potencial vacina contra a Covid-19, também sendo estudada no Brasil, devido a um conseqüência adverso em um voluntário no exterior. «Maiores detalhes sobre o acontecimento e o estado de saúde do voluntário permaneciam em sigilo. O estudo continuaria suspendido até que haja inquérito de causalidade por parte do Comitê Independente de Segurança, como parte dos procedimentos de Boas Práticas Clínicas», informou a Anvisa em nota. «No Brasil, a inclusão do primeiro voluntário no estudo aconteceu em 9 de outubro e novas inclusões só quando houver autorização da Anvisa, que procederia com a análise dos dados do inquérito, poderiam acontecer que procederia com a análise dos dados do inquérito e decidiria pela permanência ou interrupção permanente do estudo clínico, com base nos dados de segurança e avaliação risco/benefício.» Mais cedo, a Johnson & Johnson anunciou a suspensão dos testes com a potencial vacina devido a uma enfermidade incompreensível em um participante do estudo, protelando um dos esforços mais promissores para conter a pandemia mundial. A medida vinha cerca de um mês depois de a AstraZeneca também interromper testes clínicos de sua vacina experimental contra coronavírus, que utilizava uma tecnologia semelhante, devido ao adoecimento de um participante. Seu teste nos Estados Unidos ainda estava suspenso à espera de uma análise regulatória, embora os testes da AstraZeneca no Reino Unido, Brasil, África do Sul e Índia tenham rretomadodesde então.

A Universidade Federal de São Paulo é uma instituição de ensino superior pública de Brasil localizada no estado de São Paulo, sendo uma das três universidades federais do estado, ao lado da Universidade Federal de São Carlos e a Universidade Federal do ABC .

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: POSITIVE

Countries: United Kingdom, United States, Brazil

Cities: Oxford

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Anvisa declara que testes com vacina de Oxford seguem após morte de voluntário
>>>>>País que oferece vacina ao Brasil tem primeiro de vacinar em massa sua população, diz Bolsonaro – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Ninguém pode obrigar em hipótese alguma as pessoas a tomar vacina contra Covid-19 , diz Bolsonaro – (Extraoglobo-pt)
>>>>>‘Não será comprada’, diz Bolsonaro sobre vacina chinesa – October 21, 2020 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>SP não vai politizar vacina contra Covid-19 e espera o mesmo do governo federal, diz Doria – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 Jair Bolsonaro 105 50 PERSON 20 (tacit) ele/ela (referent: O presidente Jair_Bolsonaro): 3, O presidente Jair_Bolsonaro: 3, ela (referent: Bolsonaro): 2, (tacit) ele/ela (referent: Bolsonaro): 6, Bolsonaro: 5, o presidente Jair_Bolsonaro: 1
2 vacina 235 0 NONE 15 uma potencial vacina: 1, a vacina chinesa: 1, qualquer vacina: 1, essa vacina: 2, a potencial vacina: 2, a vacina: 6, uma vacina: 1, Qualquer vacina: 1
3 João Doria 0 0 PERSON 9 Ele (referent: Doria): 1, João_Doria (apposition: o nome de o governador de São_Paulo): 3, Doria: 3, (tacit) ele/ela (referent: Doria): 2
4 Anvisa 0 0 ORGANIZATION 8 a Anvisa: 8
5 o Brasil 0 80 PLACE 7 o Brasil: 7
6 Ministério da Saúde 0 0 ORGANIZATION 6 O Ministério_da_Saúde: 2, o Ministério_da_Saúde: 4
7 estudo 60 50 NONE 5 o estudo: 1, o estudo internacional: 1, estudo liderado: 1, O estudo: 2
8 voluntário 300 0 NONE 5 um voluntário: 1, o voluntário: 4
9 eu 25 0 NONE 5 (tacit) eu: 4, Eu: 1
10 país 0 0 NONE 4 O país: 2, o país: 2