Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Renato Casagrande em janeiro de 2019 (recorte)

Renato Casagrande consentiu com um post do subsecretário de Políticas Sobre Drogas capixaba, Carlos Lopes, no qual declarava que «quando esteve no poder, o PT, que quando esteve no poder fez coalizão até com satanás, agora vem desejar regular quem o governador recebe , fez coalizão até com satanás». Renato Casagrande é o governador do Espírito Santo. A afirmação de Lopes acontece em um contexto no qual Casagrande vem sendo criticado por petistas por ter recebido o pré-candidato à presidência da República pelo Podemos, Sérgio Moro, na residência oficial do estado. PSB e PT negociam uma federação que teria o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como candidato ao Planalto.? Me poupem desse falso moralismo ou puritanismo ideológico!», escreveu Carlos Lopes. Casagrande respondeu a postagem : » Boa afirmação , amigo ! «.

PAULO. A Gleisi Hoffmann acredita que o encontro entre o governador do Espírito Santo, Renato Casagrande Gleisi Hoffmann é presidente do PT. , e o ex-juiz Sergio Moro torna mais difícil as negociações com o PSB para formação de uma federação. O ex-juiz Sergio Moro é pré-candidato na Presidência da República pelo Podemos.— Achei bastante ruim o fato de o Casagrande ter se encontrado com o Moro. Você não serve a dois senhores — alegou Gleisi. O encontro está calculado para ocorrer neste sábado. Indagada se a reunião inviabiliza a coalizão entre PT e PSB, Gleisi respondeu: — Não. Mas realmente torna a coisa mais azeda, mais difícil. O PSB deseja que o PT apoie a reeleição de Casagrande no Espírito Santo. O governador afirma que o Podemos faz parte de seu governo e que vai conversar com Moro como também conversou com outros presidenciáveis, como Ciro Gomes .Horas depois, França foi ao Twitter reafirmar sua candidatura e escreveu que “foguete não tem ré”.— Aí sim veremos quem tem mais possibilidades — declarou Siqueira.

Na terça-feira 25 de janeiro — Carlos Siqueira questionava o argumento de que as pesquisas eleitorais tinham que nortear a escolha dos candidatos nos estados em meio nas negociações com o PT. Carlos Siqueira é o presidente nacional do PSB.Nretrasada, a Gleisi Hoffmann declarou que os levantamentos teriam que servir de parâmetro para selecionar o candidato a governador de São Paulo. Gleisi Hoffmann é presidente do PT. O próprio Lula falou sobre isso semana passada. Uma nova reunião entre dirigentes dos dois partidos devia acontecer nesta quarta-feira. Em São Paulo, no cenário sem o ex-governador Geraldo Alckmin, o ex-prefeito Fernando Haddad liderava as pesquisas, seguido pelo ex-governador Márcio França. Os socialistas declaravam que já disseram que estariam ao lado dos candidatos do PT na Bahia, Rio Grande do Norte, Piauí e Sergipe que, segundo Siqueira, não lideravam as pesquisas de intenção de voto em seus estados. — Diferentemente do PT, o PSB não estava esperando resultado de pesquisa, já dizíamo suportes nesses estados. E da parte deles não tem sinalização nenhuma. Não estávamo pedindo concessão. Se tratava de reciprocidade — alegava Siqueira. Coordenador das candidaturas proporcionais do PSB em São Paulo e filho de Márcio França, o deputado estadual Caio França afirma que França tem menos rejeição nas pesquisas de intenção de voto e que, caso seja o candidato, pode dar a Lula um eleitorado que o petista não tem acesso no campo da centro-direita. O deputado admitia que as pesquisas podiam ser o critério que norteie a resolução, mas desde que testem os candidatos separadamente. — A gente defendia a candidatura porque com o França o Lula passava a dialogar com um eleitorado que não tem acesso hoje, que era difícil para o PT, como policiais, por exemplo. insistiremos com isso até o limite — alegava Caio, que ainda adicionava: — Se estávamo debatendo um cenário de unificação tinha que fazer pesquisas separadas, não adiantava testar os candidatos no mesmo cenário. E o principal ativo era o segundo turno, não o primeiro. A gente confiava bastante na tratativa governada pelo Siqueira que tem sido incisivo na defesa das candidaturas do PSB. E estávamo confiantes nos nossos argumentos e com o desprendimento de saber que é uma disputa. Os socialistas sabiam que não teriam tudo o que desejavam do PT. Siqueira avaliava que poderia desistir do suporte do PT nos outros estados, mas tem sublinhado que não cederia em São Paulo e Pernambuco, onde o partido comandava o governo local há 16 anos. Em Pernambuco, o PT arremessou o o senador Humberto Costa após o Geraldo Júlio desistir da disputa estadual Geraldo Júlio é o ex-prefeito de Recife., mas já consentiu em apoiar o nome socialista.

José Renato Casagrande é um engenheiro florestal político de Brasil e atual governador do estado do Espírito Santo. Um engenheiro florestal é bacharel em Direito.

Enquanto Lula já acenou com o nome de Fabiano Contarato como possível nome para dirigi uma chapa, o PSB capixaba aposta na reeleição de Casagrande. Enquanto a questão não é resolvida e o martelo não é batido quanto à possível federação, o encontro do governador do Espírito Santo com o ex-juiz federal gerou dmal-estarno diretório estadual do PT.

— Infelizmente foi um gesto ruim, sobretudo pelo fato de Casagrande ser um dirigente histórico do PSB, com quem o PT dialoga uma agenda para o país — alegou.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: NEUTRAL

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Casagrande, do PSB, endossa post que declara que ‘PT fez coalizão até com satanás’
>>>>>Presidente do PT diz que encontro de governador com Moro torna negociação com PSB ‘azeda’ – (Extraoglobo-pt)
>>>>>PT e PSB têm nova reunião para destravar federação, em meio ao acirramento das tensões – February 10, 2022 (Extraoglobo-pt)
>>>>>Para destravar aliança PT-PSB, Alckmin atua para resolver impasse entre Haddad e França em SP – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 Carlos Siqueira 0 12 PERSON 10 o Siqueira: 2, Siqueira: 4, Carlos_Siqueira (apposition: O presidente nacional de o PSB): 1, (tacit) ele/ela (referent: Siqueira): 3
2 PT 4 50 ORGANIZATION 9 (tacit) ele/ela (referent: o PT): 1, o PT: 7, PT: 1
3 José Renato Casagrande 0 60 PERSON 7 Renato_Casagrande: 1, (tacit) ele/ela (referent: Renato_Casagrande): 2, José_Renato_Casagrande: 1, Casagrande: 2, Renato_Casagrande (apposition: O governador de o Espírito_Santo): 1
4 nós 0 0 NONE 7 (tacit) nós: 7
5 PSB 0 0 ORGANIZATION 6 PSB: 1, o PSB: 3, O PSB: 2
6 Gleisi Hoffmann 0 0 PERSON 4 Gleisi: 2, Gleisi_Hoffmann (apposition: presidente de o PT): 2
7 estados 0 0 NONE 4 seus estados: 1, esses estados: 1, os estados: 1, os outros estados: 1
8 pesquisas 0 0 NONE 4 as pesquisas eleitorais: 1, pesquisas separadas: 1, as pesquisas: 2
9 socialistas 0 0 NONE 3 Os socialistas: 3
10 eu 0 90 NONE 2 Me: 1, (tacit) eu: 1