Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – BRAlogo1

Circula pelas redes sociais uma mensagem que declara que a utilização de máscaras pode levar à privação de oxigenação do cérebro e, consequentemente, cprovocardprejuízosneurológicos irreversíveis. É #FAKE.

Atribui-se a mensagem a uma neurologista de Alemania. O texto declara que «a nova respiração do ar exalado vai ir, com certeza, instituir deficiência de oxigênio e uma enchente de dióxido de carbono» e que «o cérebro humano é bastante sensível à privação do oxigênio». Várias agências de checagem, como a Reuters e a AFP, já desmentiram o vídeo da médica.

Segundo a infectologista e professora da Universidade de Campinas Raquel Stucchi, as afirmações são falsas porque a utilização de máscara não impede que haja troca de gases. Assim, tanto o dióxido de carbono consegue ser liberado como o oxigênio consegue ser inspirado. Não há, portanto, privação de oxigenação. «O ar que a gente expira passa pela máscara. A gente não está respirando em um saco plástico, por exemplo. As máscaras mencionadas para conter a Covid-19 têm material respirável», explica.

De acordo com Daniel Martins-de-Souza, professor e neurocientista da Unicamp, não existem estudos científicos que assinalem prejuízos provocados pela utilização prolongada da proteção. «Estudos realizados durante a pandemia de Covid-19 viram que não existe mudança expressiva da absorção de oxigênio nem tampouco qualquer problema provocado pela presença de mais CO2 entre a boca e o nariz. Realmente existe uma concentração maior de dióxido de carbono no espaço da máscara do que no ar. Mas isso não quer dizer que é uma quantidade que vai provocar problemas», alega.

«As moléculas de CO2 e de oxigênio são entes minúsculos, portanto o ar não fica preso e não encontra obstáculo de passar pela máscara. O vírus é uma partícula infinitamente maior do que uma molécula de oxigênio ou dióxido de carbono. Assim, ela é capaz de proteger», declara Martins.

O que pode ocorrer, segundo o expert, é que as pessoas tenham a sensação de não respirar direito enquanto utilizam a máscara devido à falta de ctradiçãoe, por isso, sintam incômodo ao uutilizarlas inicialmente. Depois de algum tempo, corpo se acostuma, declara.

Se removeu o vídeo em que a médica aparece fazendo as falsas afirmações sobre a utilização de máscara de as redes sociais. No YouTube, links compartilhados nas redes sociais mostram que removeu-se o vídeo «por violar os termos de serviço» da plataforma. Mas há cópias do vídeo no Facebook, traduzidos para outros idiomas e postados por contas de terceiros, ainda disponíveis.

O vídeo mostra, na verdade, um alvoroço provocado em Port Harcourt, na Nigéria, após confronto entre alunos. Houve, na ocasião, a utilização de uma granada de gás lacrimogêneo. Alunos ficaram feridos.

Na segunda-feira 08 de março circulava pelas redes sociais um vídeo em que uma mulher declarava, em português, que mais de 500 pessoas faleceram após tomar a vacina contra o novo coronavírus e que outras 11 mil tiveram alguma espécie de reação adversa no fase de 45 dias. «501 pessoas faleceram após tomar a vacina contra Covid», declarava A legenda do vídeo. era #FAKE.

O Ministério da Saúde, no Brasil, corresponde ao setor governamental culpado pela gestão e manutenção da Saúde pública do país.

O Ministério da Saúde no Brasil também recomenda que todas as pessoas se protejam com máscaras. O órgão declara: «O uso impede a disseminação de gotículas expelidas do nariz ou da boca do usuário no ambiente, garantindo um obstáculo físico que vem ajudando na mudança de conduta da população e na redução de casos».

Faz 1 ano, em o Brasil, o Supremo Tribunal Federal decidiu, por dez votos a um, que a vacina contra o coronavírus é compulsória, e que estados, Distrito Federal e municípios também têm autonomia para estabelecer normas para a imunização. Para os ministros, vacinação compulsória não é vacinação ‘forçada’. Eles compreenderam que medidas restritivas são necessárias porque a saúde coletiva não pode ser prejudicada por uma resolução individual.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: NEGATIVE

Countries: Brazil

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>É #FAKE que máscaras podemprovocarrprejuízoss neurológicos irreversíveis
>>>>>É #FAKE que vídeo mostre crianças fugindo de vacinação forçada na África – March 18, 2021 (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 vídeo 0 0 NONE 6 o vídeo: 1, O vídeo: 3, um vídeo: 2
2 redes 0 0 NONE 4 as redes sociais: 4
3 pessoas 0 70 NONE 3 501 pessoas: 1, as pessoas: 1, pessoas: 1
4 mensagem 160 0 NONE 3 A mensagem: 1, uma mensagem: 2
5 Ministério da Saúde 0 0 ORGANIZATION 3 (tacit) ele/ela (referent: O Ministério_da_Saúde): 1, O Ministério_da_Saúde: 2
6 ar 0 0 NONE 3 o ar: 1, O ar: 2
7 estudos 0 0 NONE 3 Estudos realizados: 1, estudos científicos: 2
8 o Brasil 0 0 PLACE 3 o Brasil: 3
9 afirmações 70 160 NONE 2 as afirmações: 1, as falsas afirmações: 1
10 vacinação 20 90 NONE 2 vacinação forçada: 1, vacinação obrigatória: 1