Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Olavo de Carvalho em 2013

— Em testemunho prestado à Polícia Federal, o guru bolsonarista Olavo de Carvalho negou ter «influência» no governo do presidente Jair Bolsonaro e ddeclarouque «não se considera uma autoridade intelectual do governo federal». Se escutou o filósofo dentro do investigação que apura a existência de milícias digitais bolsonaristas, sob suspeita de ser um de os incentivadores de atos antidemocráticos. Olavo de Carvalho, entretanto, buscou se distanciar dos bolsonaristas e negou ter relações próximas com eles. «Somente conversou com Jair Messias Bolsonaro em 4 ocasiões, sendo 3 via telefone, com duração de cerca de 2 minutos cada ligação, por motivo de data festiva ou congratulações, e uma presencialmente na Embaixada do Brasil nos EUA», alegou. Questionado se incentivou ataques às instituições, Olavo negou. Em seu testemunho pediu: «Requer que seja registrado que inclusive publicou livro em que condena expressamente a ideia de intervenção militar». Quando estava sendo procurado para prestar testemunho, a Polícia Federal detectou que o guru bolsonarista deixou o Brasil de maneira irregular em novembro do ano passado, e adquiriu passagens aéreas para Miami em dinheiro vivo. Após escapar da clínica onde estava internado, ele teria saído do Brasil pela fronteira com o Paraguai. De lá, pegou um voo para os Estados Unidos. Os registros da clínica onde Olavo de Carvalho estava internado em São Paulo registram como motivo da alta médica: «evasão do paciente». Na ocasião, sua defesa afirmou à PF que não poderia prestar dtestemunhoporque estava com problemas de saúde. A PF escreveu: «Diante da ausência de registro de saída nos sistemas da Polícia Federal, verificou-se que Olavo de Carvalho e sua esposa Roxane Andrade saíram do país de maneira irregular, visto que realizaram-se os procedimentos de imigração não junto a os postos de a Polícia Federal». Escutado em testemunho, Olavo de Carvalho declarou que saiu do Brasil porque «recebeu um convite de um estudante de Paraguay, chamado Pedro, não sabendo informar o sobrenome». Perguntado pela PF sobre «qual o motivo de escapar do hospital», Olavo respondeu que «não escapou do hospital, somente resolveu aproveitar o convite de Pedro para viajar para Assunção». Outro ponto do testemunho gerou nervosismo. O guru bolsonarista declarou que adquiriu as passagens aéreas para Miami diretamente no balcão do aeroporto de uma empresa aérea, pagando do seu bolso em dinheiro vivo, mas a PF rastreou que sua esposa adquiriu as passagens em uma agência de turismo , também com dinheiro em espécie. Ao ser confrontado, ele mudou a versão. Ao final do seu relato, Olavo de Carvalho pediu o vocábulo e desejou se desvincular da chamada salinha da Animosidade, milícia digital bolsonarista que faz ataques às instituições democráticas e a desafetos. «Gostaria de registrar que se existe uma salinha da Animosidade, este atua contra o declarante. foram publicadas diversas notícias que agrediram a honra do declarante e devido à grande quantidade de notícias falsas, ficou impossibilitado de se defender», aalegou

— Não vou declarar que meu governo não tem corrupção, porque a gente não sabe. Meu governo, a gente investigará aí, se tiver qualquer problema no. Eu não posso dar conta de mais de 20 mil servidores comissionados, ministérios com mais de 300 mil funcionários. A grande maioria são pessoas honestas — declarou Bolsonaro, em conversa com apoiadores no Palácio da Alvorada.O presidente Jair Bolsonaro alegou nesta segunda-feira que não pode garantir que não há corrupção em seu governo, porque não pode «dar conta de mais de 20 mil servidores comissionados». Bolsonaro declarou, contudo, que a grande maioria de servidores são honestos e que, se se o vai investigar surgir » qualquer problema «, .A investigação contra Jair Renan tramita na Superintendência da PF no Distrito Federal. Para dar prosseguimento ao caso, a PF requereu o compartilhamento de informações obtidas na investigação das milícias digitais, que tramita no Supremo Tribunal Federal , sobre o empresário Allan Gustavo Lucena, que é próximo de Jair Renan e já foi seu personal trainer.A investigação contra Jair Renan tramita na Superintendência da PF no Distrito Federal. Para dar prosseguimento ao caso, a PF requereu o compartilhamento de informações obtidas na investigação das milícias digitais, que tramita no Supremo Tribunal Federal , sobre o empresário Allan Gustavo Lucena, que é próximo de Jair Renan e já foi seu personal trainer.

Na terça-feira 23 de novembro — A Polícia Federal indiciou o homem responsável por publicação que agredia o senador Fabiano Contarato e seu filho. Faz 1 mês, Giovani Loureiro divulgou em o Facebook a postagem. A publicação trazia uma fotografia do senador com o filho na praia de Vila Velha e chamava Contarato de “infeliz” e “sem desonra”, além de afirmar que o parlamentar estava com o filho para fazer “marketing”. Concluiu-se o inquérito segundo nota de a PF mandada a o senador, já e Loureiro foi indiciado por crime de insulto qualificado por ter funções, além do crime sido cometida contra funcionário público, em razão de suas ter em a internet . sido cometido ou divulgado na internet. Divulgou-se a publicação foi amplamente divulgada em as redes sociais e levou o senador a prestar testemunho em a PF e registrar boletim de ocorrência.Contarato afirmou que foi vítima de crime de Animosidade e discriminação. Se instaurou a investigação em a Superintendência da Polícia Federal em o Espírito Santo. Trecho do termo de declaração do senador. declarava: «O conteúdo da postagem recebida pelo declarante provocou-lhe extrema indignação, mal-estar familiar, caracterizando, no mínimo, crime de Animosidade e discriminação contra a pessoa deste Senador da República e de seu filho Gabriel». Na última quinta-feira, Giovani Loureiro alegou se arrepender “profundamente” de ter feito a publicação. «Eu me arrependia profundamente de ter feito isso. Realmente me arrependia, eu não sabia que ia ter uma repercussão tão grande assim. Aquela postagem foi sobre ele, única e exclusivamente como político, não tem nada a ver com a pessoa dele. Não tinha nada a ver com a criança, nada de cunho homofóbico, mas recebeu uma proporção tão enorme que até ameaçava estava recebendo. Inclusive, na praia, eu não fui até ele justamente em respeito ao filho dele», comentou Giovani ao jornal A Gazeta. Em nota repassada à assessoria do senador, a PF explicou que “ddiante da confissão e arrependimento expresso de o investigado em relação a sua postagem , dispensou a evidência digital a busca e a oitiva de testemunhas , restando a o delegado a análise de aosccomportamentosccriminososppercebidosem a referida em a postagem. A polícia também relatou que se indiciou o investigado por os crimes de insulto, crime contra funcionário público em razão de suas funções e por crime cometido ou divulgado em quaisquer modalidades das redes sociais da rede global de computadores.

Olavo Luiz Pimentel de Carvalho Gcrb é um ensaísta de Brasilde Brasil que foi jornalista e astrólogo. Um ensaísta de Brasil é influenciador digital.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: NEGATIVE

Countries: United States, Brazil

Cities: Sao Paulo, Miami

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Olavo de Carvalho nega influência no governo e declara ser contra intervenção militar, em testemunho à PF
>>>>>Bolsonaro diz que não pode garantir que não há corrupção em todo o governo federal – (Extraoglobo-pt)
>>>>>PF pede novas provas para investigação contra Jair Renan, filho 04 de Bolsonaro – December 07, 2021 (EntretenimientoBit)
>>>>>PF pede compartilhamento de informações para investigação sobre Jair Renan – December 07, 2021 (EntretenimientoBit)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 Olavo de Carvalho 0 6 PERSON 12 (tacit) ele/ela (referent: Olavo_de_Carvalho): 2, bolsonarista Olavo_de_Carvalho: 1, (tacit) ele/ela (referent: Olavo_Luiz_Pimentel_de_Carvalho_Gcrb): 1, (tacit) ele/ela (referent: Olavo): 1, Olavo_Luiz_Pimentel_de_Carvalho_Gcrb: 1, Olavo: 2, Olavo_de_Carvalho: 4
2 PF 0 0 ORGANIZATION 10 a PF: 7, (tacit) ele/ela (referent: a PF): 2, a PF enviada: 1
3 eu 75 0 NONE 8 (tacit) eu: 2, Eu: 2, eu: 2, me: 2
4 Federal 30 0 PERSON 7 (tacit) ele/ela (referent: A Polícia_Federal): 3, a Polícia_Federal: 2, A Polícia_Federal: 2
5 Giovani Loureiro 160 0 PERSON 6 Giovani: 1, ele (referent: Giovani_Loureiro): 1, (tacit) ele/ela (referent: Giovani_Loureiro): 2, Giovani_Loureiro: 2
6 Jair Bolsonaro 0 0 PERSON 6 (tacit) ele/ela (referent: O presidente Jair_Bolsonaro): 1, Bolsonaro: 2, O presidente Jair_Bolsonaro: 1, (tacit) ele (referent: Bolsonaro): 1, (tacit) ele/ela (referent: Bolsonaro): 1
7 inquérito 0 0 NONE 6 inquérito: 2, a investigação: 1, O inquérito: 3
8 publicação 0 0 NONE 5 publicação: 2, a publicação: 1, A publicação: 2
9 postagem 60 0 NONE 4 Aquela postagem: 1, a postagem: 1, A postagem: 1, sua postagem: 1
10 Jair Renan 0 0 PERSON 4 Jair_Renan: 4