Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Roberto Dias Branco (1963)

– A Polícia Federal abriu investigação para investigar se o ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde, Roberto Dias, que a investigação irá tramitar em Brasília, no Serviço de Inquéritos , pediu propina em uma negociaçao paralela de venda de vacinas feita por um vendedor ligado à ecompanhiaDavati Medical Supply, o pde Polinesia Francesamilitar Luiz Paulo Dominghetti. Também tramitam no Sinq a investigação sobre possíveis anormalidades na compra da Covaxin e sobre suspeita de prevaricação do presidente Jair Bolsonaro no caso Covaxin. Dominghetti de propina de Roberto Dias relatou o suposto pedido em entrevista a o jornal Folha de S. Paulo e em a CPI da Covid.A companhia Davati Medical Supply se exibia como intermediadora da venda da vacina AstraZeneca e fez uma oferta de 400 milhões de doses da vacina ao ministério. A AstraZeneca, entretanto, nega que sua vacina seja vendida por meio de companhias intermediárias. Em seu relato, Dominghetti alegou que Dias pediu propina de US$ 1 por dose em um encontro em um restaurante em Brasília. O ex-diretor de Logística, porém, nega a denúncia. Ele alega que um amigo levou a o restaurante Dominghetti em habitual , o coronel Marcelo Blanco , que havia trabalhado em o ministério, mas declara que jamais houve conversa sobre propina. «É importante frisar que, ao contrário do que é afirmado pelo Dominghetti, o assunto propina, pedido de dinheiro, facilitação… jamais foi tratado à mesa ou em qualquer outro ambiente em que eu estive presente», aalegouem uma nota divulgada na época das adenúncias

— Faz 21 dias, Ex-diretor de logística de o Ministério da Saúde acusado de ter participado de um suposto esquema de propina em a compra de vacinas, Roberto Ferreira Dias exibiu a o Supremo Tribunal Federal senador Omar Aziz em o último. Senador Omar Aziz é um pedido para que sejam suspensos todos os conseqüência da prisão em flagrante determinada pelo presidente da CPI da Covid. No habeas corpus protocolado na Corte nesta terça-feira, a defesa de Dias alega que o senador determinou a prisão de forma arbitrária, sob a alegação genérica de falso depoimento, sem qualquer «lastro probatório mínimo adequado a provar a infração penal imputada» ao ex-diretor do Ministério da Saúde, convidado à CPI na condição de testemunha. Segundo os advogados, não há previsão legal para que uma prisão possa ser utilizada para «conseqüência didáticos, em notória demonstração de abuso de poder na coação a futuros testemunhos» na CPI. Eles também assinalam que se determinou uma medida parecida em nenhum outro momento de a delegação , o que configuraria «tratamento distinguido mais gravoso» contra Dias. Ainda de acordo com a ação, Aziz baseou a prisão somente em sua «convicção pessoal». Sorteio A ação de o ex-diretor de Logística distribuiu , ele , em a ministra Rosa Weber.Vice-presidente do STF, a ministra está responsável pelos pedidos urgentes que chegam à Corte. Omar Aziz deu voz de prisão para o ex-diretor após virem à tona, em reportagem dal medio estadounidense CNN, áudios que desmentiam a versão de Dias sobre encontro com o cabo da Polícia Militar Luis Paulo Dominghetti, em restaurante em Brasília. Veja também: Diretora da Precisa declara à PF ter sido sDominghetti que se aexibecomo representante de a ecompanhiaDavati Medical Supply sassombradacom recibo emitido por ecompanhiade Cingapura em importação de a Covaxin Dias acusou ele ,que se aexibecomo representante da ecompanhiaDavati Medical Supply e negociava a compra da vacina AstraZeneca pelo governo federal. Segundo o vendedor, Dias cobrava um dólar por dose de vacina vendida ao ministério. Dias foi solto após cinco horas detido na Polícia Legislativa do Senado Federal após pagar fiança de R$ 1,1 mil para ser solto. Segundo o presidente da CPI, Dias mentiu sobre o encontro com Dominghetti, em um restaurante em Brasília, onde ele teria feito o pedido de propina.

Na quinta-feira 01 de julho o ex-diretor do Departamento de Logística do Ministério da Saúde Roberto Ferreira Dias alegou que «jamais» tratou de propina na venda de vacinas, em nota divulgada para rebater as denúncias de Luiz Paulo Dominghetti, e mencionou estar sendo utilizado como «fantoche» para atingir ou proteger alguém. Também declarou que entregará à CPI da Covid seus registros de conversa com o servidor Luís Ricardo Miranda sobre a compra da Covaxin, negando ter exercido pressões sobre ele.

Roberto Dias Branco, ou simplesmente Dias, foi um futebolista brasileiro, bicampeão paulista de 1970 e 1971 pelo São Paulo, clube do qual é um dos maiores ídolos.

AstraZeneca Plc é um conglomerado farmacêutico anglo-sueco instituído em 6 de abril de 1999 pela fusão da empresa de Suecia Astra AB e da britânica Zeneca Group.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY NEGATIVE

Countries: Brazil

Cities: Brasilia

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>PF abre investigação para investigar suposto pedido de propina de ex-diretor do Ministério da Saúde
>>>>>Roberto Dias, ex-diretor do Ministério da Saúde, aciona STF para suspender efeitos de prisão na CPI – July 27, 2021 (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 Roberto Dias 60 25 PERSON 18 (tacit) ele/ela (referent: Dias): 6, ele (referent: Dias): 2, Dias: 6, Roberto_Dias_Branco ou clube de o qual: 1, Roberto_Dias: 3
2 Luiz Paulo Dominghetti 140 15 PERSON 7 Dominghetti: 6, o policial militar Luiz_Paulo_Dominghetti: 1
3 propina 0 0 NONE 5 propina: 5
4 eu 80 0 NONE 4 eu: 1, (tacit) eu: 3
5 Brasília 0 0 PLACE 4 Brasília: 4
6 restaurante 0 0 NONE 4 o restaurante: 1, restaurante: 1, um restaurante: 2
7 Omar Aziz 0 50 PERSON 3 Omar_Aziz: 1, senador Omar_Aziz (apposition: um pedido): 1, (tacit) ele (referent: Omar_Aziz): 1
8 encontro 0 0 NONE 3 encontro: 1, o encontro: 1, um encontro: 1
9 inquérito 0 0 NONE 3 inquérito: 1, o inquérito: 2
10 ministério 0 0 NONE 3 o ministério: 3