Por: SentiLecto

Faz 1 dia, os 11 presos em a Operação Mais Valia, deflagrada por a Polícia Federal e a Procuradoria-Geral da República, passaram por audiência de custódia em a sede de a PF em esta, em o Centro do Rio. As audiências, presididas por juízes da Justiça Federal de Brasília, ocorreram por videoconferência, das 13h às 20h30. Conservaram-se prisões preventivas todas as .

Satisfizeram-se e os 26 de busca os 11 mandados de prisão preventiva e apreensão em a manhã de terça para colher provas sobre esquema de corrupção em o Tribunal Regional de Trabalho de a 1ª Região de Janeiro, de o Rio. A ministra Nancy Andrighi expediu os mandados , de o Superior Tribunal de Justiça. Se o satisfez um de s em a sede de o TRT, em o Centro do Rio.

— A Polícia Federal e a Procuradoria-Geral da República satisfazem, na manhã nesta terça-feira, 11 mandados de prisão preventiva e 26 de busca e apreensão para colher provas sobre esquema de corrupção no Tribunal Regional de Trabalho da 1ª Região, do Rio de Janeiro. O Superior Tribunal de Justiça expediu os mandados. Entre os alvos da operação estão juízes e advogados. O inquérito obteve indícios de que parentes de juízes do TRT do Rio atuaram ilegalmente em processos de companhias de transporte e organizações sociais com dívidas trabalhistas. Há suspeitas do pagamento de propina em favor da inclusão dessas companhias e entidades no Plano Especial de Execução da Justiça do Trabalho, de parcelamento de dívidas. Se requereram as buscas para erguer mais provas a respeito de o esquema. A operação é um desdobramento da Tris In Idem, que redundou no afastamento de Wilson Witzel do governo do Rio. Segundo os inquéritos, o desembargador Marcos Pinto da Cruz, do TRT do Rio, teria coordenado em conjunto com Witzel um esquema de desvio de dinheiro por meio de ações trabalhistas. Após o cumprimento de busca e apreensão contra o desembargador em outubro do ano passado, a PF localizou novas provas e aprofundou os inquéritos do caso.

Na quarta-feira 10 de fevereiro uma operação da Polícia Federal, deflagrada nesta quarta-feira, mirava um suposto superfaturamento em compras de equipamentos de proteção individual pelo Hospital Universitário Graffrée e Guinle durante a pandemia da Covid-19. A unidade era vinculada na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro , do qual Fernando Ferry é erasuperintendente, informou o portal de notícias «G1». Fernando Ferry é o ex-secretário estadual de Saúde do Rio.As equipes visavam a satisfazer cinco mandados de busca e apreensão na capital — Tijuca , Maracanã e Jacarepaguá — e em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Um dos mandados estava sendo satisfeito na casa de Ferry, segundo o «G1».

Quatro desembargadores foram alvos de prisão: Marcos Pinto da Cruz, José da Fonseca Martins , Fernando Antonio Zorzenon da Silva e Antonio Carlos de Azevedo Rodrigues. A PF também satisfez mandados de prisão preventiva contra Eduarda Pinto da Cruz, irmã e operadora de Marcos Pinto da Cruz, Sônia Regina Dias Martins, esposa e operadora de José da Fonseca Martins Júnior, Marcello Cavanellas Zorzenon da Silva, filho e operador de Fernando Zorzenon, Leila Maria Gregory Cavalcante de Albuquerque, esposa e operadora de Antonio Carlos Rodrigues, Pedro D’Alcântara Miranda Neto o empresário Manoel Messias Peixinho e a sua esposa, Suzani Andrade Ferraro. Pedro D’Alcântara Miranda Neto é advogado de companhias de ônibus.

Outro alvo de busca e apreensão foi o juiz do trabalho Múcio Nascimento Borges, do Tribunal Regional do Trabalho. Os agentes estiveram na casa do juiz no Leblon, na Zona Sul, e na salinha do jurista no Centro do Rio. A Polícia Federal ainda esteve na Barra da Tijuca, Centro do Rio, Leblon, Copacabana e na Lagoa. Agentes da PF estiveram na casa do desembargador Marcos Pinto da Cruz, um dos envolvidos no esquema, localizada no Jardim Botânico, na Zona Sul do Rio, e recolheram um malote.

Na sua vez, por meio de nota, os consórcios — Internorte, Intersul, Santa Cruz e Transcarioca — alegam que «a centralização é uma opção jurídica disponível na legislação, usada para equilibrar pagamentos de débitos trabalhistas, conservar vagas de trabalho e conservar a operacionalidade do sistema de transporte de passageiros por ônibus. Os consórcios aderiram ao sistema de maneira legal, através da contratação de advogados, desconhecendo qualquer chance de existência de anormalidades».IRREGULAR: Três dos quatro desembargadores delatados pela PGR têm salários brutos superiores a telhado do STF

O advogado Pedro Yunes, que encarna o desembargador Antônio Carlos Rodrigues e Leila Maria Albuquerque, vai recorrer da resolução. Defensor iz: «Todos os esclarecimentos serão prestados à Justiça e sse dprovaráa improcedência de as imputações feitas a o desembargador Antonio Carlos e em a advogada Leila Maria,endo certo que suas prisões preventivas se mostram absolutamente desnecessárias, confiando a defesa nas suas revogações pela autoridade chábil,.O EXTRA tenta contato com as defesas dos demais presos. No total, 12 pessoas foram presas. Na casa de um advogado — que era alvo de busca e apreensão — os agentes encontraram uma arma sem registro. Ele acabou sendo detido por porte ilegal de arma de fogo. A Polícia Federal de o homem não revelou o nome.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: NEUTRAL

Countries: Gambia, Colombia

Cities: Copacabana, Barra

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Se conservam prisões preventivas de a Operação Mais Valia após audiência de custódia
>>>>>PF e PGR cumprem 11 prisões preventivas em operação sobre esquema de corrupção no TRT do Rio – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Empresas de ônibus voltam a ser investigadas em operação sobre esquemas no TRT do Rio – March 02, 2021 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>PF cumpre prisão de quatro desembargadores do TRT do Rio, incluindo ex-presidentes, por esquema de corrupção – March 02, 2021 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Esquema no TRT foi revelado em delação de ex-secretário de Saúde do Rio Edmar Santos; veja vídeo – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Veja o que diz a defesa dos alvos de operação da PF que prendeu quatro desembargadores do Rio – March 02, 2021 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>Desembargador preso por esquema no TRT dizia ser ‘soldado’ de Wilson Witzel – March 02, 2021 (EntretenimientoBit)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 mandados 0 0 NONE 4 Os mandados: 2, os mandados: 1, Os 11 mandados: 1
2 o Centro_do_Rio 0 0 PLACE 4 o Centro_do_Rio: 3, Centro_do_Rio: 1
3 Federal 0 0 PERSON 3 a Polícia_Federal: 2, A Polícia_Federal: 1
4 Tribunal de Justiça 0 0 PERSON 3 (tacit) ele (referent: o Superior_Tribunal_de_Justiça): 1, o Superior_Tribunal_de_Justiça: 2
5 apreensão 0 0 NONE 3 apreensão: 3
6 esta 0 0 NONE 3 esta: 3
7 provas 0 0 NONE 3 novas provas: 1, provas: 2
8 presos 0 160 NONE 2 Os 11 presos: 1, presos: 1
9 prisão 30 80 NONE 2 prisão preventiva: 2
10 prisões 30 80 NONE 2 prisões preventivas: 2