Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Plenário do Senado (22335628008)

O senador governista Jorginho Mello , integrante da CPI da Covid, declarou nesta quinta-feira que o presidente Jair Bolsonaro conversou com o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello assim que soube das suspeitas na compra da vacina Covaxin, a mais cara comprada pelo governo federal. Quando conversaram sobre esse tema e outros assuntos, ele e outros senadores da base se reuniram mais cedo no Palácio do PLanalto com ministros do governo.

– Ao longo de quase dois meses de trabalho, a CPI da Covid coletou mais de mil documentos, colheu 21 testemunhos e aprovou 29 quebras de sigilos bancários e telefônicos. A partir da análise desse material, o inquérito começa a delinear três percursos que levaram o Brasil a registrar a marca de 500 mil mortos pela pandemia: a aposta em remédios sem efetividade, a lentidão na compra de vacinas e a crença na tese da “imunização de rebanho”. Protestos : o país O em defesa da vacinação e contra Bolsonaro registra manifestações material colhido por a CPI mostra , por exemplo , a persistência de o governo Bolsonaro em modificar um conjunto de remédios sem comprovação científica em uma principais políticas públicas de guerrazinha em a enfermidade . contra a Covid-19 de suas principais políticas públicas de guerrazinha à denfermidade Levantamento feito pelo GLOBO com base em telegramas diplomáticos mandados à cdelegaçãorevela que o Itamaraty atuou pelo menos 84 vezes no exterior para garantir o afornecimentode cloroquina. A maior parte das comunicações foi envidada à Índia. Os telegramas contam, por exemplo, que o presidente Jair Bolsonaro telefonou ao primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, para pedir a liberação de insumos para a fabricação de cloroquina por companhias privadas brasileiras. Um documento mandado pelo Ministério da Saúde à CPI mostra que o governo distribuiu mais de 6 milhões de comprimidos de cloroquina e hidroxicloroquina entre março de 2020 e abril de 2021 para clutara Covid-19. Somente as terras indígenas receberam 100,5 mil unidades em junho do ano passado. Procurada, a pasta informou que se manda a cloroquina regularmente em as terras indígenas onde a maláriaé endêmica, mas não explicou por que mandou o medicamento para lutar a Covid-19. Menciona-se a cloroquina para malária, mas ineficaz contra a Covid. Tudo isso aconteceu em meio aos alertas da comunidade científica nacional e internacional sobre a inadequação da cloroquina no tratamento da Covid-19. Em junho, a Organização Mundial de Saúde interrompeu os testes com hidroxicloroquina após constatar que não tinha conseqüência expressivos e poderia até ser prejudicial, por seus conseqüência colaterais. Faz 2 meses, mesmo assim, o governo mandou o remédio a os estados de este ano. Os testemunhos do ex-ministro da Saúde Henrique Mandetta e do presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária , Antonio Barra Torres, revelaram que o governo desejou modificar a bula da cloroquina para incluir uma recomendação de utilização do remédio contra a Covid-19, o que se o concretizou não . A demora na compra das vacinas contra a Covid-19 foi um dos temas que mais chamou a atenção no começo da CPI. Desde janeiro deste ano, sabia-se que a farmacêutica Pfizer enfrentava obstáculos para negociar com o governo brasileiro. Os testemunhos do gerente-geral da companhia para a América Latina, Carlos Murillo, e documentos mandados à cdelegaçãopela própria ecompanhiacomprovam a demora da equipe do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello em acompraro imunizante, que já estava contratado por dezenas de países no mundo icompleto Segundo o vice-presidente de a CPI , senador Randolfe Rodrigues , o governo ignorou 81 vezes a Pfizer. Senadores A tarda em a negociação de as vacinas tanto de a Pfizer quanto de a Janssen assinalam ela como uma de as principais razões para a demora em o começo de a imunização em o Brasil e para o ritmo lento de a aplicação. Levantamento da Universidade John Hopkins mostra que o Brasil tem somente 11,39% da sua população totalmente vacinada. O número é bastante inferior ao de países como o Reino Unido e os EUA . Também perde para latino-americanos como Chile , República Dominicana e México . Ao mesmo tempo em que o governo apostava na cloroquina e não provava o mesmo persistência na aquisição de vacinas, alguns de seus conselheiros apostavam na chamada “imunidade de rebanho”. A tese era a de que a ampliação de infecções redundaria no desenvolvimento de uma “imunidade” natural na população. Não há comprovação, no entanto, de que quem contraiu a Covid-19 desenvolva imunidade permanente. Há diversos casos de reinfecção, principalmente por causa das variantes do vírus. Além disso, apostar na tese significa expor pessoas ao risco de morte. Um dos principais defensores dessa tese foi o deputado federal Osmar Terra , que, assinala-se assessor especial de a Presidência Arthur Weintraub ao lado do então , como um dos organizadores do chamado “salinha paralela”, um grupo de conselheiros de Bolsonaro sobre a administração da pandemia. Um estudo requerido pela CPI ao Centro de Estudos e Pesquisas de Direito Sanitário , vinculado à Faculdade de Saúde Pública da USP, em parceria com a organização não-governamental Conectas, aassinalaque o governo atuou deliberadamente por essa tese. “O presente estudo permite deduzi, com amplo respaldo documental, que, a partir de abril de 2020, o governo federal passou a promover a “imunidade de rebanho” por contágio como meio de resposta à pandemia. Ou seja, optou por favorecer a livre circulação do novo coronavírus, sob o pretexto de que a infecção naturalmente induziria à imunidade”, ddeclarao documento. Bolsonaro continua transmitindo essa tese. Na quinta-feira passada, em uma transmissão ao vivo, voltou a declarar que pessoas contagiadas pela Covid-19 estariam já imunizadas. Sobre os quase 500 mil mortos, não declarou nenhum vocábulo.

Na quarta-feira 16 de junho a CPI da Covid aprovou, durante sessão na manhã desta quarta-feira, um pedido de esclarecimentos à cempresaaérea Azul sobre a entrada do presidente Jair Bolsonaro em uumaaaeronavecomercial em Vitória , npassada. O prazo para resposta era de dez dias.

Jorginho dos Santos Mello • goma é atual Senador da República por Santa Catarina filiado ao Partido Liberal. Atual Senador da República por Santa Catarina é um político brasileiro.

Jair Messias Bolsonaro é um capitão reformado, político e atual presidente brasileiro.

Faz 3 meses, o servidor de o Ministério da Saúde Luis Ricardo Miranda, que se rejeitou a assinar um recibo que calculava um pagamento antecipado por a importação de a vacina de India Covaxin, declarou, em entrevista a o GLOBO, ter se com o presidente Jair Bolsonaro em 20 de março encontrado pessoalmente para delatar as suspeitas sobre a importação de o imunizante. Segundo ele, o presidente teria se comprometido a encaminhar o caso para a Polícia Federal. O contato entre Luis Ricardo e Bolsonaro foi feito por meio do irmão do servidor, o deputado federal Luis Miranda .

Jorginho recordou que o governo federal ainda não adquiriu nem pagou nada pela Covaxin até momento. Encarna-se Bharat Biotech a vacina, de o laboratório indiano , em o Brasil pela companhia Precisa, alvo de a CPI da Covid.

A procuradora declara: “A omissão de atitudes corretiva da realização do contrato, adicionada ao histórico de anormalidades que pesa sobre os sócios da companhia PRECISA e ao custo aumentado pago pelas doses contratadas, em comparação com as demais, torna a situação carecedora de apuração aprofundada, sob duplo aspecto cível e criminal uma vez que, a princípio, não se justifica a temeridade do risco assumido pelo Ministério da Saúde com essa contratação, a não ser para atender a interesses divorciados do interesse público”.No requerimento de convite ao deputado e ao servidor, senador Renan Calheiros justificou: «O testemunho das referidas pessoas, por esta CPI e, sobretudo é imperioso e essencial para o desenrolar do período instrutório e, obviamente, para o futuro deslinde dos inquéritos. Senador Renan Calheiros é o relator da CPI. Por esse motivo, a aprovação do presente requerimento é fundamental ao bom prosseguimento dos trabalhos desta Comissão Parlamentar de Inquérito».

— Não foi comprado nada, não foi pago um real. Quando soube, o presidente da República determinou , entre diversos temas que esse deputado foi tratar, falou com o ministro Pazuello para verificar. Como não tinha nada de errado, a coisa continuou — declarou Jorginho em entrevista coletiva na manhã desta quinta.

— A gente faz esse café, com tratativas da semana, o que ocorreu, o que está para ocorrer. Obviamente na reunião de hoje um dos temas tratados foi a entrevista e o convite ao deputado Luis Miranda à CPI.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY POSITIVE

Countries: Brazil

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Senador aliado declara que Bolsonaro conversou com Pazuello sobre suspeitas na compra de vacina
>>>>>CPI da Covid começa a delinear equívocos do governo Bolsonaro que levaram à marca de 500 mil mortos – (Extraoglobo-pt)
>>>>>MPF identifica indícios de crime em compra de R$ 1,6 bi de vacina indiana Covaxin – (Extraoglobo-pt)
>>>>>CPI da Covid convida servidor da Saúde que disse ter sido pressionado para importar a vacina Covaxin – June 23, 2021 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>Na mira do MPF: enquanto dose da AstraZeneca custa R$ 19, governo pagou R$ 80 pela da Covaxin – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Itamaraty atuou para agilizar aprovação da Covaxin na Anvisa – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 governo 0 0 NONE 9 o governo: 6, o governo federal: 3
2 Jair Bolsonaro 0 0 PERSON 8 Bolsonaro: 3, o presidente Jair_Bolsonaro: 3, (tacit) ele/ela (referent: Bolsonaro): 2
3 eu 45 25 NONE 5 (tacit) eu: 5
4 CPI 0 0 ORGANIZATION 5 esta CPI: 1, a CPI: 4
5 assuntos 0 0 NONE 5 os assuntos: 2, diversos assuntos: 2, os assuntos tratados: 1
6 Jorginho 0 0 PERSON 4 Jorginho_dos_Santos_Mello: 1, Jorginho_Mello integrante de a CPI_da_Covid: 1, Jorginho: 2
7 deputado 0 0 NONE 4 o deputado federal: 2, o deputado: 1, esse deputado: 1
8 o Brasil 0 0 PLACE 4 o Brasil: 4
9 tese 0 0 NONE 4 essa tese: 3, A tese era a de: 1
10 Renan Calheiros 90 80 PERSON 3 senador Renan_Calheiros (apposition: o relator de a CPI): 1, (tacit) ele/ela (referent: senador Renan_Calheiros): 2