Por: SentiLecto

– O presidente Jair Bolsonaro voltou a declarar nesta sexta-feira que o país não suporta ficar três meses parado e chamou de demagogia a resolução de governadores de decretar medidas de isolamento social. Bolsonaro, que parou para conversar com apoiadores, a maioria evangélicos e comerciantes do entorno de Brasília, ignorou os jornalistas na manhã desta sexta-feira, ao sair do Palácio da Alvorada , mas “Vocês sabem meu posicionamento, não pode fechar dessa forma. Trará desemprego em massa”, declarou. “A sociedade não suporta ficar dois, três meses parada. É uma demagogia.” Ainda que está, bolsonaro declarou “trazendo a opinião pública” para seu lado e, a uma apoiadora que declarou a ele que estavam somente “esperando sua voz”, respondeu: “vai chegar a hora certa”.

– O presidente Jair Bolsonaro reafirmou nesta segunda-feira sua intenção de acalmar o isolamento social no país e declarou que o atual cenário está arruinando empregos e pode levar ao caos social que vai permitir a “aproveitadores chegarem ao poder e não mais sair”. “Com desemprego em massa, fome, é um terreno fértil para aproveitadores, quando a situação vai para o caos buscarem uma forma de chegar ao poder e não mais sair dele”, declarou Bolsonaro. Quando perguntado sobre a posição do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que estendeu o isolamento social no país para conter a propagação do coronavírus até 30 de abril, Bolsonaro alegou que não iria debater essa posição e que o Brasil é um país diferente. Há menos de uma semana, depois de seu pronunciamento em que pediu às pessoas que voltassem ao trabalho, Bolsonaro se defendeu de críticas ddeclarandoque sua posição estava alinhada com a do presidente nde Noruega Ao ser questionado sobre dados que mostrariam a ampliação do desemprego nessa velocidade que ele alega e o risco de caos, Bolsonaro não respondeu e declarou aos jornalistas que teriam que ir às ruas para falar com as pessoas. Aos jornalistas em frente ao Palácio do Alvorada perguntou: “Você já foi nas ruas, foi buscar relatos de pessoas que estão passando obstáculos?”. Depois, pela insistência do repórter, declarou que tinha levantamentos que mostrariam que a situação já havia chegado “ao limite”, sem dar quaisquer detalhes que embasasse essa afirmação. “Deseje Deus que eu esteja errado, mas eu não vou me furtar da minha responsabilidade para ser bem tratado por vocês”, alegou. – O presidente Jair Bolsonaro declarou ao sair do Palácio da Alvorada que vai sancionar ainda nesta terça-feira a assistência emergencial de 600 reais a trabalhadores informais em meio à pandemia de coronavírus. O Senado aprovou em a noite de segunda o texto e tem que chegar em esta terça para sanção presidencial. Segundo Bolsonaro, o decreto que regulamenta a medida já está pronto e também poderá ser editado nesta terça. Alegou: “Quem vai fazer o pagamento vai ser a Caixa”. O governo havia sugerido inicialmente um voucher de 200 reais pelo fase de três meses, para auxiliar os trabalhadores informais que não poderão trabalhar durante a epidemia de coronavírus. Uma proposta da oposição aumentava para 500 esse valor e, sob pressão no Congresso, o governo acabou consentindo com um valor ainda maior, de 600 reais. Para as famílias com filhos, a vantagem adicionará 1.200 reais. – O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, proibiu na noite de terça-feira o governo do presidente Jair Bolsonaro de produzir ou veicular campanhas publicitárias que incentivem as pessoas a deixarem o isolamento adotado para conter a disseminação do coronavírus e voltarem ao trabalho normal ou que reduza a gravidade da pandemia. A resolução do ministro atendeu a pedido feito pelo partido Rede Sustentabilidade e determinou ainda a suspensão da contratação de quaisquer campanhas neste sentido. «Recebo a ação da Rede Sustentabilidade. Defiro a cautelar para vedar a produção e circulação, por qualquer meio, de qualquer campanha que pregue que O Brasil Não Pode Parar ou que proponha que a população deve regressar às suas atividades plenas, ou, ainda, que edigaque a pandemia constitui eacontecimentode diminuta gravidade para a saúde e a vida da população. Determino, ainda, a sustação da contratação de qualquer campanha publicitária destinada ao mesmo fim», escreveu o ministro. O governo Bolsonaro publicou em sua conta oficial no Instagram uma campanha intitulada «O Brasil Não Pode Parar», na qual defendia a necessidade de as pessoas regressarem ao trabalho em meio à pandemia. Posteriormente um vídeo da campanha circulou nas redes sociais de apoiadores do presidente. Se a contratou sem licitação, a campanha custou 4,9 milhões de reais e a agência responsável por sua produção. Embora a campanha tenha sido publicada na conta oficial do governo no Instagram –e posteriormente apagada– e a contratação da agência sem licitação tenha sido publicada no Diário Oficial da União, a Secretaria de Comunicação da Presidência da República alegou que «não há qualquer campanha do governo federal com a mensagem do vídeo sendo veiculada». Se o produziu em personalidade experimental, declarou ainda que o vídeo » » sem preços.

Na quinta-feira 26 de março – O presidente Jair Bolsonaro incluiu as casas lotéricas e as igrejas na lista de atividades consideradas imprescindíveis que estão autorizadas a funcionar durante o estado de tragédia em forcita pela epidemia de coronavírus. Publicou-se a mudança, feita por mudança em o decreto que tratava de os serviços imprescindíveis, em o Diário Oficial da União. Na noite anterior, no entanto, o presidente já havia anunciado que atenderia o pedido do deputado Mauro Pereira , com quem esteve no Palácio do Planalto, mas não indicou as igrejas. Segundo Bolsonaro, 2.463 lotéricas estavam fechadas por decreto no país e estaria havendo um «conflito de proficiências» no Brasil. Em vídeo postado nas redes sociais declarou: «Agora isso veio para nós e vocês vão poder trabalhar em paz». Já em relação às igrejas, o decreto d diziaque «atividades religiosas, de qualquer natureza» e estavamincluídas nas atividades eimprescindíveise d deviam funcionarde acordo com as rnormasestabelecidas pelo Ministério da Saúde. Em várias cidades, igrejas e outros locais religiosos foram proibidos de funcionar para evitar aglomerações, um dos maiores focos de transmissão do coronavírus. O Tribunal de Justiça garantiu o funcionamento dos locais de culto, enquanto algumas igrejas voluntariamente interromperam os serviços presenciais, em São Paulo, por exemplo. Na terça-feira, em pronunciamento em cadeia de rádio e TV, o presidente criticou as medidas de isolamento determinadas pelos Estados e pediu a «volta à normalidade». No final de semana anterior, em entrevista à tevê SBT, o presidente criticou especificamente o fencerramentodas igrejas, que chamou de «último refúgio das pessoas.» ENERGIA O decreto incluía ainda entre as atividades imprescindíveis a geração, transmissão e distribuição de energia elétrica, a produção, distribuição e venda de combustíveis, perícias médicas, fiscalização do trabalho, atividades de pesquisa relacionadas aa guerrazinha da epidemia. Entraram também na lista as atividades de pagamento, crédito, saque e aporte feitos pelos bancos e a produção e distribuição de moeda à população e a manutenção da infraestrutura do Sistema Financeiro e do sistema de pagamentos nacional.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: NEUTRAL

Countries: Brazil

Cities: Brasilia, Alvorada

A história desta not
ícia a partir de notícias prévias:

>Bolsonaro declara que país não suporta três meses parado e acusa governadores de demagogia
>>>>>Isolamento atual pode levar ao caos e permitir que ‘aproveitadores’ assumam poder, diz Bolsonaro – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Bolsonaro diz que sancionará benefício para informais nesta 3ª – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Barroso proíbe governo Bolsonaro de realizar campanha defendendo fim do isolamento – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 Jair Bolsonaro 0 0 PERSON 23 (tacit) ele/ela (referent: O presidente Jair_Bolsonaro): 1, (tacit) ele/ela (referent: Bolsonaro de): 1, O governo Bolsonaro: 1, Bolsonaro de: 2, ele (referent: Bolsonaro): 1, (tacit) ele/ela (referent: Bolsonaro): 7, Bolsonaro: 6, O presidente Jair_Bolsonaro: 4
2 eu 0 0 NONE 11 (tacit) eu: 8, eu: 2, me: 1
3 decreto 0 0 NONE 7 o decreto: 5, o decreto d: 1, decreto: 1
4 igrejas 0 0 NONE 5 igrejas: 1, algumas igrejas: 1, as igrejas: 3
5 país 17 0 NONE 4 um país diferente: 1, o país: 3
6 esta 0 0 NONE 4 esta: 4
7 jornalistas 0 0 NONE 4 os jornalistas: 4
8 pessoas 0 0 NONE 4 pessoas: 1, as pessoas: 3
9 campanha 130 0 NONE 3 uma campanha intitulada: 1, a campanha: 1, A campanha: 1
10 trabalho 80 0 NONE 3 o trabalho: 2, o trabalho normal: 1