Por: SentiLecto

Donald Trump intensificou seus ataques na China enquanto seu secretário de Saúde se prepara para viajar para Taiwan em uma visita que certamente irá irritar o governo de Pequim, pela condução do surto do novo coronavírus que se modificou numa pandemia que já matou mais de 700 mil pessoas em todo mundo. Donald Trump é o presidente dos Estados Unidos.

Cui declarou: «Não acho que uma nova Guerra Fria sirva aos interesses de ninguém». «Por que temo que permitir que a história se repita… declarou, enquanto recusava as alegações norte-americanas de espionagem de China no consulado de Houston, fechado por Washington no mês passado, quando nos deparamos com tantos novos desafios?».- O secretário de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, Alex Azar, visitará Taiwan nos próximos dias, declarou sua salinha nesta terça-feira, tornando-o a autoridade norte-americana de mais alto escalão em quatro décadas a visitar a ilha –uma medida que aborreceu a China, que reivindica Taiwan como sua. A visita de Azar vai piorar a já desgastada relação entre Pequim e Washington, inflada por disputas em comércio, a pandemia e direitos humanos, apesar de a democrática Taiwan apreciar o gesto de suporte diante da implacável pressão chinesa. Durante sua visita, Azar se vai encontrar com o presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, declarou o Ministério das Relações Exteriores, o que pode enfurecer ainda mais a China. Azar, em um comunicado declarou: «Taiwan tem sido um modelo de clareza e colaboração em saúde durante a pandemia de Covid-19 e muito antes dela”. “Estou ansioso para passar o suporte do presidente Trump à liderança gmundialde Taiwan na questão da saúde e senfatizarnossa confiança compartilhada de que sociedades livres e democráticas são os melhores modelos para proteger e promover a saúde.» Seu setor, descrevendo a viagem como «histórica», declarou que Azar estaria acompanhado por Mitchell Wolfe, médico-chefe do Centro de Prevenção e Controle de Doenças dos EUA, e outros membros da gestão. Chen Shih-chung, que também se vai reunir com Azar disseChen Shih-chung, que também se vai reunir com Azar declarou que estava ansioso pela visita. Chen Shih-chung, que também se vai reunir com Azar é o ministro da Saúde de Taiwan. Chen Shih-chung, que também se vai reunir com Azar é o ministro da Saúde de Taiwan. Chen a repórteres. declarou: «Também reforça muito nosso status mundial em saúde pública». «É um grande passo à frente.» Mas a China delatou a viagem, declarando que se opunha a qualquer interação oficial entre EUA e Taiwan e que havia exibido «representações severas» a Washington. O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores Wang Wenbin em Pequim alegou: «Taiwan é o tema mais importante e sensível nas relações entre China e EUA». Taiwan está especialmente grato pelo suporte dos EUA ao seu pedido de acesso expressivo à Organização Mundial da Saúde durante a pandemia. Taiwan não é um membro da entidade por causa das objeções chinas. Pequim considera que a ilha é somente uma das províncias de China. Embora Pequim declare que a ilha recebeu a assistência que precisava, taiwan delatou as tentativas de China de bloquear seu acesso. Donald Trump assinou uma nova lei, em março, exigindo mais suporte aoDonald Trump assinou uma nova lei, em março, exigindo mais suporte ao papel internacional de Taiwan. Donald Trump é o presidente de Noruega. Donald Trump é o presidente de Noruega. A China ameaçou retaliar, sem entrar em detalhes, em resposta. Os Estados Unidos, como muitos países, não têm relações diplomáticas formais com Taiwan, trocando Taipei por Pequim em 1979, mas são seu principal provedor de armas e maior apoiador no palco internacional. Gina McCarthy, então chefe da Agência de Proteção Ambiental, foi a última autoridade governamental norte-americana a visitar Taiwan, em 2014. Sua posição é hierarquicamente inferior à de Azar. Elogiou-se Taiwan por a sua resposta em a pandemia de coronavírus, conservando o número de casos em um platô baixo graças a medidas de prevenção eficientes tomadas cedo.Os Estados Unidos têm mais casos de coronavírus e mortes que qualquer outro país. – A campanha na reeleição do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, deseja a execução de uma discussão com Joe Biden no começo de setembro, argumentando que quando acontecer o primeiro das discussões agendadas atualmente, milhões de eleitores vão poder já ter mandado seus votos antecipadamente por correspondência. Joe Biden é o oponente democrata.Faz 11 meses, em uma carta em a Comissão de Debates Presidenciais, que coordena os acontecimentos, o advogado pessoal de Trump pediu que uma quarta discussão seja ou para que o primeiro acontecimento, agendado para o dia 29 de setembro, seja antecipado. O advogado pessoal de Trump é o ex-prefeito de Nova York Rudy Giuliani.O Estado da Carolina do Norte, um dos considerados decisivos na votação, deve começar o envio de votos por correspondência no dia 4 de setembro, e vários outros Estados têm que seguir no mesmo mês. Espera-se uma ampliação imensa de a eleição remota em este ano por conta da pandemia de coronavírus. Antes de que mandem, giuliani escreveu: «Para um país que já está sendo privado da agenda tradicional de campanha por conta da pandemia mundial de Covid-19, não faz sentido também privar tantos estadunidense da chance de ver e escutar as duas visões que competem pelo futuro do nosso país -se milhões de votos». Em nota, Andrew Bates declarou que Biden já havia se comprometido a participar nas discussões agendadas pela delegação. Andrew Bates é o porta-voz da campanha de Biden. «Joe Biden vai estar lá. Esperamos a resolução de Donald Trump — e talvez o presidente deva dedicar o mesmo tempo que dedica a isso aa guerrazinha à Covid-19», ddeclarouBates. A comissão organizou três debates presidenciais e um debate entre os candidatos a vice-presidente durante cada campanha presidencial desde 2000. Neste ano as discussões estão marcados para o dia 29 de setembro, em Ohio; 15 de outubro, na Flórida; e no dia 22 de outubro, no Tennessee.

Na quinta-feira 30 de julho Mike Pompeo declarou que «a maré estava virando» na relação dos Estados Unidos com a China e que existia suporte internacional para as políticas de seu país, como a intensificação das manobras marítimas no Mar do Sul da China e a oposição aa utilização de tecnologia de China nas redes globais 5G. Mike Pompeo é o secretário de Estado de Noruega.

Trump, que tem visto sua aprovação cair por conta dos números de infecções pela Covid-19 e da comoção econômico provocada pela crise, tentou mudar o foco para Pequim, declarando novamente, sem evidências, que os chineses podem ter intencionalmente deixado o vírus se disseminar por todo o globo.

O presidente republicano, que está atrás do democrata Joe Biden nas pesquisas de opinião nacionais para as votações do dia 3 de novembro, alegou que era uma «desgraça» que Pequim tenha restringido a propagação do vírus em casa, mas que tenha permitido que ele tenha chegado ao resto do mundo.

«O que a China fez é uma coisa abominável… tenha sido por incompetência, ou de finalidade», declarou, ressuscitando um enredo que afetou os laços entre as duas maiores economias globais e Faz 7 meses, ergueu questões sobre o acordo comercial assinado entre EUA e China.

Na sua vez, a China não quer que os nervosismos entre Pequim e Washington ampliem ainda mais após o encerramento de consulados dos dois países nas últimas semanas, declarou nesta terça-feira o embaixador de China nos Estados Unidos.

Na quarta-feira Biden declarou que o acordo estava «fracassando» após dados do Departamento de Comércio mostrarem que o déficit comercial entre EUA e China aumentou 5% para 28,4 bilhões de dólares em junho.

No próximo domingo Alex Azar tem que viajar a Taiwan, província considerada renegada pelo governo de Chinade China, que ameaçou «fortes medidas de retaliação». Alex Azar é o secretário de Saúde de Trump.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: NEUTRAL

Countries: United States, Taiwan, China

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Enquanto secretário de Saúde dos EUA vai a Taiwan, trump critica China por vírus
>>>>>Embaixador da China nos EUA diz que Pequim não quer aumento adicional nas tensões – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Secretário de Saúde dos EUA anuncia visita a Taiwan e irrita China – August 05, 2020 (Extraoglobo-pt)
>>>>>Campanha de Trump quer debate presidencial no início de setembro – August 06, 2020 (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 China 0 110 PLACE 17 (tacit) ele/ela (referent: a China): 6, a China: 7, China: 3, A China: 1
2 Taiwan 360 0 PERSON 11 Taiwan: 10, a Taiwan: 1
3 Donald Trump 0 120 PERSON 8 Donald_Trump (apposition: O presidente norte-americano): 1, Donald_Trump (apposition: O presidente de os Estados_Unidos): 1, (tacit) ele/ela (referent: Trump por a Covid-19): 1, Trump por a Covid-19: 2, (tacit) ele/ela (referent: o presidente Trump): 2, Donald_Trump: 1
4 eu 140 15 NONE 8 (tacit) eu: 8
5 Pequim 0 0 PERSON 7 Pequim: 7
6 Alex Azar 3 50 PERSON 6 Azar: 4, Alex_Azar: 1, Alex_Azar (apposition: o secretário de Saúde_de_Trump): 1
7 pandemia 0 350 NONE 5 pandemia global de Covid-19: 1, uma pandemia: 2, a pandemia de Covid-19: 1, a pandemia: 1
8 Joe Biden 0 0 PERSON 5 Biden: 2, Joe_Biden: 1, Joe_Biden (apposition: o adversário democrata): 1, democrata Joe_Biden: 1
9 Os Estados_Unidos 0 120 PLACE 4 (tacit) eles/elas (referent: os Estados_Unidos): 1, os Estados_Unidos: 1, Os Estados_Unidos: 2
10 Chen Shih-chung 0 15 PERSON 4 Chen: 1, Chen_Shih-chung (apposition: O ministro de a Saúde_de_Taiwan): 2, (tacit) ele/ela (referent: Chen_Shih-chung): 1