Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Ícone de esboço

Faz 1 mês, o caso de a morte de Henry Borel Medeiros, de 4 anos, ganhava mais um capítulo com a prisão de a mãe de o menino, a professora Monique Medeiros da Costa e Silva, em 8 de abril, e o padastro, o médico e vereador Jairo Souza Santos Júnior, o Dr. Jairinho . Faz 2 meses, o crime acusou o casal, acontecido, em 8 de março, em o apartamento em que moravam com a criança, em a Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio. Faz 3 meses, em menos de desde a prisão, foram escutadas 21 testemunhas, abertas investigações paralelas sobre outros casos de agressão que Jairinho teria cometido contra filhos de ex-namoradas, tentativa de ocultação de provas de as violências física e psicológica padecidas por Henry ao menos desde fevereiro de este ano.

Jairinho Manhães é um produtor musical, arranjador, maestro e cantor brasileiro. Jairinho Manhães é nome artístico de Jairo Manhães Guimarães.

Abaixo, os principais pontos sobre o caso, que hoje teve a finalização da investigação aberta pela 16ª DP .

Ela e o menino regressam ao apartamento acompanhados por Jairinho, ao voltarem de uma padaria. Às 3h30, o casal leva Henry para a emergência do Hospital Barra D’Or após ele ser encontrado caído no chão do quarto, com mãos e pés gelados e olhos revirados. Segundo eles, o menino teria caído da cama. As pediatras da unidade atestam a morte. Em testemunho, elas garantiram que ele já chegou morto aa clínica.

De acordo com o laudo da tomografia computadorizada realizada por ela no Hospital Municipal Albert Schweitzer, em Realengo, ao qual o GLOBO teve acesso exclusivo, 5% dos pulmões dela estavam comprometidos pela enfermidade, no dia 20. Trecho do laudo, que ainda que a área afetada é o lobo inferior esquerdo do pulmão, relata declara: «A extensão do acometimento do parênquima pulmonar é de 5%».

Na quinta-feira 08 de abril por volta de 3h30m do dia 8 de março, a professora Monique Medeiros da Costa e Silva e o namorado, o médico e vereador Jairo Souza Santos Júnior, o Dr. Jairinho , saíram do condomínio Majestic, no Cidade Jardim, para levar o filho dela, Henry Borel Medeiros, de 4 anos, à emergência do Hospital Barra D’Or. O casal declarou ter encontrado o menino caído no chão do quarto, com mãos e pés gelados e olhos revirados. As pediatras garantiam que ele já chegou morto à unidade de saúde.

Se registra o caso em a 16ª DP , e determina-se uma perícia em o apartamento. Leva-se o corpo de Henry para o Instituto Médico-Legal, em o Centro do Rio, onde o exame de necropsia assinala sangramento interna e laceração hepática, provocada por ação contundente, com o corpo exibindo equimoses, hematomas, edemas e contusões. O laudo da necropsia revelou que o menino tinha 23 lesões e que o óbito aconteceu em uma pausa de quatro horas após padecer sangramento interna provocada por lesão hepática.

Em 17 de março, Monique presta testemunho na delegacia. Ela conta que quando teria erguido e encontrado Henry caído no chão, estava assistindo a uma série na TV com Jairinho, sem responder ao seu chamado. O vereador confirmou a versão em testemunho prestado no mesmo dia. Os inquéritos continuam com testemunhas sendo escutadas, como a avó materna de Henry, a psicóloga, vizinhos, ex-namoradas, a empregada da família e a baby-sitter, que mais tarde confirmaria os relatos de agressões. A polícia faz uma perícia no imóvel e uma reprodução simulada sem a presença do casal. No dia 8 de abril, Monique e Jairinho são presos na casa da família em Bangu, Zona Oeste do Rio.

Por outro lado, atualmente, a unidade de Bangu 8, com habilidade para 140 presos, tem a metade desse número, divididos em cinco galerias. Todos têm diploma de curso superior ou têm envolvimento em inquéritos da operação Lava Jato. Na galeria E, por exemplo, está o ex-governador Sérgio Cabral.A avó da menina também foi ouvida e relatou que, ele respondeu que a criança tinha batido a cabeça no painel de seu carro após uma freada brusca, enquanto a levava para um shopping, quando questionou Jairinho sobre um machucado na testa da neta.Na carta, Monique declara que, num primeiro momento, acreditou na narrativa de Jairinho de que o filho havia sido vítima de um “acidente doméstico”. Escreveu: “Não passava pela minha cabeça a suposição de um ser humano espancar uma criança que dorme, na minha cabeça isso era incabível, inimaginável de ocorrer”. A professora declarou que, ao tomar conhecimento do testemunho de uma ex-namorada do vereador à polícia, em que a cabeleireira relatou que sua filha mudou oaccondutaao conhecer o político, “ele foi se tornando um desconhecido” para ela.

A professora Monique Medeiros da Costa e Silva engravidou dHenry durante o casamento com o engenheiro Leniel Borel de Almeida, pai do menino. Henry é o único filho. O relacionamento de mais de 10 anos chegou ao fim em meados do ano passado. Faz 9 meses, ela conheceu o médico e vereador Jairinho com quem começou um relacionamento um mês depois,, em agosto. O casal e Henry passaram a morar juntos num apartamento na Barra em novembro. Faz 3 meses, mês em que Monique buscou atendimento psicológico para o filho, a baby-sitter Thayna de Oliveira Ferreira, que somente após trocar de defesa ela passou a exibi uma outra versão de o caso, em que declarou ser ameaçada por o namorado, relatou um episódio em que presenciou agressões de Dr. Jairinho contra Henry, em fevereiro. A conduta de Monique chamou a atenção nos primeiros dias após a morte de Henry, em que ela foi a um salão de beleza e buscou por cursos de inglês e culinária.

O relacionamento entre o engenheiro Leniel Borel de Almeida e Monique Medeiros, que durou cerca de 10 anos, chegou ao fim em meados do ano passado. O casal conservava contato devido ao filho, Henry. Durante uma das idas à casa do pai num fim de semana de fevereiro, o menino contou que o «tio» — se referindo ao padrasto, Dr. Jairinho — o machucava ao abraçar. Cinco dias antes de falecer, Henry falou com Leniel num vídeo chamada sobre não desejar «ficar na casa nova da mamãe», estando a avó materna e a baby-sitter presentes. Monique teria declarado que era uma imaginação do filho. Recentemente, ela escreveu uma carta em que pede perdão ao ex-companheiro. Em entrevista, após o caso, ele declarou notar o lado narcisista da ex-mulher.

No currículo de Jairo Souza Santos Júnior constam formação em Medicina; mandatos como vereador desde 2004, na época aos 27 anos, quando entrou como o candidato mais votado do Partido Social Cristão ; líder do governo na administração de Marcelo Crivella; integrante da vitoriosa candidatura de Eduardo Paes, em 2020; e presidente da Comissão de Justiça e Redação da Câmara dos Vereadores. A imagem de um homem afável e articulado de Dr. Jairinho, como ficou conhecido, começou a ruir com a prisão após a denúncia pela morte de Henry. Testemunhas contaram em testemunho que o parlamentar atacava o enteado pelo menos desde fevereiro. Durante a investigação , ex-namoradas que contam também exibiram novos casos — terem padecido agressões — contra seus filhos. Entre as vítimas está uma menina, à época com quatro anos. Esta nova investigação de desdobrou no indicamento, pela Polícia Civil, pelo crime de tortura majorada e numa acusação de tortura por parte do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro. Entre as perdas políticas mais recente está a cassação do mandato, por unanimidade, pela Comissão de Justiça e Redação da Câmara Municipal do Rio.

Debora de Mello Saraiva, ex-namorada e amante do vereador, também prestou novo testemunho e nele contou os episódios de violência que padeceu por parte do parlamentar – foram tantos, segundo a moça, que ela sequer é «capaz de contabilizar». Ela ainda contou à polícia que seu filho foi a uma fcelebraçãoinfantil com o então padrasto e voltou com uma lesão na perna, que foi constatada como fratura do fêmur.

Após a morte de Henry, Monique e Jairinho conservavam a mesma versão, de que encontraram o menino no chão do quarto, já sem vida, o que teria sido causado por uma queda da cama. A professora desejou prestar um novo testemunho após trocar de defesa, o que não foi aceito pela polícia. Ela então passou a escrever sua nova versão – em que mostrava Jairinho como uma ameaça também para ela – por meio de cartas.

As provas técnicas ainda contaram com reprodução simulada no apartamento em que os três viviam. Faz 1 mês, Peritos do IML e de o Instituto de Criminalista Carlo Eboli encenaram 1º de abril, toda a dinâmica. O casal não compareceu e uma agente e um policial civil encarnaram os dois. Usou-se um boneco com as mesmas qualidades de o menino e um boneco, com as mesmas qualidades de o menino, que media 1,15m e pesava 20 quilos, também . A simulação teria seguido os passos da família na noite da morte, segundo os testemunhos, de que o casal estaria assistindo TV, cochilado no quarto de hóspedes. Monique teria encontrado Henry no chão, sem reagir, ao ir para o quarto do casal dormir.

Os peritos também fizeram medições no apartamento para analisar possíveis quedas de diferentes alturas em relação ao piso, como o topo do encosto da poltrona e a escrivaninha. Se encontraram equimoses de acordo com o perito legista Leonardo Huber Tauil, a multiplicidade de segmentos de o corpo onde é compatível com mais de uma contusão.

A Secretaria de Administração Penitenciária do Rio informou que o diretor da cadeia pública José Frederico Marques, em Benfica, na Zona Norte do Rio, pediu para ser exonerado após acusações de regalias durante a passagem do vereador Dr. Jairinho e Monique pela unidade. Um vídeo revela Jairinho recebendo um sanduíche das mãos do próprio diretor da unidade, Ricardo Larrubia da Gama.

Faz 1 mês, durante a prisão, Monique teve o diagnóstico positivo em o qual recebeu, para a Covid-19 tratamento em o Hospital Penitenciário Hamilton Agostinho, em o Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu. Faz 1 mês, ela teve alta, em a Região Metropolitana de o estado, onde ainda satisfaz o isolamento, se a transferiu para o Instituto Penal Ismael Sirieiro. Já Jairinho, com o fim do isolamento após dar entrada no sistema prisional, desde 29 de abril divide com outros cinco presos a cela D do Presídio Pedrolino Werling de Oliveira, no Complexo de Gericinó, o Bangu 8.

Com a nova defesa de Monique também veio uma nova estratégia. O primeiro passo, dois dias depois, foi pedir por um novo testemunho da mãe de Henry, o que até o fim da investigação não foi aceito, apesar de novas requisições por parte da defesa. A opção foi Monique escrever cartas em que relata, segundo declara, sua versão dos fatos, até mesmo anteriores ao dia da morte do filho. Na primeira carta, de 29 páginas, ela descreve uma rotina de violências, humilhações e crises de ciúmes do namorado, e alega ter sido ele quem encontrou Henry no chão e sugerido que o menino havia caído da cama. O advogado Braz Sant classificou a carta » Anna , que passou a encarnar Jairinho peça de ficção , como uma » «.

Um pedido à Justiça de conversão da prisão tprovisóriado casal em preventiva também foi feito. Os dois já encontram-se atrás das grades desde o dia 8 de abril, sob denúncia de tentar atrapalhar os inquéritos. O relatório está sendo encaminhado ao promotor Marcos Kac, do Ministério Público do Rio, que terá que oferecer eventual acusação à juíza Elizabeth Louro Machado, titular do II Tribunal do Júri, nos próximos dias.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY NEGATIVE

Countries: Gambia, Canada, Brazil

Cities: Barra, Niteroi, Hamilton

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Caso Henry: compreenda em sete pontos os inquéritos sobre a morte do menino
>>>>>Caso Henry: após quarentena, Jairinho deixa isolamento e vai para cela coletiva em presídio – April 29, 2021 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>Caso Henry: ‘Peça de ficção’, diz advogado de Jairinho sobre carta de Monique – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Conselho de Ética da Câmara Municipal do Rio define abertura de cassação do Dr. Jairinho por unanimidade – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Caso Henry: acusado de assassinar o enteado, Jairinho se mostrava violento na infância – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Caso Henry: filhos de ex-namoradas de Jairinho contam como eram torturas – April 30, 2021 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>Caso Henry: inquérito deve terminar na quinta; polícia não planeja ouvir Monique – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Mãe de Henry admite ‘versão inventada’ sobre morte de menino – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 Monique da Medeiros Costa 90 0 PERSON 24 (tacit) ela (referent: Monique): 1, ela (referent: Monique): 2, Monique: 7, (tacit) ele/ela (referent: Monique): 12, Ela (referent: Monique): 2
2 Jairinho 80 130 PERSON 10 Jairinho: 6, Dr._Jairinho: 1, o Dr._Jairinho: 1, Jairinho_Manhães (apposition: nome artístico de Jairo_Manhães_Guimarães): 1, vereador Jairinho: 1
3 Henry Borel Medeiros 110 60 PERSON 10 Henry (apposition: o único filho): 1, encontrado Henry: 1, (tacit) ele/ela (referent: Henry): 1, levantado e encontrado Henry caído: 1, Henry: 6
4 Comissão de Justiça 60 75 PERSON 7 Ela (referent: Comissão_de_Justiça): 1, ela (referent: Comissão_de_Justiça): 1, (tacit) ele/ela (referent: Comissão_de_Justiça): 4, (tacit) ela (referent: Comissão_de_Justiça): 1
5 apartamento 0 0 NONE 6 o apartamento: 6
6 eu 0 0 NONE 6 (tacit) eu: 6
7 casal 0 50 NONE 5 o casal: 1, O casal: 4
8 Thayna de Oliveira Ferreira 0 0 PERSON 5 (tacit) ele/ela (referent: a babá Thayna_de_Oliveira_Ferreira): 2, a babá Thayna_de_Oliveira_Ferreira: 3
9 carta 0 0 NONE 5 uma carta: 2, A carta: 1, a carta: 1, a primeira carta: 1
10 depoimento 0 0 NONE 5 depoimento prestado: 1, um novo depoimento: 1, depoimento: 3