Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Ícone de esboço

Fora a morte do menino Henry Borel Medeiros, de 4 anos, pela qual foi indiciado com Monique Medeiros, mãe do menino, Jairo Souza Santos Júnior é agora réu por violências praticadas contra a filha de um ex-namorada entre 2011 e 2012, segundo o Ministério Público Estadual. Jairo Souza Santos Júnior é o Dr. Jairinho . Ele também é alvo de investigações por causa de violência doméstica e por agressões contra um menino, também filho de uma mulher com quem teve relacionamento. Se investiga o vereador em a Delegacia de Repressão a os Crimes de Informática, por o vazamento de um nude.

Fotogaleria: Veja imagens do menino de 4 anos e dos envolvidos no caso

O delegado Adriano Marcelo Firmo França mencionou Jairo Souza Santos Júnior , de a Delegacia da Criança e Adolescente Vítima , por o crime de tortura contra a filha de uma ex-namorada sua. Jairo Souza Santos Júnior é o Dr. Jairinho . Faz 4 meses, a 2ª Vara Criminal de Bangu aceitou a acusação sobre o caso de o Ministério Público do Rio de Janeiro, em esta segunda-feira, e agora o político é réu pelas agressões. A mãe relatou as violências e a avó de a criança a o delegado Henrique Damasceno , de a 16ª DP , durante a investigação que apura a morte de Henry Borel Medeiros , de 4 anos. Os termos de declaração foram encaminhados à especializada, onde foram abertos dois outros procedimentos investigativos. Na DCAV, a menina confirmou as violências e, quatro prontuários médicos que mostra que a vítima esteve em unidades de saúde se queixando de lesões no braço, ao longo de 2011, analisados por peritos do Instituto Médico Legal , compõem as provas técnicas que embasaram o indiciamento. Foi feito um pedido de prisão preventiva do parlamentar. A pena por esse crime pode chegar a oito anos de reclusão.

Também ocupa a cela D um homem acusado crimes contra a previdência social, através de um esquema de fraudes de vantagens do Instituto Nacional do Seguro Social ; um funcionário do aeroporto internacional do Rio que teria liberado a entrada de uma remessa de drogas ao estado; além de outros dois presos. A galeria conta com beliches, cinco toalete e três chuveiros. Todos têm direito a quatro refeições e duas horas de banho de sol diárias no pátio.

Na sexta-feira 09 de abril em testemunho prestado ao delegado Adriano Marcelo Firmo França, titular da Delegacia da Criança e Adolescente Vítima , o médico e vereador Jairo Souza Santos Júnior, o Dr. Jairinho de 4 anos, negou as denúncias feitas um por uma ex-namorada de que ela e a filha, ele de 3 anos em a época , atacou elas. O Dr. Jairinho é preso acusado de envolvimento na morte Henry Borel Medeiros.De acordo com o termo de declaração, ao qual O GLOBO teve acesso com exclusividade, Jairinho contou que começou a se relacionar amorosamente com a cabeleireira em dezembro de 2010, tendo ficado com ela por cerca de dois anos, com propósito somente “sexual”.

Caso Henry: Confira o que cada uma das 21 testemunhas contou em depoimento à polícia

A criança é filha de uma cabeleireira que conheceu Jairinho em 2010 e chegou a ficar noiva do vereador, Faz 7 anos, com quem conservou um relacionamento. A menina, hoje com 13 anos, contou ter tido a cabeça batida pelo então padrasto contra a parede do box de um toalete e até ter sido pisada por ele nos fundos de uma piscina para que não conseguisse erguer e respirar.A avó da criança, que também foi ouvida pelos investigadores, relatou que, ao questionar o vereador sobre um machucado na testa da menina, ele respondeu que uma batida provocou o ferimento no console do carro após uma freada brusca durante ida a um shopping. Em outra ocasião, declarou a avó, a garota chegou com o braço imobilizado e Jairinho declarou que ela teria se lesionado durante as aulas de judô. O professor da academia, também em testemunho, negou ter recordações desse episódio. A avó ainda declarou ter estranhado a conduta da neta quando ela a agarrou e, chorando e vomitando, pediu para que não a deixasse sair sozinha com Jairinho.

Ao pai de Henry: ‘Me perdoe por tudo’, pede Monique em carta

Cerca de oito meses depois, ao assistir a um programa de TV que abordava casos de violência doméstica, a menina admitiu as agressões que padecera.Ao ser preso no dia 8 de abril, pela morte do enteado, Jairinho prestou testemunho ao delegado da DCAV e negou as denúncias feitas pela ex-namorada. Em relação à filha da cabeleireira, o vereador ddeclarouque eles tinham uma relação “amistosa” e não mconservavacom ela “grau de intimidade”, negando que tenha saído sozinho com a criança ou a levado a qualquer lugar que tivesse piscina. Ele também contestou as informações de que teria torcido o braço dela, dado “mocas” em sua cabeça e colocado um saco em sua facezinha para sufocá-la. Este caso ainda se desdobrou numa outra investigação por violência doméstica na própria DCAV.

De acordo com o laudo da tomografia computadorizada realizada por ela no Hospital Municipal Albert Schweitzer, em Realengo, ao qual o GLOBO teve acesso exclusivo, 5% dos pulmões dela estavam comprometidos pela enfermidade, no dia 20. Trecho do laudo, que ainda que a área afetada é o lobo inferior esquerdo do pulmão, relata declara: «A extensão do acometimento do parênquima pulmonar é de 5%».

O filho da aluno Débora Melo Saraiva também prestou testemunho à Delegacia da Criança e Adolescente Vítima . A mulher começou a se relacionar com Jairinho em 2014 e declara ter ficado com ele durante seis anos, entre idas e vindas, já que na época o parlamentar também era casado com a dentista Ana Carolina Ferreira Netto, mãe de dois dos seus três filhos. O menino, atualmente com 8 anos, relatou que o vereador colocou um papel e um pano em sua boca, advertindo que ele não poderia engoli-los. Ele teria colocado a criança deitada em um sofá na sala de sua casa em Mangaratiba, subido no móvel e pisado sobre seu corpo.A aluna relatou também que, quando estava sozinho com Jairinho, em uma ocasião, o menino machucou o joelho. O vereador ligou declarando que a criança havia torcido o joelho, e médicos de um hospital particular constataram que ela tinha uma fratura no fêmur.

Em detalhes: Cheque a linha do tempo dos inquéritos sobre a morte de Henry

A mãe alegou ter estranhado o fato de o filho não ter chorado em nenhum momento, mesmo diante da lesão grave.Faz 12 dias, que prestou, Debora contou, ao longo de quatro horas, os episódios de violência que padeceu por parte do parlamentar — foram tantos, segundo a moça que ela sequer é, » capaz de contabilizar «, em o segundo testemunho em o último dia 16. Na delegacia, Debora afirmou ter mentido e omitido informações em seu primeiro termo de declaração por se sentir «ameaçada».

Investiga-se Jairinho de a Delegacia de Repressão a os Crimes de Informática, por o vazamento de um nude de uma ex-namorada. O delegado Pablo Sartori já informou que vai intimar o político e o advogado André França Barreto, que o encarnava na época. O delegado Pablo Sartori é titular DRCI. Na especializada, a cabeleireira de 31 anos contou que a imagem, feita chegou, quando conservava um relacionamento com Jairinho a ser disseminada na ocasião do término, sendo que logo após houve uma tentativa de reconciliação por parte dele. O nude foi então novamente compartilhado nas redes sociais depois do testemunho prestado por ela na investigação que apura a morte do menino Henry Borel Medeiros.

Faz 2 meses, o GLOBO Em mensagens recuperadas em o celular de a professora por a Polícia Civil, que constam em a investigação e obteve com exclusividade elas, Monique provava já,. “Procurarei outro advogado. Sabe por quê? Porque ele é seu advogado e não o meu. Vai ser você, não a mim”, escreveu em mensagem mandada à Jairinho.A, se for para defender alguémo serem intimados para prestar depoimento sobre a morte do menino, ocorrida na madrugada de 8 de março, no apartamento 203 do bloco I do Condomínio Majestic, no Cidade Jardim, onde moravam os três, os dois disseram acreditar que o menino fora vítima de um acidente doméstico. Ao delegado Henrique Damasceno, titular da 16ª DP , eles contaram ter encontrado a criança no chão, com mãos e pés gelados e olhos revirados, por volta de 3h30. Após terem conhecimento de que o laudo de necropsia assinalava sangramento interna e laceração hepática, provocada por ação contundente, afirmaram que Henry poderia ter caído da cama.

Ao delegado Henrique Damasceno, da 16ª DP , a mulher relatou que ela e a filha, que tem atualmente 13 anos, padeceram diversas agressões por parte do vereador, entre 2010 e 2014.O nude da cabeleireira teria começado a circular em um aplicativo de mensagens na semana de 23 de março, quando ela foi até a 16ª DP. Em cima da imagem, há a mensagem: “Vereador Jairinho que botou peito em mim”. Ela declarou à polícia que conheceu Jairinho em 2010, na fcelebraçãode comemoração pela evotaçãode seu pai, o policial militar e ex-deputado estadual Jairo de Souza Santos, o Coronel Jairo , e logo depois eles teriam ficado noivos. Na ocasião, o vereador era oficialmente casado com a dentista Ana Carolina Ferreira Netto, mãe de dois de seus três filhos.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY NEGATIVE

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Investiga-se Jairinho após ser indiciado por a morte de Henry e virar réu por tortura, compreenda todos os casos em que
>>>>>Fora do isolamento, Jairinho divide cela com presos por tráfico, fraude no INSS e envolvimento com a milícia – April 30, 2021 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>Conselho de Ética da Câmara Municipal do Rio define abertura de cassação do Dr. Jairinho por unanimidade – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Caso Henry: filhos de ex-namoradas de Jairinho contam como eram torturas – April 30, 2021 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>>>>>Caso Henry: ‘Peça de ficção’, diz advogado de Jairinho sobre carta de Monique – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>Caso Henry: inquérito deve terminar na quinta; polícia não planeja ouvir Monique – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Em carta, Monique contradiz depoimento e afirma que foi Jairinho quem encontrou Henry caído no chão – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Caso Henry: polícia indicia Dr. Jairinho e a mãe do menino por homicídio duplamente qualificado – May 03, 2021 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>Caso Henry: após quarentena, Jairinho deixa isolamento e vai para cela coletiva em presídio – April 29, 2021 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>>>>>Caso Henry: acusado de assassinar o enteado, Jairinho se mostrava violento na infância – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Entenda como as provas técnicas atestaram que o menino Henry foi vítima de homicídio – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 eu 100 121 NONE 15 (tacit) eu: 13, Me: 1, mim: 1
2 Jairinho 0 50 PERSON 13 Jairinho: 8, Ela (referent: Vereador_Jairinho): 1, (tacit) ele/ela (referent: Jairinho): 1, Vereador_Jairinho: 2, o Dr._Jairinho (apposition: preso acusado de envolvimento): 1
3 inquérito 0 0 NONE 6 um outro inquérito: 1, o inquérito: 5
4 vereador 0 0 NONE 6 o vereador era: 1, O vereador: 1, vereador: 1, o vereador: 3
5 agressões 0 115 NONE 5 as agressões: 3, diversas agressões: 1, agressões: 1
6 Debora 60 75 PERSON 4 (tacit) ele/ela (referent: Debora): 1, Debora: 2, ela (referent: Debora): 1
7 Pablo Sartori 0 0 PERSON 4 O delegado Pablo_Sartori (apposition: titular DRCI): 1, (tacit) ele/ela (referent: O delegado Pablo_Sartori): 3
8 criança 0 0 NONE 4 a criança deitada: 1, A criança: 1, a criança: 2
9 depoimento 0 0 NONE 4 depoimento prestado: 1, depoimento: 3
10 outro advogado 0 0 NONE 4 ele (referent: outro advogado): 1, (tacit) ele/ela (referent: outro advogado): 3