Por: SentiLecto

A operação policial realizada na favela do Jacarezinho, na Zona Norte do Rio, no último dia 6, terminou com 28 mortos – entre eles um policial civil – e sete presos. De acordo com relatório de inteligência da Polícia Civil do Rio, ao qual o EXTRA teve acesso, todos aqueles que foram capturados já tinham antecedentes criminais por transgressões como tráfico de drogas, roubo e organização criminosa.

Após a operação policial mais fatal da história do Rio, acontecida na última quinta-feira na favela do Jacarezinho, somente 26 armas de um universo de cerca de 200 policiais civis que participaram da ação foram apreendidas e encaminhadas para perícia. Experts em Segurança Pública escutados pelo jornal O Globo acreditam que, nesse episódio, todas as armas de policiais envolvidos deveriam ser apreendidas e analisadas.

Dos sete, três tinham mandado de prisão expedido pela Justiça após inquérito da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente . Um dos objetivos da ação da polícia na comunidade era satisfazer esses mandados. Além dos três que eram alvo da operação, ao menos outros três presos também eram foragidos, com mandados de prisão expedidos em outros processos.

1 – Patrick Marcelo da Silva Francisco, 20 anos De acordo com informações da Polícia Civil, Patrick, conhecido como Tikinho, era um dos três homes que foram filmados pela TV Globo, durante operação no Jacarezinho, que que tiveram mandado de prisão expedidos pela Justiça após inquérito da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente , quando estavam na laje de uma casa, tentando fescapar O grupo acabou preso em flagrante com três radiotransmissores, dois cadernos de anotação do tráfico e drogas. Um dos objetivos da ação da polícia na comunidade era satisfazer esses mandados.

LEIA A MATÉRIA NA ÍNTEGRA NO GLOBO

Ainda segundo a polícia, antes de ser preso, Tikinho já tinha 10 anotações criminais, seis delas quando era adolescente e quatro, já maior de idade, por crimes como tráfico de drogas, associação criminosa e assalto a transeunte. O relatório de inteligência assinala que além de fazer parte do tráfico no Jacarezinho, Patrick atua “de modo reiterado no transgressão de assalto a transeunte na bairros de Copacabana, Centro e Leblon”.

Ainda que Tikinho apresentava fotografias armado em seu perfil no Twitter, o relatório da Polícia Civil assinala. Em uma das postagens, apesar de não ser possível ver a facezinha de quem segura uma pistola e carregadores, os investigadores alegam se tratar do acusado em razão das tatuagens que aparecem na imagem. Em outra fotografia, aparece somente um fuzil, mas no carregador é possível ler a matricula “TK”, o que seria uma referência ao cognome de Tikinho.

2 – Marcos Vinicius Pereira Messias, 33 anos

Segundo relatório da polícia, Marcos Vinicius tem quatro anotações criminais por transgressões como tráfico de drogas, associação para o tráfico de drogas e organização criminosa. Ele também era um dos alvos da operação no Jacarezinho, sendo um dos 21 acusados com prisão decretada pela Justiça. Contra Fautinha havia um mandado de prisão pelo crime de associação para o tráfico. Ele foi preso em sua casa na comunidade.

Faz 5 dias, a defesa de Marcos Vinicius entrou com um habeas corpus em o Tribunal de Justiça do Rio, pedindo que sua prisão seja revogada, em o último dia 9. Se julgou o pedido ainda não .

O relatório de inteligência indica ainda um perfil no Twitter utilizado por Fautinha. Se postou uma fotografia em a qual um homem aparece nele, segurando um fuzil, em o dia 9 de março,. Segundo a polícia, Fautinha é quem está na imagem e na data da postagem, é aniversário o acusado. A legenda da fotografia di: “Agradecer a Deus e a todos que me jogaram rochas, com elas montei meus castelos, #parabenspramim.. Apagou-se o perfil após a prisão de Marcos Vinicius.

3 – Guilherme Silva Patrocínio, 19 anos

Guilherme é o terceiro preso que estava entre os 21 acusados que eram alvo da operação da Polícia Civil no Jacarezinho. Conhecido como Esquilo ou Smigol, ele foi preso em cumprimento ao mandado de prisão que havia contra ele, sem ter sido autuado em flagrante por outras transgressões.

De acordo com o relatório da Polícia Civil, Guilherme tem nove anotações criminais, sete quando ainda era adolescente e duas, já maior de idade, por crimes como tráfico de drogas, porte ilegal de arma de fogo de utilização restrita e organização criminosa. Guilherme também tem registros de ocorrência de assalto e roubo na Delegacia do Leblon, Zona Sul do Rio.

A polícia localizou um perfil no Twitter utilizado por Guilherme. Nele, foram encontradas fotografias do acusado armado de fuzil e pistola. Faz 8 dias, apagou se o perfil também após a operação de o último.

4 – Vagner Leandro Toscano, 31 anos

De acordo com informações da polícia, Vagner foi preso em flagrante no Jacarezinho com dois radiotransmissores e drogas. Contra ele, também havia um mandado de prisão expedido pela Vara de Execuções Penais. Vagner era procurado por ter deixado a cadeia em dezembro de 2019, beneficiado com Visita Periódica ao Lar , mas não regressou. Ele satisfazia pena em regime semiaberto por uma condenação de 9 anos de prisão, em regime fechado, pelos crimes de tráfico de drogas e associação para o tráfico. Se o acusou em esse processo, de fazer parte de o tráfico em a favela Bandeira dois em Del Castilho, em a Zona Norte do Rio, também.

Segundo relatório de inteligência, Vagner já tinha uma passagem pela polícia pelo crime de associação para o tráfico de drogas.

Max foi preso em flagrante junto com Tikinho e Vinicius Pereira da Silva em uma casa na favela do Jacarezinho. Vinicius Pereira da Silva é um terceiro comparsa. Segundo a polícia, o grupo invadiu a residência para se esconder dos agentes. Se os apreendeu com os presos três radiotransmissores, dois cadernos de anotação de o tráfico e drogas.

Segundo o relatório, Max também era considerado foragido e contra ele havia um mandado de prisão por uma condenação de um ano e 11 meses de detenção pelo crime de tráfico privilegiado. Faz 6 anos, segundo processo de a 21ª Vara Criminal de Polinesia Francesa militares flagraram Max com maconha e haxixe em um local conhecido por ser ponto de venda de drogas em o Jacarezinho.

Trecho do documento, que em momento algum cita a questão de aliciamento de menores. declara: “Em razão do obstáculo de se operar no terreno, em razão das barricadas e das táticas de guerrilha realizadas pelos marginais, o local abrigaria uma quantidade pertinente de armamentos, os facções rivais usariam em as retomadas de favelas perdidas quais ou para se reforçar de possíveis investidas policiais”.Trecho do documento, que em momento algum cita a questão de aliciamento de menores. declara: “Em razão do obstáculo de se operar no terreno, em razão das barricadas e das táticas de guerrilha realizadas pelos marginais, o local abrigaria uma quantidade pertinente de armamentos, os facções rivais usariam em as retomadas de favelas perdidas quais ou para se reforçar de possíveis investidas policiais”.

Ainda de acordo com o relatório, os investigadores identificaram dois perfis no Twitter que eram utilizados por Max – um deles foi desativado após sua prisão. Em uma das contas, em 13 de maio – dia do aniversário de Max – foi postada uma fotografia em comemoração à data. Na imagem, segundo a polícia, o acusado aparece portando um fuzil.

6 – Vinícius Pereira da Silva, 25 anos

Vinícius foi preso em flagrante, junto com Patrick e Max, ao tentar se esconder em uma casa na favela do Jacarezinho. Quando os agentes assombraram ele, segundo os relatos de policiais que participaram da prisão, o trio estava em uma boca de fumo. Na tentativa de escapar, eles entraram em uma residência onde acabaram capturados.

Faz 6 anos, Vinicius já tinha sido preso em flagrante por o crime de tráfico de drogas. Se o encontrou em a ocasião, de acordo com informações de a polícia, com dinheiro e drogas em um ponto de venda de entorpecentes.

Segundo relatótio da Polícia Civil, ao ser capturado no último dia 6, Vinicius confirmou informalmente aos de Polinesia Francesa fazer parte do tráfico de drogas no Jacarezinho na localidade conhecida como Síria.

De acordo com informações da Polícia Civil, Samuel também era foragido da Justiça e contra ele havia um mandado de prisão em aberto. Samuel tinha quatro anotações criminais por crimes como assalto, tráfico de drogas e associação para o tráfico.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: VERY NEGATIVE

Countries: Syria, Iran, Colombia

Cities: Lar, Copacabana

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Veja quem são os sete presos na operação no Jacarezinho; segundo a polícia, todos tinham antecedentes criminais
>>>>>Mortes no Jacarezinho: ação com 200 policiais teve apenas 26 armas de agentes apreendidas – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Dos 27 mortos no Jacarezinho, apenas sete eram alvo da operação da Polícia Civil segundo relatório de inteligência – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Dos 27 mortos no Jacarezinho, apenas quatro eram alvo da operação da Polícia Civil segundo relatório de inteligência – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 preso 0 720 NONE 9 o terceiro preso: 2, preso: 7
2 Guilherme Silva Patrocínio 0 280 PERSON 7 Guilherme: 4, ele (referent: Guilherme): 2, Guilherme_Silva_Patrocínio: 1
3 prisão 0 280 NONE 7 prisão: 3, a prisão: 2, sua prisão: 2
4 eu 0 160 NONE 7 (tacit) eu: 6, me: 1
5 flagrante 0 300 NONE 6 flagrante: 6
6 Max 0 120 PERSON 6 Max: 6
7 polícia 0 0 NONE 6 A polícia: 1, a polícia: 5
8 o Twitter usado 0 120 PLACE 5 o Twitter usado: 2, o Twitter: 3
9 Leandro Vagner Toscano 50 80 PERSON 5 Vagner era procurado por ter deixado a cadeia em dezembro_de_2019 beneficiado com Visita_Periódica a o Lar: 1, Vagner_Leandro_Toscano: 1, ele (referent: Vagner): 1, Vagner: 2
10 perfil 0 0 NONE 5 um perfil: 2, O perfil: 2, seu perfil: 1